Avançar para o conteúdo principal

Defesa falha explicações sobre entrega de navio

Mais de cinco anos de polémicas, atrasos e dificuldades na construção.

É mais um capítulo na longa história da construção do primeiro navio patrulha oceânico (NPR) em Viana do Castelo. O mês de Janeiro já lá vai e aquela que foi a garantia, em Março de 2009, de que o "patrulhão" chegaria à Marinha no mês passado também se esvaneceu. Pelo contrário, ninguém do Ministério da Defesa aponta, ao DN, datas para a sua entrega.
"Está na fase final de construção, a passar sucessivas provas." É a única resposta do Ministério da Defesa sobre a entrega do NRP Viana do Castelo, em construção desde 2004 nos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC). A mesma fonte da Defesa limitou-se, esta semana, a justificar a situação actual com os testes ao navio, os quais estão a contar "com o acompanhamento da respectiva MAF [Missão de Acompanhamento e Fiscalização]", mas sem esclarecer os motivos da não concretização da entrega no prazo previsto ou outra data agendada.
A este facto não serão alheias alterações de projecto impostas ao longo de toda a construção, pela Marinha, à empresa pública e que agora culmina com a falha de mais um prazo na entrega do "patrulhão", o primeiro de oito encomendados ainda por Paulo Portas enquanto ministro da Defesa.
Recorde-se que o primeiro dos navios-patrulha oceânica, segundo a calendarização da empresa, divulgada no seu site oficial, deveria ser entregue a 22 de Janeiro, depois da realização de pro- vas de cais, de provas de mar e da formação e treino da sua guarnição. Prazos que foram sempre apontados como garantidos pela tutela, mas que agora nem comentados são.
Recorde-se que o segundo NPO, o NRP Figueira da Foz, já em fase final de construção, deverá ser entregue em Junho. Ainda no que toca ao reequipamento da Marinha, os ENVC já têm em curso a construção de mais dois NPO, de combate à poluição, e de cinco lanchas de fiscalização costeira, estas últimas com o projecto desenvolvido em parceria com um consórcio holandês.
Depois de mais de cinco anos de polémicas, atrasos e dificuldades na construção do primeiro NPO, inclusive com criticas ás exigências e "constantes alterações" ao projecto por parte da Marinha, o processo de entrega do navio ainda não chegou ao fim.
Pelo meio ficam problemas nos motores que inicialmente equiparam os navios, fornecedores alheios aos ENVC, ou, igualmente, no tipo de armamento (canhões) a equipar o NPO.

Fonte: Diário de Notícias online, de 2010-02-14.

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Andando pela cidade…

No segundo espaço verde mais antigo de Viana do Castelo, o Jardim D. Fernando, datado de 1888, está a ser alvo de intervenção uma das principais atrações deste jardim, a taça/cascata e gaiolão que alberga algumas aves.

A pesca da lampreia no estuário do Lima

Pequenas embarcações, com uma tripulação que varia entre dois e três pescadores por barco, dão vida e movimento a este rio que desagua na cidade de Viana do Castelo. Este é um período muito esperado pelos pescadores locais, pois cada exemplar deste ciclóstomo tem elevado valor comercial. Por estes dias os preços têm estado muito altos, rondando os 100 euros por unidade. A pesca decorre até 10 de abril. Fotos: estuário do rio Lima, fevereiro de 2024.

Um complexo em ruínas chamado Luziamar

Recentemente foi colocada ao redor do que resta deste emblemático empreendimento, uma nova vedação e uma placa com o nome da empresa atual proprietária do espaço. Será que está para breve alguma intervenção no sentido de se recuperar este importante espaço degradado da cidade de Viana do Castelo? O complexo turístico do Luziamar abriu portas em 1974 e fechou em meados da década de 90 do século passado. Durante grande parte do tempo em que se manteve em atividade, foi umas das principais referências na noite da região Norte de Portugal e da Galiza, sobretudo devido à sua discoteca, marcando uma geração que ainda hoje o recorda com saudade. Nos últimos anos, a empresa proprietária do Luziamar já teve diferentes projetos no sentido de recuperar aquele espaço mas, até ao momento, ainda nenhum se concretizou. Em 2015, numa reunião da Câmara Municipal de Viana do Castelo, foi revelado que era vontade do atual proprietário: ..."recuperar a atual envolvência do Luziamar", acresce

A passear por Viana…

Pela zona ribeirinha da cidade. Fevereiro 2024