Avançar para o conteúdo principal

Empresários de Viana entram na corrida à concessão da futura marina atlântica.

Notícia da Rádio Alto Minho, Viana do Castelo, de 2009.08.28

A possibilidade da construção e concessão da futura marina atlântica de Viana do Castelo poder ser entregue, por adjudicação directa, a uma empresa de Espanha, levou um grupo de empresários vianenses a assumirem-se como candidatos à gestão conjunta dos três espaços de náutica de recreio previstos no Plano de Pormenor da frente ribeirinha da cidade.
A proposta da sociedade náutica Real Iate de Viana foi entregue no prazo limite de 30 dias fixado pela Administração do Porto de Viana do Castelo (APVC). Assenta “num conceito de gestão partilhada, integradora de diversos agentes e sectores de negócio, de actividades desportivas e formativas, reforçando a economia do mar como componente fundamental do desenvolvimento estratégico de Viana”.

É a segunda candidatura à exploração dos equipamentos uma vez que em Julho passado, a APVC tinha anunciado o interesse de um investidor espanhol, com experiência na gestão de portos de recreio. A proposta de exploração apresentada pela empresa espanhola foi «considerada positiva», ficando dependente a sua aceitação de novas candidaturas, o que veio a acontecer. A APVC deverá agora lançar novo concurso público para a atribuição da concessão por um período que pode ir dos 30 aos 50 anos. O primeiro, aberto em 2008, fechou deserto de propostas.
A concessão inclui a construção da futura marina atlântica, prevista para a antiga doca comercial e a recuperação da marina junto à ponte Eiffel e a que está situada a nascente, no parque da cidade, destinada a embarcações mais pequenas. O projecto de recuperação urbanística da zona envolvente da futura marina atlântica prevê ainda a construção de um aparthotel e unidades de restauração.
Para a sociedade de Viana “o conhecimento e a experiência dos problemas locais e regionais, deverão ser factores determinantes na definição do perfil da futura entidade concessionária”.
Em declarações à RAM um dos sócios, Rui Martins, afirmou que «seria no mínimo descabido que os empresários locais não estivessem atentos à possibilidade de gerir os seus próprios recursos».
«É um dever municipalista e patriótico o assumir dos desafios empresariais dedicados ao investimento e à gestão dos recursos ambientais e construídos que constituem o nosso valioso património».
Para este arquitecto de formação, que chegou a exercer as funções de vereador responsável pelo planeamento e gestão urbanística no primeiro mandato do executivo socialista de Defensor Moura, a candidatura é «um claro manifesto da capacidade empreendedora e inovadora» dos empresários locais, que «em igualdade de oportunidade», quer ao nível técnico quer de financiamento, «têm condições para gerir os seus próprios destinos, sem dificuldades».
«A decisão de concessão tem que ser muito bem ponderada, envolvendo inclusivamente o poder político local, porque isto vai vincular a cidade a um compromisso que pode ir até aos 50 anos», sublinhou.
Para Martins, autor da ponte móvel construída na marina a jusante da ponte Eiffel, a concessão «deve resultar da análise dos projectos de gestão e da credibilidade das pessoas envolvidas».
A estratégia da sociedade náutica passa por transformar as marinas num equipamento «activo e gerador de dinâmicas económicas e sócias».
«Tem que gerar actividades paralelas ao nível da hotelaria, turismo, restauração, construção e manutenção naval e formação náutica», adiantou.
Segundo o empresário, não é esse o modelo actual «resultante da gestão estatal».
«Uma marina não se pode limitar a ser um parque de estacionamento de embarcações e a cobrar taxas».
De acordo com Rui Martins, a marina «não tem condições de acolhimento, não possui posto de abastecimento de combustível e está assoreada».
«Anuncia cotas de fundos de três metros mas, na maré baixa embarcações de um 1,8 m já ficam encalhadas».
«É frequente, em Baiona ou em Vigo, os velejadores que navegam pela costa atlântica, com destino ao sul da Europa, serem aconselhados a não acostar em Viana», frisou.
Para a Real Iate de Viana, as marinas devem ser «equipamentos turísticos de altíssima qualidade, onde não se admitem falhas desta natureza».
Actualmente o porto de recreio é constituído por duas docas. Uma, situada a jusante da velha ponte metálica, com 163 postos de acostagem para embarcações até 20 metros de comprimento e 3 metros de calado. A outra, localizada a montante da mesma ponte, dispõe de 144 postos de amarração para embarcações de menor porte.
Aumentar o número de atracagens já existentes na cidade é o objectivo da construção das novas marinas, já que a aposta no turismo náutico tem sido apontada como uma das áreas que o executivo socialista está interessado em explorar.

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Mordoma do cartaz da Romaria d’Agonia 2024 escolhida por concurso

Pela primeira vez na história da Romaria d’Agonia a mordoma do cartaz que leva a maior festa popular portuguesa a todo o mundo será selecionada por um júri entre 20 finalistas, todas elas escolhidas entre as concorrentes, abrindo assim espaço para mulheres com idades entre os 18 e os 35 anos participarem. “Qualquer mulher que sinta a nossa Romaria pode concorrer e pode aspirar a ser a mordoma da festa. É uma inovação que introduzimos este ano, pensando em todas as jovens mulheres que alimentam este sonho”, explicou Manuel Vitorino, presidente da VianaFestas, a entidade organizadora das festas da cidade. O novo regulamento para escolha do cartaz da Romaria de Nossa Senhora d’Agonia vai ser implementado este ano e substitui o modelo anterior, de concurso promovido, que estava em vigor desde 2011, e que implicava escolher o conjunto do autor, do cartaz e da mordoma. No formato para a definição do cartaz da Romaria a estrear este ano, o mesmo passa a contemplar três fases, com qualquer mul

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Estado de degradação e abandono da praia Norte

Este ano foram-lhe atribuídos os galardões "Praia com Qualidade de Ouro" pela Quercus, e “Bandeira Azul” pela Associação Bandeira Azul da Europa, mas a praia Norte, em Viana do Castelo, apresenta uma imagem de degradação e abandono. Vários candeeiros de iluminação pública que estão no passeio em direção ao “Castelo Velho”, não têm o “chapéu”,  o que quer dizer que não existe iluminação, nos dois bares de apoio à praia a degradação e a falta de manutenção são evidentes, as casas de banho/balneários de apoio à praia anexos aos dois cafés, que muito jeito davam aos peregrinos que utilizam este Caminho em direção a Santiago de Compostela e também aos frequentadores da Praia e Ecovia Litoral Norte, estão fechados, os painéis informativos encontram-se em mau estado, corrimões das escadas de acesso ao areal estão cheios de ferrugem…

Viana do Castelo em dia de feira semanal

Esta velha e tradicional atividade realiza-se semanalmente, às sextas-feiras, no Campo d’Agonia/Campo do Castelo. Neste grande espaço de venda ao ar livre, encontra-se uma diversidade de produtos, nomeadamente louças, tecidos, roupas, calçado, atoalhados, móveis, vasilhame, ferramentas, cobres entre muitos outros. Horário de funcionamento | Verão das 07h00-20h00 / Inverno das 07h00-18h00. Feira Semanal em Viana do Castelo (2019.10.25) Feira Semanal em Viana do Castelo (2019.10.25) Feira Semanal em Viana do Castelo (2019.10.25) Feira Semanal em Viana do Castelo (2019.10.25) Feira Semanal em Viana do Castelo (2019.10.25) Feira Semanal em Viana do Castelo (2019.10.25) Feira Semanal em Viana do Castelo (2019.10.25) Feira Semanal em Viana do Castelo (2019.10.25)

Pela rua de Santa Clara

Esta artéria do centro histórico da cidade de Viana do Castelo deve o seu nome ao facto de por aqui ter existido uma capela de invocação a Santa Clara, que foi demolida nos princípios do século XIX.