VIANA | Convento de S. Francisco do Monte. Cinco séculos de história votados ao abandono

Desde muito novo que ouço falar do Convento de S. Francisco do Monte, mas nunca o tinha visitado. Na semana passada, na companhia de um amigo, pusemos pés ao caminho e fomos ao encontro do mítico convento.
Isolado no meio da encosta do Monte de Santa Luzia, no Lugar de Abelheira, Viana do Castelo, para lá chegarmos foi necessário andar por caminhos pedregosos, com muito mato e de difícil acesso.
Antes de chegarmos ao convento, mais ou menos a meio caminho, surge-nos um cruzeiro em granito, encimado por uma cruz. Percorridos mais alguns metros eis-nos em frente a um imponente Pórtico, no cimo do qual se encontram três imagens (S. Francisco, S. Pedro de Alcântara e Santo António).
Apesar da entrada se encontrar vedada, olhando para o seu interior, a imagem que se nos depara é desoladora. Só se vê ruína, abandono e vandalismo. O que resta do convento são partes de algumas paredes que ainda se encontram de pé e pouco mais.
Convento do século XIV está há vários anos à espera de ser classificado pelo IGESPAR, como monumento de interesse público.
Presentemente é propriedade do IPVC, que já pensou na sua reabilitação, mas como são necessárias verbas muito avultadas, tem sido difícil concretizar esse desejo e salvar o pouco que resta do Convento de S. Francisco do Monte.

Saiba a história deste Monumento do séc. XIV, clicando AQUI, e AQUI.




Comentários

  1. É revoltante terem deixado chegar a este estado degradante.
    Pelo que ouço dizer roubaram tudo o que tinha valor e o restante está vandalizado.
    Estraga-se tanto dinheiro em obras de duvidosa qualidade e deixa-se chegar a este ponto este outrora magnífico monumento.

    ResponderEliminar
  2. Mais uma que não se entende dos governantes da nossa Cidade,noutras cidades quanto não dariam por terem tal relíquia,mas por cá....

    ResponderEliminar
  3. Património para esquecer30 março, 2012 23:39

    Conheço o Convento de S.Francisco há 60 anos.
    Sempre esteve abandonado, sujeito à ruina ,e ao vandalismo.
    Com o decorrer destes anos o aspecto ainda é mais desolador, o acesso quase não existe , o caminho de mal acesso está coberto de silvas e vegetação .
    Só não levaram o portico da entrada com os tres santos em pedra porque não são façeis de transportar e mover.
    De tudo teem levado um pouco, no meu tempo de criança era notório azulejos da fábrica de Viana.
    As sepulturas foram remexidas e até mesmo violadas.
    Pouco resta para além de umas pedras aparelhadas e um brazão de armas que a qualquer momemto pode ruir.
    Muito se tem falado ao longo dos anos mas tudo não passou de conversa fiada.
    Já não acredito em qualquer aproveitamento do lugar , porque dele nada se aproveita apenas resta um amontoado de pedras.

    ResponderEliminar
  4. Armindo Silva13 maio, 2012 17:58

    Também conheço aquele Convento há mais de 60 anos ...! Já era abandonado.! E embora já seja tarde para este comentário, só quero dizer que a culpa do abandono é da Igreja Católica... hoje, ontem e sempre.
    Armimdp Silva

    ResponderEliminar
  5. Muito recentemente foi arquivado o processo de classificar deste patrimonio de "monumento nacional". Outro resultado não seria de esperar. Classificar o quê? Quem lá se deslocar só vê ruinas, destruição e vandalismo. Não há nada para classificar.

    ResponderEliminar
  6. Eu conheço o convento a uns 20 anos atras e embora já nessa altura estava destinado ao abandono, confesso que o estado de deterioração não se compara com estes últimos 5, 10 anos atras . Basta dizer que a santa que estava dentro da capelinha, e os altares do lado de esquerda da entrada foram partidos e vandalizados, para não falar do claustro em que as pedras dos túmulos foram todas levantadas. Sei também que é um local de praxe dos nossos futuros doutores que estudam no IPVC. Agora só não sei como é que um monumento deste género pode estar nessa situação de abandono e ruina total, e que nenhum entidade colocou a mão para resolver esta situação.

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde!
    Já à algum tempo que ando interessada em visitar este monumento
    Disseram que a entrada estava vedada. Chegaram a conseguir entrar?

    ResponderEliminar
  8. No pórtico da entrada do lado esquerdo de S. Francisco é sempre referido de que se trata de S. Pedro de Alcântara (1499 - 1562) com o globo terrestre (?) O mosteiro foi edificado em 1392 e S. Pedro de Âlcantara não era nascido, e a mim parece-me um crânio e não um globo terrestre, aliás a noção de globo terrestre só aparece depois de Galileu que nasceu em 1564 mesmo se na Europa a esfericidade da Terra já tinha defensores quatro séculos antes de Galileu. Uma prova concreta tinha sido dada pela expedição de circunavegação da Terra, comandada por Fernão de Magalhães em 1521.... eu acho que poderá ser uma representação de S. Francisco como no quadro São Francisco em meditação com um crânio nas mãos, quadro que é de 1605, encomendado a Caravaggio para ser colocado no Convento dos Capuchinhos na via veneto em Roma onde se encontram mais de 4.000 esqueletos pertencentes aquela ordem.

    Do seu lado direito seria o S. António com uma figura de menino nos braços, permitam-me discordar, pois acredito que as três figuras que se encontram no pórtico da entrada são as três uma mesma representação de S. Francisco de Assis, pois a qual referida como sendo de S. António trata-se na realidade de S. Francisco pois sabemos pelo seu primeiro biógrafo o seu amor pelo Natal, São Francisco celebrava com inefável alegria, mais do que as outras solenidades, o Natal do Menino Jesus, afirmando que é a festa das festas, em que Deus tornando-se criança pequenina, dependeu de peitos humanos. Beijava com profunda devoção as imagens do Menino, e a compaixão por ele derretia seu coração, fazendo-o até mesmo balbuciar palavras de doçura a modo das crianças. Francisco queria que, no dia do Natal, os pobres e famintos fossem saciados pelos ricos e que, aos bois e burros, fossem concedidos ração e feno mais do que de costume. Dizia: "Se eu pudesse falar com o Imperador, pediria que se fizesse uma lei geral para que todos aqueles que podem atirem pelas ruas trigo e grãos, a fim de que, no dia de tão grande solenidade, os pássaros tenham fartura, principalmente as irmãs cotovias". Saibam, caros filhos, que a pobreza (do Menino Jesus e de sua Mãe), a simplificação voluntária da vida em prol da solidariedade é o caminho especial para a felicidade plena".
    O nome de Jesus Menino era para ele como o mel e o favo na boca. (Frei Tomás de Celano, Livro da Segunda Vida de São Francisco, n. 199, 1-8).

    Uma outra descoberta na minha visita, foi a descoberta de uma cruz templária, depois do pórtico numa parede do lado direito, também chamada de cruz pátea, cruzes páteas são tipos de cruzes que se caracterizam por serem côncavas, ou seja, têm as pontas mais largas, as quais vão se alargando a partir do seu centro, tal como se fossem patas. Na época a cruz templária é uma cruz vermelha que era utilizada pelos templários sobre as suas vestes brancas.
    Simboliza fé e proteção.

    Temos também alguma arquitectura sacra relacionada com Santiago de Compostela, pois possivelmente o Mosteiro de S. Francisco do Monte estava no caminho da peregrinação com aquele destino.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Este foi um dos três primeiros conventos da Ordem dos Frades Menores a ser erguido no país, datando do final do século XIV.

      Sofreu várias ampliações no decorrer da sua existência, vindo eventualmente a tornar-se um oratório, quando os seus frades foram transferidos para o Convento de Santo António dos Capuchos (Viana do Castelo) (1625).

      Contudo, acabou por ser abandonado, talvez por causa da sua localização de acesso difícil, tendo sido reedificado a partir de 1751."

      Como foi reedificado no séc XVIII daí o S. Pedro de Alcântara e o Sto António. O portão é do séc. XVII

      Eliminar
  9. No dia das " pêtas "tiveram a ideia estúpida, que alguém teria comprado o local para fazer um investimento de 15.000 milhoes.
    Alguém ia acreditar nesta noticia absurda.
    Só denota falta de respeito julgando que estão a lidar com
    aldeôes .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma boa peta, convenhamos. Agora o que está na moda é destruir tudo o que representa a história de Portugal, seja por motivo do alegado racismo, da escravatura, da colonização, do ouro roubado ao Brasil...quando o mote for a Inquisição, lá virão as petições públicas dos esquizofrénicos a pedirem a demolição de todo o património religioso. Apre!

      Eliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Flores embelezam espaço público

Viana Florida 2021

O antes e o depois

Dez anos após naufrágio…