Avançar para o conteúdo principal

Dia da Música: Colecionador tem mais de 23 mil discos, alguns são verdadeiras relíquias


A primeira edição de “Let it be”, dos Beatles, é uma das relíquias da coleção de Victor Coutinho, um homem que “respira música” e que guarda em casa mais de 23 mil discos, entre vinil e CD. “A música, para mim, é como o ar que respiro. Sem ela, não conseguia viver”, atira Victor Coutinho, 54 anos, empresário de ourivesaria em Viana do Castelo. A sua coleção de discos começou “por mero acaso” em 1968, quando um afilhado da avó lhe ofereceu dois singles, que ainda hoje guarda religiosamente: “World”, dos Bee Gees, e “Mighty Queen”, de Manfred Mann. “Nessa altura, nem sequer gira-discos tinha”, recorda.
Nos primeiros tempos, a coleção foi ganhando forma graças à generosidade da avó, que Victor Coutinho classifica, carinhosamente, como a “grande culpada” pelo bichinho que lhe entrou no corpo, para não mais sair.
Agora, Vítor compra discos “praticamente todos os dias”, para se manter sempre a par das últimas novidades, até porque há cerca de dois anos decidiu voltar às lides de “disc jockey”, uma actividade que já exercera na década de 70, na mítica discoteca Luziamar.
Para guardar a coleção, foi obrigado a ampliar a casa, criando uma ampla divisão, onde vinil e CD convivem lado a lado, numa harmonia perfeita.
“Este é o meu santuário. Há dias em que passo sete, oito, nove, dez horas aqui fechado, à volta da música”, confessa.
Os discos estão guardados, por ordem alfabética, em armários com cinco metros de altura, pelo que na sala Victor Coutinho tem sempre à mão uma escada para aceder ao seu espólio, que integra “verdadeiras raridades” e “autênticas pérolas”.
Só dos Beatles, que rotula como os “expoentes máximos” da música, Victor Coutinho tem mais de 800 discos, de que destaca a primeira edição de “Let it be”.
“Eu acho que, hoje em dia, nem por 5000 euros se consegue este disco. É raríssimo, por causa do livro que acompanha a edição. Vale uma autêntica fortuna”, refere.
Também do quarteto de Liverpool, Vítor detém outra raridade: um vinil de “Help”, com a concha da Shell, concebido expressamente para esta petrolífera.
Um disco de Alice Cooper embrulhado numas cuecas, exatamente como saiu para o mercado, e o “Sticky fingers” dos Rolling Stones cuja capa tem umas calças com um fecho éclair que abre e fecha de verdade, são outras das curiosidades da coleção.
Os armários de Victor Coutinho têm capacidade para uns 80 mil discos, pelo que não será por falta de espaço que a coleção deixará de continuar a crescer.
Sexta feira, Dia Mundial da Música, a coleção deverá, naturalmente, ser enriquecida com mais alguns exemplares, que Victor Coutinho nunca compra apenas um disco de cada vez e não é homem de deixar passar em branco uma efeméride que lhe é tão especial.
“A música está sempre presente no meu dia. Sem ela, acho que dava em maluco”, remata.

Fonte: Rádio Geice (01.10.2010)

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Mordoma do cartaz da Romaria d’Agonia 2024 escolhida por concurso

Pela primeira vez na história da Romaria d’Agonia a mordoma do cartaz que leva a maior festa popular portuguesa a todo o mundo será selecionada por um júri entre 20 finalistas, todas elas escolhidas entre as concorrentes, abrindo assim espaço para mulheres com idades entre os 18 e os 35 anos participarem. “Qualquer mulher que sinta a nossa Romaria pode concorrer e pode aspirar a ser a mordoma da festa. É uma inovação que introduzimos este ano, pensando em todas as jovens mulheres que alimentam este sonho”, explicou Manuel Vitorino, presidente da VianaFestas, a entidade organizadora das festas da cidade. O novo regulamento para escolha do cartaz da Romaria de Nossa Senhora d’Agonia vai ser implementado este ano e substitui o modelo anterior, de concurso promovido, que estava em vigor desde 2011, e que implicava escolher o conjunto do autor, do cartaz e da mordoma. No formato para a definição do cartaz da Romaria a estrear este ano, o mesmo passa a contemplar três fases, com qualquer mul

Sabe o que vai acontecer de 4 a 14 de julho?

Os jardins Público e da Marina vão encher-se de atividades com o “MARGINAL - festa no jardim”. Esta 3ª edição inclui concertos, espetáculos de dança, teatro, showcookings, venda de produtos diversos e propostas gastronómicas, Praça Kids, o Viana Beer Fest – Festival de cerveja artesanal (4 a 7 de julho), entre muito mais, sempre de acesso livre.  E porque já estamos em contagem decrescente para a Festa no Jardim, vamos recordar o programa da Festa?

Campo de girassóis chama a atenção em Carreço (Viana)

Um extenso campo de girassóis pinta de amarelo a paisagem na Veiga de Carreço (Viana do Castelo), junto à estrada Nacional 13. Para quem passa por ali é difícil ficar indiferente à imensidão de flores que encanta qualquer um. A beleza é tanta que não falta quem pare por alguns minutos para observar os girassóis e aproveite a paisagem como cenário para tirar algumas fotografias.

“Marginal - Festa no Jardim” arranca a 14 de julho com experiências para toda a família

De 14 a 24 de julho, vai realizar-se no Jardim Público e no Jardim da Marina um evento cheio de experiências diurnas e noturnas para toda a família. Concertos, dança, jogos, showcookings, ateliers, conversas… vão animar a marginal de Viana do Castelo durante 11 dias. Clique na imagem e conheça a programação completa.

O crochet está de volta às ruas de Vila Nova de Cerveira

A 6ª edição do “O Crochet sai à Rua… em Cerveira” volta a espalhar pelo centro histórico desta vila minhota a arte do crochet, recriando o património mais emblemático de cada freguesia, algumas tradições e ainda muitos outros apontamentos criativos em crochet. Para ver até ao final de setembro de 2023.