Avançar para o conteúdo principal

Avianense investe 1 milhão em novas instalações e admite regresso a Viana do Castelo

A fábrica de chocolates Avianense, que funciona desde 2005 em Durrães, Barcelos, poderá voltar a Viana do Castelo em 2010, ano em que investirá 1 milhão de euros em novas instalações, avançou hoje à agência Lusa o seu proprietário.
Segundo Luciano Costa, o local das novas instalações ainda não está definido, mas "está de pé" a hipótese de a quase centenária fábrica regressar a Viana do Castelo.
"Tenho mantido alguns contactos mais ou menos informais nesse sentido com responsáveis da Câmara e a hipótese de a fábrica regressar a esse concelho está de pé. Até finais de Janeiro, no máximo, a decisão será tomada, porque quero ter as novas instalações operacionais ainda no próximo ano", acrescentou o responsável.
Fundada em 1914, a fábrica de chocolates Avianense foi declarada falida pelo Tribunal Judicial de Viana do Castelo a 24 de Setembro de 2004, lançando para o desemprego 48 trabalhadores.
Em causa estavam dívidas avaliadas em 2,155 milhões de euros.
O Estado era o maior credor da fábrica, reclamando uma dívida de 1,142 milhões de euros, respeitantes a IRS, IVA e Segurança Social.
A marca Avianense, bem como os equipamentos e a frota da empresa, foram arrematados, por cerca de 150 mil euros, por Luciano Costa, que em Agosto de 2005 retomou o fabrico dos chocolates em Durrães, Barcelos, aproveitando as instalações de uma fábrica de confecções, também sua propriedade.
"Desde pequeno que era fã incondicional dos chocolates Avianense, adorava aqueles pauzinhos de chocolate das pastas azuis no meio de um pão ou as tabletes de 10 gramas embrulhadas em papel de alumínio. Foi muito por causa disso que decidi pegar na fábrica", confessou o empresário.
A facturação tem registado um crescendo, ascendendo este ano a perto de 550 mil euros, respeitantes a 100 toneladas de chocolate.
"As actuais instalações não dão para mais", referiu Luciano Costa.
Na nova fábrica, o número de trabalhadores passará de 10 para 30, estando igualmente prevista a triplicação da produção anual, de 100 para 300 toneladas de chocolate.
A futura unidade reservará ainda um espaço para um museu, com livros, filmes, fotografias, máquinas e outras curiosidades, que contarão a história da Avianense e do fabrico do chocolate.
"Será um museu aberto a escolas e a todos quantos, de uma forma ou de outra, têm recordações ou memórias da Avianense", explicou Luciano Costa.
Uma dessas recordações é, seguramente, o "Imperador", um bombom feito com uma amêndoa torrada nacional e chocolate de leite.
"É o nosso ex-líbris e o produto que mais vendemos", assegurou o empresário.

Fonte: OJE/Lusa

Comentários

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Bom Dia Viana do Castelo

Iates na antiga doca comercial onde, presentemente, se encontra ancorado o navio museu Gil Eannes.  A reconversão desta antiga doca comercial numa marina atlântica está prevista há vários anos, mas tarda em concretizar-se. Com cerca de 477 metros de comprimento e 100 de largura, com a reabilitação prevista, a referida doca (futura Marina Atlântica) passará a ter capacidade para receber embarcações de recreio de maior dimensão.

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

PRAÇA DE TOUROS | Anteprojeto de reconversão

A construção de uma pista de atletismo a dez metros de altura, com 200 metros de extensão e vista panorâmica é uma das valências do 'campus' desportivo que vai nascer na antiga praça de touros de Viana do Castelo.  Em declarações hoje à agência Lusa, a propósito da conclusão do anteprojeto de reconversão da antiga praça de touros em 'campus' desportivo, o presidente da Câmara revelou que a infraestrutura, a criar no exterior e abrangendo todo o perímetro do edifício, poderá ser utilizada por atletas e pela população para "jogging, atletismo, caminhadas entre outras atividades de manutenção física".  A pista "será coberta", permitindo a sua utilização "mesmo em condições climatéricas adversas" e está integrada no projeto para reconversão da antiga praça de touros, um investimento de 2,5 milhões de euros que vai a concurso em abril de 2017 e que prevê a transformação da antiga arena, desativada há cerca de sete anos desde que cidade se d

Escadório de Santa Luzia

A Basílica de Santa Luzia, situada no alto do monte com o mesmo nome, é o monumento mais conhecido e visitado da cidade de Viana do Castelo. Para lá chegar tem três opções: a estrada, o funicular ou o escadório. Quem optar pelo funicular, fará um percurso de 650 metros, vencendo um desnível de 160 metros, numa viagem com duração de aproximadamente 7 minutos. Quem se sentir atraído a ir a pé pelo escadório, terá que subir 659 degraus. Subir esta escadaria não é assim tão difícil, basta ir com calma, parando quando o cansaço aparecer. Veja algumas fotografias do escadório de Santa Luzia.

Casa Brasileira a mais antiga confeitaria de Viana do Castelo

A fachada sóbria da “Casa Brasileira”, a mais antiga confeitaria da cidade de Viana do Castelo, “guarda” no seu interior verdadeiras delícias da doçaria tradicional. Fundada por emigrantes no Brasil, que a abriram precisamente no dia 22 de Março de 1902, no edifício onde ainda existe hoje, em pleno centro histórico da cidade, este estabelecimento citadino foi durante muitos anos um ícone dos doces típicos de Viana do Castelo. Mas, como em tudo na vida, esta confeitaria também teve os seus pontos altos e baixos. Os actuais proprietários, Sr. Norberto Martins e D. Maria Graça Ferreira, ex-emigrantes em França, quando em 2004 assumiram a direcção do estabelecimento, encontraram-no com uma deterioração que fazia esquecer os tempos dourados. Aos poucos, foram renovando o espaço e introduzindo nova doçaria de inspiração francesa que, juntamente com a confecção tradicional fez com que o espaço voltasse a ter a fama e a clientela que entretanto tinha perdido. Entre as especialidades serv