Avançar para o conteúdo principal

Plano de Reestruturação dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo prevê saída de 380 funcionários, negociações amigáveis começam esta terça-feira

O Plano de Reestruturação dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo, recentemente aprovado pelo principal accionista, o Estado, prevê a saída de 380 trabalhadores até ao final deste ano. Em conferência de imprensa, esta segunda-feira, a administração admitiu a saída de quase quatro centenas de trabalhadores. Até ao final de 2011, os ENVC ficam reduzidos a cerca de 340 funcionários.
Carlos Veiga Anjos, presidente do conselho de administração dos estaleiros vianenses recusa falar em despedimentos já que vão ser feitos todos os esforços para que as saídas dos trabalhadores sejam voluntárias. Francisco Gallardo, presidente executivo dos Estaleiros, diz que a construção naval tem ciclos e que, depois de um “boom de construção” entre 2005 e 2008, esta é uma área que está em “baixa” e que vive um período de “vacas magras”. A competição com os mercados orientais é difícil e que só estão previstas melhorias a partir de 2014. Por isso mesmo, o responsável admite a “diminuição de pessoal”. Jorge Pinho, administrador da área dos recursos humanos, diz que vão tentar “todas as medidas possíveis de saída voluntária”. O processo começa já esta terça-feira e a Comissão de Trabalhadores já foi informada. Jorge Pinho diz que vão tentar evitar o despedimento colectivo mas “no limite” admite essa possibilidade. Os Estaleiros Navais deviam produzir seis navios por ano mas, neste momento, produzem pouco mais de dois. José Luís Serra, administrador da área financeira, diz que a situação é “bastante difícil” e que 2010 encerrou com prejuízo de mais de 40 milhões de euros. Os capitais próprios negativos já ultrapassam os 70 milhões de euros. O responsável diz que esta foi uma solução “pensada, amadurecida e estruturada no sentido de salvar a empresa”.
Veiga Anjos diz que os ENVC vão entrar numa “fase profunda de modernização” que prevê alterações na estrutura da empresa para “responder às exigências”. O responsável diz que a aposta vai ser feita na modernização e que a construção de navios vai passar a ser orientada por um director de projecto. Este cargo vai ser criado para que se crie uma “cultura de responsabilidades” em que cada um é avaliado em função “daquilo que faz e não da sua antiguidade na empresa ou na função”. Veiga Anjos diz ainda que os Estaleiros vão estar “mais presentes no mercado” através da contratação de pessoas “bem posicionadas” no ramo da construção naval. Vai ser ainda criada uma área comercial de navios militares que vai ser liderada por um “oficial da Marinha de Guerra Portuguesa”. O Plano de Reestruturação foi aprovado pela Assembleia Geral de Accionistas com o apoio do Governo. O Estado vai injectar 13 milhões de euros na empresa para que esta possa reestruturar-se. Até ao final do ano, 380 trabalhadores abandonam os ENVC.

Texto: Rádio Geice (20.06.2011)

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Mordoma do cartaz da Romaria d’Agonia 2024 escolhida por concurso

Pela primeira vez na história da Romaria d’Agonia a mordoma do cartaz que leva a maior festa popular portuguesa a todo o mundo será selecionada por um júri entre 20 finalistas, todas elas escolhidas entre as concorrentes, abrindo assim espaço para mulheres com idades entre os 18 e os 35 anos participarem. “Qualquer mulher que sinta a nossa Romaria pode concorrer e pode aspirar a ser a mordoma da festa. É uma inovação que introduzimos este ano, pensando em todas as jovens mulheres que alimentam este sonho”, explicou Manuel Vitorino, presidente da VianaFestas, a entidade organizadora das festas da cidade. O novo regulamento para escolha do cartaz da Romaria de Nossa Senhora d’Agonia vai ser implementado este ano e substitui o modelo anterior, de concurso promovido, que estava em vigor desde 2011, e que implicava escolher o conjunto do autor, do cartaz e da mordoma. No formato para a definição do cartaz da Romaria a estrear este ano, o mesmo passa a contemplar três fases, com qualquer mul

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Estado de degradação e abandono da praia Norte

Este ano foram-lhe atribuídos os galardões "Praia com Qualidade de Ouro" pela Quercus, e “Bandeira Azul” pela Associação Bandeira Azul da Europa, mas a praia Norte, em Viana do Castelo, apresenta uma imagem de degradação e abandono. Vários candeeiros de iluminação pública que estão no passeio em direção ao “Castelo Velho”, não têm o “chapéu”,  o que quer dizer que não existe iluminação, nos dois bares de apoio à praia a degradação e a falta de manutenção são evidentes, as casas de banho/balneários de apoio à praia anexos aos dois cafés, que muito jeito davam aos peregrinos que utilizam este Caminho em direção a Santiago de Compostela e também aos frequentadores da Praia e Ecovia Litoral Norte, estão fechados, os painéis informativos encontram-se em mau estado, corrimões das escadas de acesso ao areal estão cheios de ferrugem…

Pela rua de Santa Clara

Esta artéria do centro histórico da cidade de Viana do Castelo deve o seu nome ao facto de por aqui ter existido uma capela de invocação a Santa Clara, que foi demolida nos princípios do século XIX.

Enorme “Coração de Viana” de Joana Vasconcelos exposto em Serralves

Uma das obras mais conhecidas e emblemáticas da artista plástica portuguesa Joana Vasconcelos, o "Coração Independente Vermelho”, inspirado no coração de Viana, peça icónica da filigrana portuguesa, está entre as mais de trinta e cinco peças que integram a sua primeira exposição individual em Serralves. A exposição, intitulada “I’m Your Mirror” esteve anteriormente no Museu Guggenheim de Bilbau (Espanha), onde recebeu mais de 640 mil visitantes. Vai estar no Porto, em Serralves, até 24 de junho. A obra "Coração Independente Vermelho”, já esteve exposta no Centro Cultural de Viana do Castelo durante a Romaria d'Agonia de 2014. Joana Vasconcelos foi, nesse mesmo ano, presidente da Comissão de Honra das Festas, tendo participado no cortejo etnográfico e no desfile da Mordomia. Alguns dos trabalhos expostos no Museu e nos Jardins do Parque de Serralves: (Clique na imagem para ver em modo de ecrã inteiro) CORAÇÃO INDEPENDENTE VERMELHO, 2005 | Apresenta-se sob a forma