Avançar para o conteúdo principal

Viana do Castelo - Exposição das Maias

As varandas dos edifícios da Praça da República, em Viana do Castelo, apareceram, como é tradição no dia 1 de Maio, todas enfeitadas de lindas coroas de flores (Maias).
De seguida apresento um texto retirado do site da RTAM, que explica o porquê desta tradição das "Maias".
A Maia, chamada, também, "Rainha do Maio", ou "Rosa do Maio", era uma boneca de palha de centeio, em torno da qual havia descantes toda a noite (1.º de Maio); outras vezes, uma menina coroada com flores, que se enfeitava com o vestido branco, jóias, etc., sendo colocada num trono florido, e venerada todo o dia com danças e cantares. 
Esta festa, sem dúvida com reminiscências pagãs (celtas-romanas), foi proibida várias vezes (caso de Lisboa onde em 1402, por carta régia de 14 de Agosto se determinava aos juízes e à câmara que impusessem as maiores penalidades a quem cantasse Mayas ou Janeiras, e outras coisas contra a lei de Deus). 
No Alto Minho, esta velha tradição mantém-se. Na manhã do 1.º de Maio, as casas das nossas aldeias aparecem todas enfeitadas com raminhos de giesta, relembrando os costumes de coroação (Maio ou Maia). 
Com o cristianismo deu-se a este velho ritual pagão (rito da fertilidade para uns, novo ciclo da natureza, o triunfo da primavera, o reverdescer das plantas, o começo de um ano agrícola; rito da fecundidade, prognosticando boas colheitas), um carácter religioso (sua ligação á festa de Santa Cruz – Festa das Cruzes – Barcelos ou, mesmo, ao Corpo de Deus). 
A lenda que se conta, e a mais habitual do Alto Minho, é a seguinte:
Herodes soube que a Sagrada Família na fuga para o Egipto pernoitaria numa certa aldeia. E estava já disposto a mandar matar todas as crianças do sexo masculino. Perante tal morticínio, um outro Judas, informa-o de que tal não valeria a pena. Também, não lhe dizia onde estava o Menino Jesus, mas colocaria um ramo de giesta florida na casa onde ele pernoitasse. Assim, bastaria à soldadesca procurar a tal casa e, pronto!...
Porém, qual não foi o espanto dos legionários quando, na manhã seguinte, todas as casas da aldeia apareceram com o tal raminho de giesta florida!... Verdade ou ficção, a lenda ainda perdura, mas já com variantes!







MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Mordoma do cartaz da Romaria d’Agonia 2024 escolhida por concurso

Pela primeira vez na história da Romaria d’Agonia a mordoma do cartaz que leva a maior festa popular portuguesa a todo o mundo será selecionada por um júri entre 20 finalistas, todas elas escolhidas entre as concorrentes, abrindo assim espaço para mulheres com idades entre os 18 e os 35 anos participarem. “Qualquer mulher que sinta a nossa Romaria pode concorrer e pode aspirar a ser a mordoma da festa. É uma inovação que introduzimos este ano, pensando em todas as jovens mulheres que alimentam este sonho”, explicou Manuel Vitorino, presidente da VianaFestas, a entidade organizadora das festas da cidade. O novo regulamento para escolha do cartaz da Romaria de Nossa Senhora d’Agonia vai ser implementado este ano e substitui o modelo anterior, de concurso promovido, que estava em vigor desde 2011, e que implicava escolher o conjunto do autor, do cartaz e da mordoma. No formato para a definição do cartaz da Romaria a estrear este ano, o mesmo passa a contemplar três fases, com qualquer mul

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

“Mercado dos Descobrimentos”, de 07 a 10 de junho

A cidade de Viana do Castelo vai entrar na época dos Descobrimentos e mostrar as riquezas que os portugueses trouxeram do continente americano. Desde o chocolate, ao café, passando pelo milho, pimentos e batatas, até aos perus, os novos produtos e especiarias do outro lado do mundo vieram revolucionar a cozinha portuguesa.   A segunda edição do “Mercado dos Descobrimentos”, de  0 7 a 10 de junho, vai fazer uma ponte histórica e cultural entre os dois lados do Atlântico, com diversos apontamentos musicais, teatrais e de animação, com destaque para o artesanato e a gastronomia.   O Castelo Santiago da Barra e a zona envolvente terão oito diferentes espaços, com um programa de animação itinerante durante mais de 20 horas e a participação de  150  mercadores, artífices, artesãos e regatões, característicos da época dos Descobrimentos ao longo dos quatro dias.    “Voltamos a aliar a história, a animação, a cultura e a gastronomia num único evento que contará com mais de 60 momentos ao longo

Monumento a Viana do Castelo…

A dar as boas vindas a quem chega a Viana do Castelo pelo mar.

Feira Medieval de Viana do Castelo

Às ruas do centro histórico de Viana do Castelo, onde decorre desde a passada quinta-feira a Feira Medieval , tem acorrido muita gente para apreciar e usufruir dum ambiente medieval, com a recriação de festas, sons, cheiros e sabores de tempos bem longínquos. Se ainda não visitou esta Feira, tem até domingo dia 13, a oportunidade de se deliciar com este ambiente de sabor medieval enquadrado no cenário do centro histórico de Viana do Castelo.