Avançar para o conteúdo principal

VianaPolis: Sociedade já tem 64 das 105 frações do prédio ''Coutinho'' depois de fechar mais quatro acordos


O presidente da Câmara de Viana do Castelo anunciou hoje que a VianaPolis já é detentora de 64 das 105 frações do edifício Jardim, depois de fechar mais quatro acordos amigáveis no primeiro semestre deste ano. "A sociedade VianaPolis continua disponível para negociar com os proprietários para concretizar o seu objetivo. É isso que tem feito e no primeiro semestre deste ano chegou a acordo amigável com mais quatro proprietários", explicou á Lusa José Maria Costa. 
Com esta negociação, a sociedade VianaPolis, detida a 60 por cento pelos ministérios do Ambiente e das Finanças e 40 por cento pela Câmara de Viana do Castelo, é já detentora de 63 por cento dos 13 andares do edifício, também conhecido como prédio "Coutinho", o qual pretende demolir desde 2000.
Apesar de a expropriação continuar suspensa por decisão dos tribunais - que já deram razão à VianaPolis em três das cinco ações judiciais movidas pelos moradores -, aquela sociedade mantém a negociação amigável com alguns moradores. 
"Estamos a cumprir os valores e critérios de avaliação oficiais, de acordo com os índices. Depois, existe uma componente da indemnização que é definida caso a caso, que depende das mais-valias que cada pessoa fez nas suas habitações", explicou José Maria Costa.
É o caso de Alcino Lemos, um dos quatro proprietários que chegou a acordo, este ano, com a VianaPolis e que vai receber 179 mil euros pelo apartamento no 10.º andar. 
Outrora rosto principal da contestação dos moradores à demolição, aceitou o acordo por estar cansado de um processo que dura há 12 anos e que já levou, em tribunais e advogados, "muitos milhares de euros". 
"É muito tempo, hoje tenho 72 anos e ganhei doenças com isto tudo. Estou cansado e vou embora durante o mês de julho", confessou hoje à Lusa o proprietário e praticamente ex-membro da associação de moradores, que fundou. 
"Saio do prédio, mas não saio da luta. O que se passou durante 12 anos foi uma ditadura da parte da VianaPolis e da Câmara, pela forma como conduziram este processo", conta ainda Alcino Lemos, há 36 anos a morar no prédio Coutinho. 
Com 13 andares e considerado o "maior aborto urbanístico" da cidade, o prédio tem a demolição prevista desde 2000, ao abrigo do programa Polis, para ali ser construído o novo mercado municipal.
Desde 2006 que a expropriação está suspensa devido às cinco ações interpostas pelos moradores, que contestam a operação. 
Entre maio e novembro, o Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga decidiu, favoravelmente à VianaPolis, três das cinco ações que tentavam contestar a demolição. 
Já a VianaPolis mantém-se ativa com o único propósito de demolir o prédio, que já chegou a ser habitado por 300 pessoas, restando hoje menos de 40.

Fonte: Agencia Lusa (21.06.2012)

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

A pesca da lampreia no estuário do Lima

Pequenas embarcações, com uma tripulação que varia entre dois e três pescadores por barco, dão vida e movimento a este rio que desagua na cidade de Viana do Castelo. Este é um período muito esperado pelos pescadores locais, pois cada exemplar deste ciclóstomo tem elevado valor comercial. Por estes dias os preços têm estado muito altos, rondando os 100 euros por unidade. A pesca decorre até 10 de abril. Fotos: estuário do rio Lima, fevereiro de 2024.

Enorme “Coração de Viana” de Joana Vasconcelos exposto em Serralves

Uma das obras mais conhecidas e emblemáticas da artista plástica portuguesa Joana Vasconcelos, o "Coração Independente Vermelho”, inspirado no coração de Viana, peça icónica da filigrana portuguesa, está entre as mais de trinta e cinco peças que integram a sua primeira exposição individual em Serralves. A exposição, intitulada “I’m Your Mirror” esteve anteriormente no Museu Guggenheim de Bilbau (Espanha), onde recebeu mais de 640 mil visitantes. Vai estar no Porto, em Serralves, até 24 de junho. A obra "Coração Independente Vermelho”, já esteve exposta no Centro Cultural de Viana do Castelo durante a Romaria d'Agonia de 2014. Joana Vasconcelos foi, nesse mesmo ano, presidente da Comissão de Honra das Festas, tendo participado no cortejo etnográfico e no desfile da Mordomia. Alguns dos trabalhos expostos no Museu e nos Jardins do Parque de Serralves: (Clique na imagem para ver em modo de ecrã inteiro) CORAÇÃO INDEPENDENTE VERMELHO, 2005 | Apresenta-se sob a forma

Maior Romaria de Portugal já tem programa

A maior romaria portuguesa apresenta esta quarta-feira o programa oficial de 2024, com nove dias de festa dedicada à Senhora d’Agonia. A edição deste ano da Romaria da Senhora d’Agonia realiza-se de 14 a 22 de agosto, tendo como novidades do programa, a realização do tradicional Desfile da Mordomia, que em 2023 juntou mais de 900 mulheres pelas ruas de Viana do Castelo, no dia 15 de agosto, feriado. Este é um dos quadros mais procurados, na participação e no público para assistir. Pode consultar o programa oficial AQUI .

Sabia que?…

O Chafariz/Estátua de Mercúrio, evocativo do Deus do Comércio, foi construído em 1840. Já conheceu três locais na cidade. Inicialmente instalado no Largo do Pombal (atual Alameda 5 de Outubro) foi, por volta de 1867 desviado para o Jardim Público Marginal. No ano de 1958 sofreu nova mudança, desta vez para o atual Largo Maestro José Pedro, onde se encontra atualmente.