Avançar para o conteúdo principal

Obras do futuro tribunal de Trabalho, de Família e Menores de Viana deverão arrancar em Novembro.


As obras de adaptação dos edifícios administrativos desenhados por Fernando Távora, na Praça da Liberdade, em Viana do Castelo, que o Ministério da Justiça arrendou há dois anos para reinstalar o Tribunal do Trabalho, deverão arrancar durante o mês de Novembro. Outubro de 2011 é o prazo para a conclusão da empreitada orçada em cerca de 1,3 milhões de euros.
De acordo com informação prestada à RAM pelo administrador do Instituto de Gestão Financeira e Patrimonial da Justiça (IGFPJ), Nuno Moita, o processo encontra-se actualmente em fase final de análise de propostas dos concorrentes. A adjudicação da empreitada, que terá um prazo de execução de cerca de 10 meses, deverá ser efectuada ainda durante este mês. Depois ficará a faltar o visto prévio do Tribunal de Contas. Se tudo correr com normalidade, em Novembro estarão reunidas as condições para o início dos trabalhos.
Depois de vários adiamentos, a reacção do presidente do Sindicato dos Funcionários Judiciais (SFJ) foi de desagrado por considerar «que esta obra já deveria estar concluída há vários anos». Fernando Jorge não escondeu a «indignação» pelo arrastar de uma «situação deplorável», considerado até um dos mais antigos e graves problemas de instalações judiciais do país. Lamentou o tratamento que classificou de «falta de respeito», que o Instituto de Gestão Financeira e Patrimonial da Justiça tem dispensado ao Tribunal do Trabalho, único no distrito de Viana. Para o responsável «continua a haver pouco respeito por um órgão de soberania», que funciona em condições, «deploráveis e repugnantes».
«Este tipo de atrasos sucessivos acabam por afectar a credibilidade da Justiça e a imagem de dignidade que os Tribunais têm que ter junto da opinião pública».
O Tribunal está instalado «provisoriamente» há mais de 13 anos num edifício centenário e degradado, e que ameaça ruir, tal como já atestavam em 2006, os relatórios da Inspecção-Geral do Trabalho (IGT) e do Centro Regional de Saúde Pública. É um dos vários perigos a que estão sujeitas as cerca de 15 pessoas, entre funcionários e magistrados que lá trabalham diariamente, tal como os utentes.
Apesar de «alguns remendos» realizados no imóvel, «os processos judiciais são arrumados no chão por falta de armários, as pessoas sobem escadas de madeira que não oferecem segurança e há diligências tratadas quase na rua, no caso de se tratar de uma vitima de acidente de trabalho que não consegue subir ao primeiro andar, onde está a sala de audiência».
«Situações absurdas» que o sindicalista considera «não serem admissíveis nos dias que correm».
A delegação distrital da Ordem dos Advogados, que há vários anos reivindica a transferência dos serviços, recebeu com agrado a notícia do prazo de arranque das obras. Luís Louro afirmou que «mais vale tarde do que nunca» e manifestou a esperança de que pelo menos no Natal de 2011 o Tribunal já esteja a funcionar nos novos edifícios.

Fonte: Rádio Alto Minho (06.09.2010)

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Mordoma do cartaz da Romaria d’Agonia 2024 escolhida por concurso

Pela primeira vez na história da Romaria d’Agonia a mordoma do cartaz que leva a maior festa popular portuguesa a todo o mundo será selecionada por um júri entre 20 finalistas, todas elas escolhidas entre as concorrentes, abrindo assim espaço para mulheres com idades entre os 18 e os 35 anos participarem. “Qualquer mulher que sinta a nossa Romaria pode concorrer e pode aspirar a ser a mordoma da festa. É uma inovação que introduzimos este ano, pensando em todas as jovens mulheres que alimentam este sonho”, explicou Manuel Vitorino, presidente da VianaFestas, a entidade organizadora das festas da cidade. O novo regulamento para escolha do cartaz da Romaria de Nossa Senhora d’Agonia vai ser implementado este ano e substitui o modelo anterior, de concurso promovido, que estava em vigor desde 2011, e que implicava escolher o conjunto do autor, do cartaz e da mordoma. No formato para a definição do cartaz da Romaria a estrear este ano, o mesmo passa a contemplar três fases, com qualquer mul

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Campo de girassóis chama a atenção em Carreço (Viana)

Um extenso campo de girassóis pinta de amarelo a paisagem na Veiga de Carreço (Viana do Castelo), junto à estrada Nacional 13. Para quem passa por ali é difícil ficar indiferente à imensidão de flores que encanta qualquer um. A beleza é tanta que não falta quem pare por alguns minutos para observar os girassóis e aproveite a paisagem como cenário para tirar algumas fotografias.

“Mercado dos Descobrimentos”, de 07 a 10 de junho

A cidade de Viana do Castelo vai entrar na época dos Descobrimentos e mostrar as riquezas que os portugueses trouxeram do continente americano. Desde o chocolate, ao café, passando pelo milho, pimentos e batatas, até aos perus, os novos produtos e especiarias do outro lado do mundo vieram revolucionar a cozinha portuguesa.   A segunda edição do “Mercado dos Descobrimentos”, de  0 7 a 10 de junho, vai fazer uma ponte histórica e cultural entre os dois lados do Atlântico, com diversos apontamentos musicais, teatrais e de animação, com destaque para o artesanato e a gastronomia.   O Castelo Santiago da Barra e a zona envolvente terão oito diferentes espaços, com um programa de animação itinerante durante mais de 20 horas e a participação de  150  mercadores, artífices, artesãos e regatões, característicos da época dos Descobrimentos ao longo dos quatro dias.    “Voltamos a aliar a história, a animação, a cultura e a gastronomia num único evento que contará com mais de 60 momentos ao longo

Monumento a Viana do Castelo…

A dar as boas vindas a quem chega a Viana do Castelo pelo mar.