Avançar para o conteúdo principal

Monumento ao pescador em Darque


Inaugurado em Outubro de 2007, o monumento ao pescador, com três metros de altura colocado na rotunda do Cais Novo, na freguesia de Darque em Viana do Castelo, é uma homenagem aos homens do rio de Darque.
O monumento é formado por um espelho de água com revestimento em granito e um conjunto em betão armado constituído por um pilar da ponte Eiffel e um barco de fundo chato, característico dos pescadores do rio Lima, a navegar entre duas ondas.
Apresenta ainda um pescador moldado em bronze, com três metros de altura, colocado em cima da proa do barco, a lançar a sua fisga a uma lampreia que se encontra debaixo de água.

Comentários

  1. Não há duvida que foi um valor acrescentado para a nossa vila.
    Criar Patrimonio, valorizar a nossa terra e defender as nossas tradições é um valor que temos de reconhecer, portanto louvo a iniciativa.
    Quanto ao resto temos muita a fazer , desde já conservar, o pouco que temos , não deixar destruir, nem adulterar os vestigios de historia que a nossa terra ainda tem.
    É de lamentar o completo abandono e desprezo a que tem sido mantido o acesso a Capela de S. Brás.
    Tem-se feitos obras que teem deixado muito a desejar,desde o aspecto exterior da mesma, aquando da conservação não se deram ao cuidado de deixar as pedras á vista, de forma que identificasse a antiguidade da capela.
    Muito recentemente cobriram um penedo de dimensões consideraveis com cimento . O espaço em questão pareçe mais uma eira. Este local não é um espaço comum mas sim um espaço com uma certa simbologia magica onde se encontra implantado um cruzeiro.
    O espaço foi completamente adulterado sem pedirem conselho a pessoas com conhecimentos de arqueologia, tomando iniciativa em fazer coisas erradas , adulterarando o espaço ,e fazer tudo menos conservar.
    Não compreendo como na minha terra ningúem seja é sensivel a estes problemas.
    Somos uma vila com certos privilégios, temos pessoas capazes,temos uma escola secundária,Faz-se tertúlias onde se debate assuntos de interesse local ,conversa-se de problemas da nossa Terra,Temos uma Sird, etc...
    Portanto valores não faltam, é preciso incultir nos mais jovens especialmente os estudantes a ser sensiveis a estes problemas.
    Temos de implementar nas pessoas locais valores para que mais tarde os nossos netos não nos culpem de não salvarguardar o patrimonio da freguesia temos de salvar o pouco que nos resta.
    Destruiram o Cais da Ribeira,por pouco não foi a Fonte do lugar da Fontinha,Perdeu-se um exlibris da freguesia " Uma duna Natural junto a um meio urbano " , Caso raro nos tempos de hoje , se fosse devidamente acautelado até servia de estudo ,o acesso´á antiga ponte de Madeira o empedrado, tem sido destruido, as pedras gradualmente vão desaparecendo.Os Marcos da freguesia que existiram mais ou menos junto ao lidle desapareceram, a unica Azenha junto ao Rio Côco destruiram-na, Deixaram levar a Senhora das Areias para fora da terra , conclusão uma imensidade de coisas que poderia inumerar aqui.
    No Dia 18-4-2011 A vila tem tres magnolias que apresentam uma antiguidade considerável, muito recentemento cortaram ramos sem perceberem que se trata de três especies que merecem toda atenção pois devem ser as arvores mais antigas do distrito.
    Faço um alerta ,antes que se lembrem de as cortar e conveniente mandar classificar como especies de interesse publico.
    Temos de salvarguardar esta situação , porque doutra forma é mais uma identidade da nossa terra que perdemos.

    ResponderEliminar
  2. As embarcações designadamento o "barco alarriba" ,foram barcos que nos fins do século XIX fizeram transportes na Freguesia de Darque quer para juzante do Rio lima, ou para o outra margem de Viana, ou vice versa.
    Gentes de Darque desempenharam papel importante neste profissão.
    Consultando obitos e testamentos verificamos que se encontra com muita frequencia a profissão "Barqueiros".
    Foi pena que Darque não aproveitasse a ideia de criar um barco identico ao de Lanheses , pois não obstante também poderia aquirir esta ideia e fazer dela um simbolo e patrimonio. Os Darquenses já que escolherem como simbolo da terra " o Barco " poderiam orgulhar-se mais , ter mais uma assunto a estudar a desenvolver, a preservar, faria parte integrante da história de Darque.
    Depois de terem o barco de Alarriba como simbolo da freguesia , terem um estaleiro de embarcações tradicionais , foi mesmo pena os Darquenses não se terem agarrado a esta ideia.
    Este tipo de Barco tem mais história em Darque que qualquer outra freguesia.
    Foi Pena Darque tem de Acordar!
    Darque em questão de defesa de Patrimonio e Tradições tem deixado muito a desejar!
    Não deixem que outros lhe passem á frente, aproveitem aquilo que é vosso por tradição e que vos pertence, por direito.
    Acordai Gente !

    ResponderEliminar
  3. Património esquecido e a preservar: os Gigantones de Darque que durante muitos anos abrilhantaram as Festas de Agonia , diversas localidades e até o proprio País.
    Alguém se preocupou em preservar, cuidar, as peças mais antigas como património ou até a criação de um possivel Museu.
    E porque não !
    Darque até poderia ser considerada a capital dos cabeçudos , como Santa Marta está para o Folclore!
    Muita gente esqueceu-se que Manuel Ribeiro Maciel teve ofertas feitas por estrangeiros pelas peças antigas e sempre se recusou a vende-las por qualquer espécie de dinheiro.
    Foi o criador das pequenas mascaras de cartão que durante muitos anos animaram os Carnavais de Viana e de todo o Minho.
    Localmente foi esquecido, é pena pois podiam invocar algo na vila que identificasse estas " Criaturas "que animaram muitas festas e terras do Alto-Minho.

    ResponderEliminar
  4. Darquense estupefacto .30 abril, 2011 13:01

    O Papel da Sociedade Instrução e Recreio de Darque.
    No titulo Sird " Quem somos "diz a dada altura ... Instituição orientada para a Instrução e Recreio....continua como instituição de cultura.
    A cultura em Darque não se pode limitar a futebol, concertos musicais,e danças.
    Como instituiçaõ que é, a sua função não está limitada , deve ser conduzida noutras areas tais como Preservação do Patrimonio, incentivar e defender as tradiçoes da terra, Criar nucleos de estudo, desenvolver espaço de leitura criando uma Biblioteca.
    Muito recentemente tive conhecimento que um Darquense ilustre da terra era possuidor de diversos livros.
    A Familia do mesmo propôs oferece-los à Sird , entenderam que seria o local mais apropriado e um valor de mais valia para a terra.
    Ficaram estupefactos quando verificaram que a direcção não mostrava interesse na sua aquisição, apesar de ser de borla.
    Pergunto eu .Será isto normal!

    ResponderEliminar
  5. Bem sejamos sinceros esta uma porcaria.

    ResponderEliminar
  6. O homem que está representado na estátua tem profissão conhecida como caleiro.
    O caleiro é pescador de rio e era barqueiro no Lima antes de existir ponte em Viana do Castelo.
    É uma denominação regional e deriva do nome cale, um tipo de embarcação.
    Em Viana do Castelo existe uma rua que se chama Rua dos Caleiros.
    É denominação que está a cair no esquecimento total, a ponto de os próprios pescadores de rio em Darque e Viana a desconhecerem.

    ResponderEliminar
  7. Eu morei em Darque cais novo desde 1987a 1998 lembro me que os melhores momentos foram passados aí as festas da sra das areias que tantas saudades da ,como morava mesmo no lugar do cais novo onde moravam 2 mulheres quê adorava as peixeiras tia Alice e a irmã muito conhecidas no cais novo lembro me de me vestir como peixeira levar cestos com peixe fazíamos desfiles lembro me também de irmos ver o fogo junto ao rio que ea lindo onde tinha uma padaria o pão quentinho a noite e de nós sentarmos a espera saudades de como Darque lugar do cais novo e lindo memórias que me dão lágrimas de saudades desse tempo e das pessoas que infelizmente sei que algumas já partiram mas tantas lembranças e saudades me

    ResponderEliminar
  8. Eu morei em Darque cais novo desde 1987a 1998 lembro me que os melhores momentos foram passados aí as festas da sra das areias que tantas saudades da ,como morava mesmo no lugar do cais novo onde moravam 2 mulheres quê adorava as peixeiras tia Alice e a irmã muito conhecidas no cais novo lembro me de me vestir como peixeira levar cestos com peixe fazíamos desfiles lembro me também de irmos ver o fogo junto ao rio que ea lindo onde tinha uma padaria o pão quentinho a noite e de nós sentarmos a espera saudades de como Darque lugar do cais novo e lindo memórias que me dão lágrimas de saudades desse tempo e das pessoas que infelizmente sei que algumas já partiram mas tantas lembranças e saudades me deixaram

    ResponderEliminar
  9. Bem elaborado, bela homenagem ao homem do rio lima e embeleza bastante a entrada da nossa linda Vila, parabéns.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Seis pirogas encontradas no rio Lima em Viana do Castelo classificadas "tesouro nacional"

  O Governo aprovou hoje, em Conselho de Ministros, o decreto que classifica, como conjunto de interesse nacional diversos bens móveis arqueológicos náuticos e subaquáticos, sendo-lhes atribuída a designação de "tesouro nacional": as seis pirogas monóxilas provenientes de recolha arqueológica subaquática realizada no rio Lima, em Viana do Castelo; os três astrolábios provenientes de recolha arqueológica subaquática realizada em São Julião da Barra, e os dez canhões provenientes de recolha arqueológica subaquática, realizada na Ponta do Altar. As pirogas monóxilas são embarcações construídas a partir de um único tronco de árvore, neste caso de carvalho. Este conjunto apresenta um interesse arqueológico e patrimonial muito relevante enquanto testemunho notável da navegação em Portugal, e da travessia do Rio Lima em particular, desde a Idade do Ferro até à Baixa Idade Média. A dimensão do conjunto e de cada exemplar (uma delas com quase 7m de comprimento), o seu estado de conser

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Carnaval sem desfile tradicional mas com várias iniciativas para celebrar

Em Viana do Castelo, apesar da não realização do tradicional desfile e, para manter o espírito “folião”, o Carnaval vai festejar-se durante cinco dias (17 a 21 de fevereiro) marcados por DJ’s na Praça da República, concurso de máscaras, animação, motivos alegóricos na Praça da República, entre outras iniciativas. PROGRAMA 17 DE FEVEREIRO (sexta-feira) > 10h00 – 13h00 / 14h00 – 20h00 | Viagem de comboio turístico (para crianças) > 11h00 | Dança de Hip-Hop (Ana Coelho) > 10h00 – 13h00 | Dança e construção de fitas de dança criativa 18 DE FEVEREIRO (sábado) > 10h00 – 13h00 / 14h00 – 20h00 | Viagem de comboio turístico (para crianças) > 11h00 | Aula de Dancehall (Eduarda Silva) > 17H30 | 1º Edição da Corrida de Carnaval > 16h00 – 19h00 | Animação infantil (atelier de adereços de carnaval – espadas e varinhas de condão) > 22H00 | Concurso de Máscaras > 22H00 | DJ’s na Praça da República 19 DE FEVEREIRO (domingo) > 10h00 – 13h00 / 14h00 – 20h00 | Viagem de combo

Olha que três!

Esta foto tem a particularidade de permitir contemplar um dos mais belos enquadramentos arquitetónicos da cidade. O Chafariz-Estátua de Viana, no seu enfiamento, num plano superior a Capela das Malheiras e no alto do monte de Santa Luzia, o Santuário do Sagrado Coração de Jesus (Templo de Santa Luzia).

Viana de Outros Tempos

Assim era a Praça da República nos anos 60 do século XX. Espólio de Severino Costa | Arquivo Municipal de Viana do Castelo