Avançar para o conteúdo principal

Despedir para viabilizar Estaleiros de Viana

A redução do número de trabalhadores é uma hipótese a discutir na assembleia geral de 29 deste mês.
O Governo vai dar uma última hipótese para garantir a viabilidade futura dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo e apelou à compreensão dos trabalhadores para as medidas de reestruturação, a adoptar em breve. A redução da força laboral, actualmente de 800 trabalhadores, é uma das propostas em cima da mesa na Assembleia Geral marcada para o dia 29 de Abril.
A mensagem foi passada esta semana à Comissão de Trabalhadores dos ENVC pelo secretário de Estado da Defesa. No âmbito da reestruturação, o maior construtor naval português deverá ter um novo conselho de administração, composto por três membros executivos, um deles militar, e dois não executivos.
Apesar das garantias do Governo, os trabalhadores não escondem a "preocupação" com as mudanças em perspectiva e a situação financeira da empresa. Os Estaleiros de Viana fecharam as contas do ano passado com prejuízos de cerca de 22 milhões de euros, situação provocada sobretudo pela recusa, em Abril de 2009, do Governo dos Açores em aceitar o ferryboat Atlântida que encomendou à fábrica minhota, por não cumprir os requisitos que estavam contratados. A encomenda de um segundo navio, o Anticiclone, foi também cancelada.
"O caso Atlântida veio agravar muito as nossas contas. Há um navio construído, mas encostado na doca há um ano. É um activo que temos ali [negócio inicial de 50 milhões de euros com os Açores], mas que está parado, além dos encargos da construção e as indemnizações devidas aos Açores", referiu ao DN fonte da empresa pública.
"Se não fosse o negócio dos Açores, a empresa poderia ter registado resultados operacionais positivos, o que em ano de crise seria um factor determinante na nossa estratégia", considera a mesma fonte do maior estaleiro naval português.
Com este revés, o passivo total da empresa eleva-se agora a 60 milhões de euros, pelo menos. Há um ano, de acordo com dados revelados pela própria empresa, os ENVC tinham um passivo de 35 milhões de euros, mas, em contrapartida, a carteira de encomendas era muito elevada, incluindo contratos para a construção de navios e lanchas para a Marinha, que envolviam encomendas de 500 milhões de euros. Hoje, os Estaleiros de Viana estão a braços com uma preocupante falta de novas encomendas.

Fonte: Diário de Notícias online de 2010-04-11

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Mordoma do cartaz da Romaria d’Agonia 2024 escolhida por concurso

Pela primeira vez na história da Romaria d’Agonia a mordoma do cartaz que leva a maior festa popular portuguesa a todo o mundo será selecionada por um júri entre 20 finalistas, todas elas escolhidas entre as concorrentes, abrindo assim espaço para mulheres com idades entre os 18 e os 35 anos participarem. “Qualquer mulher que sinta a nossa Romaria pode concorrer e pode aspirar a ser a mordoma da festa. É uma inovação que introduzimos este ano, pensando em todas as jovens mulheres que alimentam este sonho”, explicou Manuel Vitorino, presidente da VianaFestas, a entidade organizadora das festas da cidade. O novo regulamento para escolha do cartaz da Romaria de Nossa Senhora d’Agonia vai ser implementado este ano e substitui o modelo anterior, de concurso promovido, que estava em vigor desde 2011, e que implicava escolher o conjunto do autor, do cartaz e da mordoma. No formato para a definição do cartaz da Romaria a estrear este ano, o mesmo passa a contemplar três fases, com qualquer mul

Cartaz da Romaria da Senhora da Agonia 2010

Já foram apresentados o cartaz e o programa da Romaria da Senhora da Agonia 2010. Segundo a organização, a edição 2010 que vai decorrer de 20 a 22 de Agosto, vai ter um orçamento de 420 mil euros e são esperados um milhão de pessoas para assistirem à Romaria das Romarias de Portugal.

Viagem no Tempo

Assim era o quotidiano na Ribeira de Viana do Castelo, anos 60 do século XX. Crianças descalças e felizes a brincarem na rua sem horários, sem a supervisão de um adulto, sem preocupações de segurança. 📷 Espólio Severino Costa | Arquivo Municipal de Viana do Castelo

Pormenores de Viana do Castelo

Se passar pela Rua do Loureiro, repare na originalidade deste portão do prédio nº 52.

Gigantones e cabeçudos vieram em 1893 para ficar na tradição

Remonta ao ano de 1893 a introdução dos gigantones e cabeçudos na Romaria da Senhora d'Agonia, em Viana do Castelo. Este costume foi importado da região espanhola da Galiza.  Como manda a tradição, vai acontecer todos os dias (20, 21, 22 e 23 de agosto) da Romaria da Agonia 2015, por volta das 12H00, na Praça da República, a habitual revista de “Gigantones e Cabeçudos”. Os Gigantones e cabeçudos, acompanhados de Grupos de Bombos e Zés P’reiras, transformam-se no número mais ruidoso das Festas de Viana, contagiando todos quantos a ele assistem.