Avançar para o conteúdo principal

Viana do Castelo - A Bela e o Monstro

A Bela (Santa Luzia) e o Monstro (Prédio Coutinho)
O “Prédio Coutinho” foi construído na segunda metade da década de 1970. É um prédio de 13 andares, situado no centro histórico de Viana, junto ao Rio Lima e, desde a sua construção tem gerado muita polémica.
Já data de 1975 a primeira tentativa de demolição por parte da então Comissão Administrativa da Câmara de Viana do Castelo, que por falta de verba não surtiu efeito.
No ano de 1990, o Presidente da Câmara, Branco Morais, eleito pelo PSD, tentou arranjar verbas comunitárias para demolir o prédio até ao sexto andar, mas como anteriormente, também esta intenção não se concretizou.
Desde que foi eleito para a autarquia pelo PS, Defensor Moura encetou uma luta no sentido de demolir o referido prédio e reconverter aquele espaço, para nele ser construído um novo Mercado Municipal.
Defensor Moura foi apoiado na sua intenção pelo Governo PS de António Guterres. Entretanto o Governo mudou para o PSD (Durão Barroso e Santana Lopes) que, recusaram apoiar a demolição, invocando que ficava muito dispendioso e não haver financiamento comunitário.
Já em 2005 com o Governo PS, a polémica foi relançada, mas teve forte oposição de alguns proprietários e moradores do referido edifício, que não querem abandonar as suas casas e a Câmara e o Governo que querem ir para a frente com a sua demolição e o realojamento dos moradores em edifícios já construídos para o efeito ou através de indemnizações.
O processo encontra-se há já alguns anos à espera de decisão judicial.
Pelo que se vai ouvindo, parece-me que uma grande maioria dos Vianenses está de acordo que o referido edifício destoa, é inestético e inapropriado, atendendo ao local onde está implantado (Zona Histórica da cidade), pondo somente algumas reservas quanto ao elevado custo necessário para a sua demolição e se esse dinheiro não seria melhor utilizar noutros projectos.

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Andando pela cidade…

No segundo espaço verde mais antigo de Viana do Castelo, o Jardim D. Fernando, datado de 1888, está a ser alvo de intervenção uma das principais atrações deste jardim, a taça/cascata e gaiolão que alberga algumas aves.

A passear por Viana…

Pela zona ribeirinha da cidade. Fevereiro 2024

Espaço relvado da Marina ganhou mais árvores

A arborização urbana pode não ser tudo, mas é um elemento importante para a ação climática das cidades e para ajudar com o desconforto térmico nos dias mais quentes do ano.  A autarquia vianense, iniciou recentemente a plantação de cerca de 570 árvores em ambiente urbano, privilegiando espécies autóctones como os Carvalhos, Tílias, Choupos, entre outras de cariz mais ornamental.

Um complexo em ruínas chamado Luziamar

Recentemente foi colocada ao redor do que resta deste emblemático empreendimento, uma nova vedação e uma placa com o nome da empresa atual proprietária do espaço. Será que está para breve alguma intervenção no sentido de se recuperar este importante espaço degradado da cidade de Viana do Castelo? O complexo turístico do Luziamar abriu portas em 1974 e fechou em meados da década de 90 do século passado. Durante grande parte do tempo em que se manteve em atividade, foi umas das principais referências na noite da região Norte de Portugal e da Galiza, sobretudo devido à sua discoteca, marcando uma geração que ainda hoje o recorda com saudade. Nos últimos anos, a empresa proprietária do Luziamar já teve diferentes projetos no sentido de recuperar aquele espaço mas, até ao momento, ainda nenhum se concretizou. Em 2015, numa reunião da Câmara Municipal de Viana do Castelo, foi revelado que era vontade do atual proprietário: ..."recuperar a atual envolvência do Luziamar", acresce