Avançar para o conteúdo principal

Refer despeja Associação de Dadores de Sangue 15 dias após aceitar cedência

O aviso chegou duas semanas após receberem aceitação de que podiam utilizar o edifício durante mais dois anos.
A Associação dos Dadores de Sangue do Distrito de Viana do Castelo acaba de receber um aviso: Tem agora menos de dez dias para comunicar à Refer a data de saída das actuais instalações. Tudo porque a associação esteve durante os últimos anos instalada numa casa no antigo Bairro Ferroviário, cedida a título gracioso pela Refer. O mesmo espaço que a empresa pública quer agora transformar num moderno empreendimento habitacional.
Segundo a carta, a Refer estabelece ainda o final de Julho como a data limite para a mudança, o que deixou "sem palavras" a direcção da associação, tanto mas que apenas 15 dias antes a mesma empresa pública tinha enviado outra carta: "Dizia que poderíamos usufruir da sede durante mais dois anos, prazo que poderia ser prorrogável até 10 anos. Pouco dias depois enviavam outra carta a dizer que em dez dias temos que dizer quando saímos", apontou Alberto Sárrea, vice-presidente da associação. Ou seja, desabafou, "neste momento não temos para onde ir".
A Associação dos Dadores de Sangue do Distrito de Viana do Castelo já apelou à autarquia para que lhes seja "facultado um espaço, mesmo que por um período de tempo limitado até conseguirem arranjar outra solução".
Esta Associação foi criada em 27 de Maio de 2000, e tem por fins, "a dádiva desinteressada do sangue a toda a comunidade sem qualquer distinção, procurar prestar assistência a doentes em situação de emergência e ainda a dignificação do dador".
Quanto ao bairro em causa já registou várias polémicas. Em 2008, a Refer tentou expulsar uma família de 'okupas' de uma das casas, onde se encontrava há sete anos, clandestinamente. Uma das 12 casas daquele antigo bairro dos trabalhadores ferroviários.
A esta família, casal e dois filhos menores, também foi dado um prazo para a saída, mas depois da intervenção da Segurança Social foi encontrada uma solução alternativa de alojamento.
Em pleno centro da cidade, o bairro era habitado por trabalhadores da CP mas há mais de 20 anos que está devoluto, o que levou a Refer a promover a selagem, para travar o antro de marginalidade que acolhia.
Em 2006, o caso deste bairro foi levado à Assembleia Municipal de Viana do Castelo pela bancada socialista, que fez aprovar uma moção apelando à Refer para acabar rapidamente com aquele "foco de insalubridade" na cidade. Na moção, sublinhava-se que o bairro ocupa um terreno de 5000 metros quadrados e está situado "numa das melhores zonas da cidade". Agora, segundo a Refer, está prevista uma nova urbanização para aquele local.

Fonte: Diário de Notícias online (07.06.2010)

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Pedro Abrunhosa enche Centro Cultural de Viana do Castelo

Milhares de pessoas juntaram-se, este sábado, dia 17 de fevereiro, em Viana do Castelo, para assistir ao concerto do cantor português Pedro Abrunhosa, que encheu o CCVC e trouxe mensagens de amor e paz, apelando ao fim dos conflitos no mundo.

Espaço relvado da Marina ganhou mais árvores

A arborização urbana pode não ser tudo, mas é um elemento importante para a ação climática das cidades e para ajudar com o desconforto térmico nos dias mais quentes do ano.  A autarquia vianense, iniciou recentemente a plantação de cerca de 570 árvores em ambiente urbano, privilegiando espécies autóctones como os Carvalhos, Tílias, Choupos, entre outras de cariz mais ornamental.

Andando pela cidade…

No segundo espaço verde mais antigo de Viana do Castelo, o Jardim D. Fernando, datado de 1888, está a ser alvo de intervenção uma das principais atrações deste jardim, a taça/cascata e gaiolão que alberga algumas aves.

Gigantones e cabeçudos vieram em 1893 para ficar na tradição

Remonta ao ano de 1893 a introdução dos gigantones e cabeçudos na Romaria da Senhora d'Agonia, em Viana do Castelo. Este costume foi importado da região espanhola da Galiza.  Como manda a tradição, vai acontecer todos os dias (20, 21, 22 e 23 de agosto) da Romaria da Agonia 2015, por volta das 12H00, na Praça da República, a habitual revista de “Gigantones e Cabeçudos”. Os Gigantones e cabeçudos, acompanhados de Grupos de Bombos e Zés P’reiras, transformam-se no número mais ruidoso das Festas de Viana, contagiando todos quantos a ele assistem.