VianaPolis: Terrenos do Parque da Cidade de novo em hasta pública

Parque da cidade, Viana do Castelo

O presidente da Câmara de Viana do Castelo admitiu hoje que existem condições para que, ainda este mês, a VianaPolis possa lançar a terceira hasta pública para a venda dos terrenos do Parque da Cidade.
"Temos condições técnicas para executar a hasta pública até final de julho, mas aguardamos por uma decisão do acionista Estado. Só precisamos que nos validem as condições e os prazos", explicou José Maria Costa, que não antevê dificuldades neste processo, tendo em conta que o valor do concurso já está aprovado. 
A Direção-Geral de Tesouro e Finanças (DGTF) autorizou, em maio, a realização de uma hasta pública, por 7,5 milhões de euros (ME), para a venda dos terrenos do Parque da Cidade, avaliados há seis anos em 21,6 ME. 
O programa deste concurso foi entretanto concluído pela VianaPolis e, segundo o autarca, aguarda apenas a autorização do acionista maioritário - ministérios das Finanças e do Ambiente detêm 60 por cento daquela sociedade -, para que seja "lançado e concluído" ainda este mês. 
Segundo José Maria Costa, existem duas propostas concretas, de sete e 7,5 milhões de euros, de um grupo nacional e de investidores estrangeiros, que manifestaram a intenção de adquirir os terrenos.

Além disso, outros dois grupos, do Qatar e da Inglaterra, também já demonstraram interesse. O negócio envolve 63.199 metros quadrados de terrenos (26 lotes) para a construção de habitação de luxo, 1.776 metros quadrados para comércio, 19.526 metros quadrados de estacionamento, além de um lote de 9.496 metros quadrados para construção de um hotel. 
"Trata-se de um montante [7,5 ME] dentro dos valores do mercado atual e que, a concretizar-se, ainda vai gerar receitas de construção para o município, permitindo o avanço no processo do Parque da Cidade, que é uma zona de excelência e uma prioridade de intervenção", sublinhou o autarca. 
Em causa estão terrenos junto ao rio Lima e intervencionados pela VianaPolis, colocados há venda em 2006 por 21,6 milhões de euros. 
"Nunca valeram esse valor [inicial]. Porque se tivessem valido tinham feito fila para comprar", admitiu José Maria Costa, que à altura do lançamento do Polis era vereador do Ambiente na Câmara de Viana do Castelo. 
Face à falta de interessados, esse valor foi revisto em novembro de 2011 para nove milhões de euros. Contudo, também essa segunda hasta pública não recebeu qualquer proposta para a totalidade daquela área, o mesmo acontecendo com a venda a retalho. 
A sociedade VianaPolis promoveu a recuperação daqueles terrenos e mantém-se em funções com o objeto único de demolir os 13 andares do Edifício Jardim, que continua a esbarrar nos processos judiciais movidos pelos moradores.

Fonte: Agência Lusa (04.07.2012)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Reabilitação da Rua Nova de S. Bento

Floreiras dão novo colorido ao Largo João Tomás da Costa

Presidência Portuguesa do Conselho da UE vai passar por Viana do Castelo.