Avançar para o conteúdo principal

Teatro Municipal Sá de Miranda acolhe Festival de Artes Performativas


No âmbito da Mostra Sign Viana’2012 – arquitetura, design, artesanato e artes, Viana do Castelo recebe nos dias 6, 7, 13, 14, 20 e 21 de julho de 2012, o Cena Sign - Festival de Artes Performativas. 
Vão ser seis dias repletos de espetáculos, todos eles no Teatro Municipal Sá de Miranda, às 22h00.

Programação: 

Dias 6 e 7 – Anatomia do Piano 
Concepção e produção: Companhia de Música Teatral; Criação Artística: Paulo Maria Rodrigues, Pedro Ramos, Ana Guedes; Intérpretes: Paulo Rodrigues, Pedro Ramos; Coprodução: Casa das Artes; Apoio Fernando Rosado, Pianos. 

Dias 13 e 14 - Danza Ricercata e 27 Ossos 
Danza Ricercata
Um piano, um compositor, uma música, uma pianista, uma coreógrafa, uma bailarina, uma dança, uma música, uma dança, uma música... Quando um pianista toca está sempre implícita uma coreografia, necessária para a execução da música. Esta dança que a pianista faz ao interpretar a música sai como que improvisada, pois o que importa ali é que a música chegue aos ouvintes da forma desejada e os movimentos são deixados como que às ordens do que a música lhe pede. E se esses movimentos forem coreografados?... Esta é a proposta desta peça. Fazer com que os dois lados tenham a mesma importância e que um influencie outro. Pegar nos movimentos que já existem enquanto se toca e exagerá-los ou anulá-los.
Coreografia e direção: Tânia Carvalho; Interpretação ao Piano: Joana Gama; Música: György Ligeti, Música Ricercata,11 pièces pour piano (1951-1953); Produção: Bomba Suicida; Apoio: Alkantara (Lisboa) 
27 Ossos
Quando penso no meu trabalho e no que me dizem as pessoas no final das apresentações, e assim por diante — penso em Solidão. Na medida e no sentido em que somos sós. Na medida e no sentido em que somos uma experiência única, e guardamos dentro de cada um de nós coisas que ninguém mais conhece. Na medida e no sentido em que somos únicos, e todos diferentes uns dos outros. O medo de incompreensão está em todos nós, vive e manifesta-se na sensação de solidão que nos habita. O meu modo de pensar – ao pensar tudo isto – não é o de lançar um olhar “filosófico” sobre a vida, mas antes pensar para chegar a criar: cada um dos espectadores pode olhar para o seu interior, e ver o que possuem de mais íntimo. Tudo o que eu fizer emerge do fundo do meu ser, e, no entanto, possui a capacidade de atingir o ser de um outro. Todo o encadeamento da peça tem presente a imagem de três mulheres cobertas e com máscaras, um toy piano, kabuki e nôh − teatro tradicional japonês.
Direção e coreografia: Tânia Carvalho; Interpretação piano: Joana Gama. Intérpretes: Luís Guerra, Luiz Antunes e Sandra Rosado. Música original: Diogo Alvim. Figurinos: Aleksandar Protic; Caracterização: Tânia Carvalho; Direção técnica som e luz: Zeca Iglesias; Produção e difusão: Sofia Matos e Andreia Carneiro; Produção: Bomba Suicida; Coprodução: Cine Teatro Joaquim D’Almeida (Montijo); Residência artística: O Espaço do Tempo (Montemor-o-Novo), Cine Teatro S. Pedro (Alcanena) e Teatro Viriato (Viseu). Apoio: Alkantara (Lisboa). 

Dias 20 e 21 – Três Mulheres em Torno de um Piano 
Texto e encenação de Castro Guedes; interpretação Lúcia Maria (gentilmente cedida pelo Teatro Nacional D. Maria II; atrizes: Isabel Francisco e Francisca Lima) Produção: Dogma 12 - Estúdio de Dramaturgias de Língua Portuguesa 

Dias 27 e 28 – Canções de Brecht, Companhia Teatro de Almada 
De Kurt Weill, Hans Eisler, Paul Dessau, Kurt Schwaen, Franz Bruinier, Theodor e Bertolt Brecht; Intérpretes: Luís Madureira (Voz); Teresa Gafeira (Voz) e Francisco Sassetti (Piano); Versões livres para português: Yvette K. Centeno; Luz: José Carlos Nascimento; Direção de montagem: Carlos Galvão; Operação de Luz: Guilherme Frazão.

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Mordoma do cartaz da Romaria d’Agonia 2024 escolhida por concurso

Pela primeira vez na história da Romaria d’Agonia a mordoma do cartaz que leva a maior festa popular portuguesa a todo o mundo será selecionada por um júri entre 20 finalistas, todas elas escolhidas entre as concorrentes, abrindo assim espaço para mulheres com idades entre os 18 e os 35 anos participarem. “Qualquer mulher que sinta a nossa Romaria pode concorrer e pode aspirar a ser a mordoma da festa. É uma inovação que introduzimos este ano, pensando em todas as jovens mulheres que alimentam este sonho”, explicou Manuel Vitorino, presidente da VianaFestas, a entidade organizadora das festas da cidade. O novo regulamento para escolha do cartaz da Romaria de Nossa Senhora d’Agonia vai ser implementado este ano e substitui o modelo anterior, de concurso promovido, que estava em vigor desde 2011, e que implicava escolher o conjunto do autor, do cartaz e da mordoma. No formato para a definição do cartaz da Romaria a estrear este ano, o mesmo passa a contemplar três fases, com qualquer mul

Cartaz da Romaria da Senhora da Agonia 2010

Já foram apresentados o cartaz e o programa da Romaria da Senhora da Agonia 2010. Segundo a organização, a edição 2010 que vai decorrer de 20 a 22 de Agosto, vai ter um orçamento de 420 mil euros e são esperados um milhão de pessoas para assistirem à Romaria das Romarias de Portugal.

Viagem no Tempo

Assim era o quotidiano na Ribeira de Viana do Castelo, anos 60 do século XX. Crianças descalças e felizes a brincarem na rua sem horários, sem a supervisão de um adulto, sem preocupações de segurança. 📷 Espólio Severino Costa | Arquivo Municipal de Viana do Castelo

Pormenores de Viana do Castelo

Se passar pela Rua do Loureiro, repare na originalidade deste portão do prédio nº 52.

Gigantones e cabeçudos vieram em 1893 para ficar na tradição

Remonta ao ano de 1893 a introdução dos gigantones e cabeçudos na Romaria da Senhora d'Agonia, em Viana do Castelo. Este costume foi importado da região espanhola da Galiza.  Como manda a tradição, vai acontecer todos os dias (20, 21, 22 e 23 de agosto) da Romaria da Agonia 2015, por volta das 12H00, na Praça da República, a habitual revista de “Gigantones e Cabeçudos”. Os Gigantones e cabeçudos, acompanhados de Grupos de Bombos e Zés P’reiras, transformam-se no número mais ruidoso das Festas de Viana, contagiando todos quantos a ele assistem.