Avançar para o conteúdo principal

Câmara de Viana pondera parar obras do Coliseu de Souto Moura por falta de dinheiro

O presidente da Câmara de Viana do Castelo admitiu, ontem, a possibilidade de vir a suspender, temporariamente, as obras do Coliseu de Souto Moura, que está a nascer na frente ribeirinha, ao lado da Biblioteca, projectada por Siza Vieira, e da Praça da Liberdade, com edifícios administrativos traçados por Fernando Távora. O investimento, no pavilhão multiusos, ultrapassará os 12 milhões de euros. A hipótese de parar a empreitada foi avançada por José Maria Costa, na reunião ordinária do executivo, em resposta às perguntas levantadas pelos vereadores do PSD.
Costa explicou que nesta altura está esgotada a possibilidade de endividamento bancário e face à falta de perspectivas quanto a uma eventual candidatura aos fundos comunitários, a única solução que restará ao executivo é “suspender temporariamente” os trabalhos, uma vez que o bolo financeiro em causa é muito avultado para a capacidade financeira do município.
De acordo com o autarca socialista, neste momento, já foram executados 6,2 milhões de euros mas ainda faltam mais sete milhões de euros para finalizar a obra e para executar os arranjos exteriores.
O autarca lembrou que a autarquia já anteriormente tinha contraído um empréstimo bancário, de quatro milhões de euros. Relativamente ao financiamento comunitário explicou que não está definitivamente afastado. No entanto, também adiantou que face à reorganização dos programas, «não está prevista, a curto prazo, a abertura de avisos ao eixo em a que se pretendia candidatar a obra».
Face a este cenário, o porta-voz do PSD, Carvalho Martins, não escondeu a preocupação pela «situação difícil» com que se vê confrontado o actual executivo. O vereador, que desde o inicio, ainda com Defensor Moura na presidência da autarquia, se opôs ao projecto, por considerar que se trata de uma «obra faraónica», não poupou críticas ao agora deputado do PS e candidato às últimas presidenciais. Martins acusou Moura de «irresponsabilidade», por ter iniciado a obra sem ter financiamento.
«Com amigos destes, o senhor presidente não precisa de inimigos», afirmou Carvalho Martins, dirigindo a José Maria Costa.

Fonte: Rádio Alto Minho (26.01.2011)

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Pedro Abrunhosa enche Centro Cultural de Viana do Castelo

Milhares de pessoas juntaram-se, este sábado, dia 17 de fevereiro, em Viana do Castelo, para assistir ao concerto do cantor português Pedro Abrunhosa, que encheu o CCVC e trouxe mensagens de amor e paz, apelando ao fim dos conflitos no mundo.

Espaço relvado da Marina ganhou mais árvores

A arborização urbana pode não ser tudo, mas é um elemento importante para a ação climática das cidades e para ajudar com o desconforto térmico nos dias mais quentes do ano.  A autarquia vianense, iniciou recentemente a plantação de cerca de 570 árvores em ambiente urbano, privilegiando espécies autóctones como os Carvalhos, Tílias, Choupos, entre outras de cariz mais ornamental.

Andando pela cidade…

No segundo espaço verde mais antigo de Viana do Castelo, o Jardim D. Fernando, datado de 1888, está a ser alvo de intervenção uma das principais atrações deste jardim, a taça/cascata e gaiolão que alberga algumas aves.

Gigantones e cabeçudos vieram em 1893 para ficar na tradição

Remonta ao ano de 1893 a introdução dos gigantones e cabeçudos na Romaria da Senhora d'Agonia, em Viana do Castelo. Este costume foi importado da região espanhola da Galiza.  Como manda a tradição, vai acontecer todos os dias (20, 21, 22 e 23 de agosto) da Romaria da Agonia 2015, por volta das 12H00, na Praça da República, a habitual revista de “Gigantones e Cabeçudos”. Os Gigantones e cabeçudos, acompanhados de Grupos de Bombos e Zés P’reiras, transformam-se no número mais ruidoso das Festas de Viana, contagiando todos quantos a ele assistem.