Avançar para o conteúdo principal

Câmara Municipal assina protocolo de financiamento do Centro de Alto Rendimento de Surf

O Presidente da Câmara Municipal, José Maria Costa, assina hoje 22.12.2011, em Lisboa, um aditamento ao protocolo de financiamento do Centro de Alto Rendimento de Surf, actualmente em construção na Praia do Cabedelo. Na prática, esta adenda permitirá uma reprogramação de 70 para 85 por cento da comparticipação do POVT/ FEDER (Programa Operacional Temático Valorização do Património).
Esta assinatura, uma cerimónia onde marcam também presença o Secretário de Estado do Desporto e o Secretário de Estado Adjunto, da Economia e Desenvolvimento Regional, nasce da reprogramação dos fundos comunitários, que permitem agora uma maior comparticipação, aumentando a despesa total elegível face ao custo total do investimento que, no caso do Centro de Alto Rendimento de Surf atinge os 1,1 milhões de euros.
O Centro, que nasceu de uma candidatura conjunta do Instituto do Desporto de Portugal, servirá de apoio e formação aos desportos náuticos como o surf e o bodyboard. Este projecto do arquitecto vianense Jorge Cavaleiro está a nascer junto ao espaço da Orbitur, tratando-se de uma importante infra-estrutura para o desenvolvimento desportivo e para a afirmação de Viana do Castelo como destino de excelência para a prática do surf, do bodyboard e outros desportos náuticos.
O Centro de Alto Rendimento de Surf vai receber atletas de alta competição desta modalidade, sendo que o edifício, a ser implantado numa área de cerca de mil metros quadrados, vai ser dotado de salas de formação, de apoio médico, de exercício, e ainda dormitórios e refeitório, para além de armazéns para material e de espaço de apoio à praia.
O local escolhido – a Praia do Cabedelo - tem fortes tradições neste desporto, sendo procurada por praticantes vindos de todo o mundo, razão pela qual foi escolhido para instalar este Centro de Alto Rendimento.







MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Andando pela cidade…

No segundo espaço verde mais antigo de Viana do Castelo, o Jardim D. Fernando, datado de 1888, está a ser alvo de intervenção uma das principais atrações deste jardim, a taça/cascata e gaiolão que alberga algumas aves.

A pesca da lampreia no estuário do Lima

Pequenas embarcações, com uma tripulação que varia entre dois e três pescadores por barco, dão vida e movimento a este rio que desagua na cidade de Viana do Castelo. Este é um período muito esperado pelos pescadores locais, pois cada exemplar deste ciclóstomo tem elevado valor comercial. Por estes dias os preços têm estado muito altos, rondando os 100 euros por unidade. A pesca decorre até 10 de abril. Fotos: estuário do rio Lima, fevereiro de 2024.

Um complexo em ruínas chamado Luziamar

Recentemente foi colocada ao redor do que resta deste emblemático empreendimento, uma nova vedação e uma placa com o nome da empresa atual proprietária do espaço. Será que está para breve alguma intervenção no sentido de se recuperar este importante espaço degradado da cidade de Viana do Castelo? O complexo turístico do Luziamar abriu portas em 1974 e fechou em meados da década de 90 do século passado. Durante grande parte do tempo em que se manteve em atividade, foi umas das principais referências na noite da região Norte de Portugal e da Galiza, sobretudo devido à sua discoteca, marcando uma geração que ainda hoje o recorda com saudade. Nos últimos anos, a empresa proprietária do Luziamar já teve diferentes projetos no sentido de recuperar aquele espaço mas, até ao momento, ainda nenhum se concretizou. Em 2015, numa reunião da Câmara Municipal de Viana do Castelo, foi revelado que era vontade do atual proprietário: ..."recuperar a atual envolvência do Luziamar", acresce

A passear por Viana…

Pela zona ribeirinha da cidade. Fevereiro 2024