Avançar para o conteúdo principal

Fotografia Roriz cumpre um século a retratar Viana do Castelo


Faz hoje precisamente cem anos que a Fotografia Roriz abria as portas, em pleno centro histórico de Viana do Castelo, na Rua Gago Coutinho.
Na altura, esta era a rua "mais chique e movimentada" de uma cidade eminentemente rural. Naqueles tempos, além da casa fundada por Domingos Sousa Roriz, arrendada por 1$50 escudos, havia apenas mais dois espaços comerciais dedicados à fotografia em todo o concelho e, mesmo em todo o Minho, as lojas do ramo contavam-se "pelos dedos das mãos", diz o herdeiro do negócio da família, Joaquim Roriz, de 74 anos.
Aprendeu com o tio-avô o métier da fotografia quando começou com apenas dez anos a "bater chapas de vidro" e "fazer retoques" nas fotografias. Hoje continua "a fazer de tudo com a mesma paixão e entrega", apesar de reconhecer que "é muito mais fácil trabalhar com a ajuda das novas tecnologias". "Naquele tempo era tudo muito rudimentar, muito moroso. Os retoques eram uma dor de cabeça. Era preciso gostar muito e sobretudo ter veia de artista". Aliás, Joaquim Roriz ainda se lembra que o tio-avô chegou a ter dois empregados que acabaram por desistir, porque não tinham paciência". "A sensibilidade é fundamental. Não é por acaso que a fotografia é associada à "sétima arte"", sustenta Joaquim que, em 1979, ganhou o prémio Kodak de "Melhor Fotógrafo Noivas do mês".
Nos anos 50 e 60, a Roriz era considerada uma "das melhores casas de fotografia de Viana", para todo o tipo de reportagens sociais, desde casamentos a baptizados. Então, havia o costume de "as altas figuras da cidade" chamarem o fotógrafo a casa, para fazer o "tradicional retrato de família", numa manifestação de "poder económico".
Mas a história da Fotografia Roriz não se faz apenas deste tipo eventos. Um século depois, entre reportagens sociais e registos históricos da cidade, tem um arquivo em negativo de vidro de vários formatos com 22 mil fotografias. Que em película, a preto e branco e a cores, ultrapassam as 160 mil.
O início de construção, na segunda metade da década de 70, do Prédio Coutinho - cuja demolição está iminente, há vários anos - foi apenas um dos processos de mutação da cidade captado pelas objectivas da Fotografia Roriz. Desde a escavação das fundações, no terreno de 975 metros quadrados, onde estava instalado o mercado municipal da época, que a câmara vendeu em hasta pública, até ao erguer dos 13 andares do edifício construído por Fernando Coutinho, na altura emigrante no Zaire, todo o processo foi registado em fotografia.
Pelo contributo documental que o fundador e o seu sucessor constituíram para a história do município, o município decidiu atribuir à Fotografia Roriz o título de Instituição de Mérito. Hoje o presidente da câmara vai descerrar uma placa alusiva do centenário do estabelecimento comercial e, a 20 de Janeiro de 2012, no aniversário da elevação de Viana a cidade, irá entregar aos familiares do fundador da Fotografia Roriz a medalha de Instituição de Mérito.
Entre estes familiares está a coreógrafa e bailarina Olga Roriz, sobrinha de Joaquim Roriz. Olga também viveu sobre a loja da Rua Gago Coutinho até se mudar para Lisboa, aos 7 anos. Mas nunca perdeu a ligação a Viana: em 2008, desfilou na festa da Senhora da Agonia, trajada de mordoma. E é Cidadã de Mérito do município desde 1995.

Fonte: Jornal Público (10.08.2011)

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Mordoma do cartaz da Romaria d’Agonia 2024 escolhida por concurso

Pela primeira vez na história da Romaria d’Agonia a mordoma do cartaz que leva a maior festa popular portuguesa a todo o mundo será selecionada por um júri entre 20 finalistas, todas elas escolhidas entre as concorrentes, abrindo assim espaço para mulheres com idades entre os 18 e os 35 anos participarem. “Qualquer mulher que sinta a nossa Romaria pode concorrer e pode aspirar a ser a mordoma da festa. É uma inovação que introduzimos este ano, pensando em todas as jovens mulheres que alimentam este sonho”, explicou Manuel Vitorino, presidente da VianaFestas, a entidade organizadora das festas da cidade. O novo regulamento para escolha do cartaz da Romaria de Nossa Senhora d’Agonia vai ser implementado este ano e substitui o modelo anterior, de concurso promovido, que estava em vigor desde 2011, e que implicava escolher o conjunto do autor, do cartaz e da mordoma. No formato para a definição do cartaz da Romaria a estrear este ano, o mesmo passa a contemplar três fases, com qualquer mul

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Campo de girassóis chama a atenção em Carreço (Viana)

Um extenso campo de girassóis pinta de amarelo a paisagem na Veiga de Carreço (Viana do Castelo), junto à estrada Nacional 13. Para quem passa por ali é difícil ficar indiferente à imensidão de flores que encanta qualquer um. A beleza é tanta que não falta quem pare por alguns minutos para observar os girassóis e aproveite a paisagem como cenário para tirar algumas fotografias.

“Mercado dos Descobrimentos”, de 07 a 10 de junho

A cidade de Viana do Castelo vai entrar na época dos Descobrimentos e mostrar as riquezas que os portugueses trouxeram do continente americano. Desde o chocolate, ao café, passando pelo milho, pimentos e batatas, até aos perus, os novos produtos e especiarias do outro lado do mundo vieram revolucionar a cozinha portuguesa.   A segunda edição do “Mercado dos Descobrimentos”, de  0 7 a 10 de junho, vai fazer uma ponte histórica e cultural entre os dois lados do Atlântico, com diversos apontamentos musicais, teatrais e de animação, com destaque para o artesanato e a gastronomia.   O Castelo Santiago da Barra e a zona envolvente terão oito diferentes espaços, com um programa de animação itinerante durante mais de 20 horas e a participação de  150  mercadores, artífices, artesãos e regatões, característicos da época dos Descobrimentos ao longo dos quatro dias.    “Voltamos a aliar a história, a animação, a cultura e a gastronomia num único evento que contará com mais de 60 momentos ao longo

Monumento a Viana do Castelo…

A dar as boas vindas a quem chega a Viana do Castelo pelo mar.