Avançar para o conteúdo principal

Nova administração dos ENVC quer resolver caso dos patrulhas

O primeiro dos oito navios de patrulha oceânica (NPO) que a Marinha encomendou aos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) está há um ano em fase final de testes mas a entrega à Armada continua sem ter qualquer data marcada depois de falhados todos os prazos anteriores, ao longo de mais de quatro anos. Entretanto a Marinha já abateu os navios mais velhos que ainda não foram substituídos. À Geice FM, o novo presidente executivo dos ENVC reconheceu falhas no processo de construção e reforçou o desejo de concertar o entendimento com a Marinha, não fosse o almirante Gonçalves de Brito, ele próprio, almirante e ex-presidente do Arsenal do Alfeite.
"Não é uma questão de erros, mas, eventualmente, não terá havido a percepção da complexidade de alguns sistemas de bordo. Não é que seja nada de especialmente complexo, mas é fora do vulgar. Agora há que identificar os bloqueios e resolver”, explicou o almirante, naquela que foi a sua primeira entrevista após a posse como presidente dos ENVC, há cerca de duas semanas. Embora recusando falar em prazos, assume que a entrega do primeiro patrulha “será feita o mais depressa possível”. Fonte da Marinha tinha já admitido que aquele ramo precisa dos patrulhas “com urgência”, tendo em conta que ainda operam com navios de 40 anos “e custos elevadíssimos de operação”. O almirante que agora lidera a direcção executivo dos ENVC admite que a construção, pelos dados que recolheu, foi “um pouco difícil”. “Há alguma complexidade no acabamento dos navios mas vamos tentar usar todas as nossas capacidades para resolver os bloqueios e o normal decurso de aprontamento do navio”, afirmou o Gonçalves de Brito. Admite que um navio “arrastando-se nos estaleiros” é também “um encargo, porque tem que ser conservado e mantido”.

Ler mais...
Fonte: Rádio Geice (21.07.2010)

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Andando pela cidade…

No segundo espaço verde mais antigo de Viana do Castelo, o Jardim D. Fernando, datado de 1888, está a ser alvo de intervenção uma das principais atrações deste jardim, a taça/cascata e gaiolão que alberga algumas aves.

A passear por Viana…

Pela zona ribeirinha da cidade. Fevereiro 2024

Espaço relvado da Marina ganhou mais árvores

A arborização urbana pode não ser tudo, mas é um elemento importante para a ação climática das cidades e para ajudar com o desconforto térmico nos dias mais quentes do ano.  A autarquia vianense, iniciou recentemente a plantação de cerca de 570 árvores em ambiente urbano, privilegiando espécies autóctones como os Carvalhos, Tílias, Choupos, entre outras de cariz mais ornamental.

Um complexo em ruínas chamado Luziamar

Recentemente foi colocada ao redor do que resta deste emblemático empreendimento, uma nova vedação e uma placa com o nome da empresa atual proprietária do espaço. Será que está para breve alguma intervenção no sentido de se recuperar este importante espaço degradado da cidade de Viana do Castelo? O complexo turístico do Luziamar abriu portas em 1974 e fechou em meados da década de 90 do século passado. Durante grande parte do tempo em que se manteve em atividade, foi umas das principais referências na noite da região Norte de Portugal e da Galiza, sobretudo devido à sua discoteca, marcando uma geração que ainda hoje o recorda com saudade. Nos últimos anos, a empresa proprietária do Luziamar já teve diferentes projetos no sentido de recuperar aquele espaço mas, até ao momento, ainda nenhum se concretizou. Em 2015, numa reunião da Câmara Municipal de Viana do Castelo, foi revelado que era vontade do atual proprietário: ..."recuperar a atual envolvência do Luziamar", acresce