Avançar para o conteúdo principal

Submarinos reformados passam a museus em Viana e Cascais

Viana do Castelo vai dispor em 2011 de um submarino de guerra. Tudo não passa de uma aposta cultural do município e que já tem o aval da Marinha. O submarino Delfim vai ter assim uma última missão, depois de 40 anos de serviço em águas de todo o mundo. O interesse dos municípios nos "submarinos-museus" estende-se a Cascais, com a autarquia a já ter um princípio de acordo para ficar com o Barracuda.
Assim, a Marinha Portuguesa vai ceder à Câmara de Viana do Castelo, dentro de meses, o submarino Delfim, que agora avança para a fase de desmantelamento para depois constituir um novo pólo de visita a navios-museus, na cidade, confirmou ao DN fonte daquele ramo militar.
"Em virtude de o submarino NRP Delfim ter sido abatido ao efectivo dos navios de guerra no presente ano, está a ser reiniciado o respectivo processo de cedência, para fins museológicos, à Câmara Municipal de Viana do Castelo", explicou ao DN o comandante João Barbosa, porta-voz da Marinha.
O DN sabe que com a chegada do novo submarino à Marinha Portuguesa e o início do desmantelamento do Delfim, a Câmara de Viana do Castelo reiterou o interesse, em Setembro, junto do chefe do Estado-Maior da Armada. Nesse sentido já foram constituídas equipas técnicas entre a autarquia e a Marinha, envolvendo os próprios Estaleiros Navais de Viana do Castelo, que vão apoiar logisticamente a operação para encontrar e preparar o local de exposição do "velhinho" submarino.
"São questões que esta comissão vai agora articular, tendo nos Estaleiros Navais um apoio essencial, o que sabemos é que o queremos colocar junto à marginal, próximo de outro pólo importante que é o navio Gil Eannes", explicou José Maria Costa, presidente da autarquia.
Segundo a Marinha, seguem-se agora os trabalhos a realizar no submarino, "para o fim a que se destina" e que "decorrerão sobre a responsabilidade da Câmara, proporcionando a Marinha o apoio opera- cional que for julgado necessário e relacionado com a sua movimentação até ao destino".
À autarquia vianenses caberá ainda o pagamento de 50 mil euros à Marinha, para suportar os custos de preparação técnica e ambiental no âmbito do seu desmantelamento.
Todos os trabalhos e preparação do Delfim já estão em curso e em breve será celebrado o protocolo entre Marinha e câmara para a cedência do submarino. Nesta altura, a única dúvida consiste em decidir se o navio será exposto dentro ou fora de água.
"Depende do estudo técnico que vamos fazer e sobretudo da opinião que os Estaleiros nos vão dar sobre a localização. Há pessoas que entendem que tem maior visibilidade, da sua geometria, fora de água, outros que dizem que deve estar imerso, para se sentir a realidade do navio. Ainda vamos estudar bem isso."
Depois de retirado todo o armamento, o submarino poderá estar em condições de navegar para Viana do Castelo nos próximos meses e a sua exposição pública em 2011.
"Traduz-se na nossa aposta na cidade náutica, com o nosso ícone que é o antigo navio Gil Eannes e outros pontos de interesse que já temos. O Delfim vai reforçar o roteiro dos que nos visitam e assim permitir o acesso a pessoas que nunca pensaram em entrar num submarino", concluiu o autarca de Viana do Castelo, José Maria Costa, sublinhando a "aposta na preservação da tecnologia marítima e valorização doa assuntos ligados ao mar" que está a ser feita no município.

Fonte: Jornal Diário de Notícias (21.10.2010)

"O Delfim, um dos submarinos da classe Albacora, foi lançado pela primeira vez à água a 23 de Setembro de 1968, em Nantes, e entrou ao serviço da Armada Portuguesa a 1 de Outubro 1969 sob o comando do então Capitão Tenente Costa Monteiro.
Durante a sua longa actividade operacional navegou 44 307 horas, das quais 30 743 em imersão, tanto nos mares do Atlântico, como no Mediterrâneo, participando em vários exercícios Nacionais e NATO.
Este submarino navegou no Mediterrâneo e Oceano Atlântico tendo realizado operações típicas da Guerra Fria até 1989, passando a realizar depois desta data acções de vigilância, de recolha de informações estratégicas para o Estado Português, missões de suporte e infiltrações de Forças Especiais, de operações de apoio avançado à Força Naval, assim como participou no treino das Fragatas da luta anti-submarina e dos aviões de patrulha marítima. A participação destes meios nas missões de treino no Reino Unido garantiram a possibilidade dos navios de superfície da Armada integrarem, de forma gratuita, o treino FOST (Flag Office Sea Training) em Plymouth – UK.
É de realçar ainda, a muito elogiada participação deste submarino da Marinha Portuguesa no embargo à ex-Jugoslávia em 1993, na participação da contenção da Força Naval opositora durante esse conflito."

Texto retirado do site: http://www.marinha.pt

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Mordoma do cartaz da Romaria d’Agonia 2024 escolhida por concurso

Pela primeira vez na história da Romaria d’Agonia a mordoma do cartaz que leva a maior festa popular portuguesa a todo o mundo será selecionada por um júri entre 20 finalistas, todas elas escolhidas entre as concorrentes, abrindo assim espaço para mulheres com idades entre os 18 e os 35 anos participarem. “Qualquer mulher que sinta a nossa Romaria pode concorrer e pode aspirar a ser a mordoma da festa. É uma inovação que introduzimos este ano, pensando em todas as jovens mulheres que alimentam este sonho”, explicou Manuel Vitorino, presidente da VianaFestas, a entidade organizadora das festas da cidade. O novo regulamento para escolha do cartaz da Romaria de Nossa Senhora d’Agonia vai ser implementado este ano e substitui o modelo anterior, de concurso promovido, que estava em vigor desde 2011, e que implicava escolher o conjunto do autor, do cartaz e da mordoma. No formato para a definição do cartaz da Romaria a estrear este ano, o mesmo passa a contemplar três fases, com qualquer mul

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

“Mercado dos Descobrimentos”, de 07 a 10 de junho

A cidade de Viana do Castelo vai entrar na época dos Descobrimentos e mostrar as riquezas que os portugueses trouxeram do continente americano. Desde o chocolate, ao café, passando pelo milho, pimentos e batatas, até aos perus, os novos produtos e especiarias do outro lado do mundo vieram revolucionar a cozinha portuguesa.   A segunda edição do “Mercado dos Descobrimentos”, de  0 7 a 10 de junho, vai fazer uma ponte histórica e cultural entre os dois lados do Atlântico, com diversos apontamentos musicais, teatrais e de animação, com destaque para o artesanato e a gastronomia.   O Castelo Santiago da Barra e a zona envolvente terão oito diferentes espaços, com um programa de animação itinerante durante mais de 20 horas e a participação de  150  mercadores, artífices, artesãos e regatões, característicos da época dos Descobrimentos ao longo dos quatro dias.    “Voltamos a aliar a história, a animação, a cultura e a gastronomia num único evento que contará com mais de 60 momentos ao longo

Monumento a Viana do Castelo…

A dar as boas vindas a quem chega a Viana do Castelo pelo mar.

Campo de girassóis chama a atenção em Carreço (Viana)

Um extenso campo de girassóis pinta de amarelo a paisagem na Veiga de Carreço (Viana do Castelo), junto à estrada Nacional 13. Para quem passa por ali é difícil ficar indiferente à imensidão de flores que encanta qualquer um. A beleza é tanta que não falta quem pare por alguns minutos para observar os girassóis e aproveite a paisagem como cenário para tirar algumas fotografias.