Avançar para o conteúdo principal

Os nomes e a história das ruas de Viana do Castelo

Já alguma vez se questionou sobre a origem dos nomes das ruas, avenidas, praças, bairros... da cidade onde mora? Você que vive em Viana do Castelo nunca teve curiosidade em saber de onde veio o nome da sua rua?
Prosseguindo com a descrição e origem de alguns nomes atribuídos a arruamentos de Viana do Castelo, desta vez vou dar a conhecer quem são as pessoas que dão o nome a duas ruas de Viana e que fizeram elas para merecem tal honra.

RUA MATEUS BARBOSA 
Rua da zona histórica, entre a Rua Gago Coutinho e o Largo das Almas. Esta velha artéria que durante vários séculos se chamou Rua da Piedade, por ser por ela que passavam os cortejos fúnebres a caminho do cemitério no Largo das Almas, consagra para a posteridade Mateus José Barbosa e Silva, da distinta família dos Barbosa e Silva, com residência nesta rua.

Rua Mateus Barbosa
QUEM FOI MATEUS BARBOSA?
Activo, entusiasta e generoso, Mateus Barbosa ajudou durante muito tempo, a Congregação da Caridade e de entre os vários cargos da vida social que ocupou, destaca-se o de Vice-consul de França em Viana do Castelo, e o de Presidente da Instituição que atualmente se chama Associação Empresarial de Viana do Castelo.

RUA ROQUE DE BARROS
Rua da zona histórica, entre a Rua Major Xavier da Costa e a Avenida Rocha Páris. Esta lajeada e típica artéria da cidade chamou-se antigamente Rua das Tripeiras.

Rua Roque de Barros
QUEM FOI ROQUE DE BARROS?
Roque de Barros foi uma importante figura histórica, bastante antiga, que pelos seus feitos deu origem a ser consagrado com este topónimo. "Roque de Barros Rego do nobilíssimo ramo destas famílias, foi filho de Afonso Caminha Rego e de sua mulher D. Ana Maciel Salgado. Militou com bizarria marcial nas campanhas do seu tempo pelo que os Reis deste Reino o fizeram Governador de Cabo Verde, e depois Comendador da Comenda de S. Miguel de Vila Franca da Ordem de Cristo".

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Andando pela cidade…

No segundo espaço verde mais antigo de Viana do Castelo, o Jardim D. Fernando, datado de 1888, está a ser alvo de intervenção uma das principais atrações deste jardim, a taça/cascata e gaiolão que alberga algumas aves.

A pesca da lampreia no estuário do Lima

Pequenas embarcações, com uma tripulação que varia entre dois e três pescadores por barco, dão vida e movimento a este rio que desagua na cidade de Viana do Castelo. Este é um período muito esperado pelos pescadores locais, pois cada exemplar deste ciclóstomo tem elevado valor comercial. Por estes dias os preços têm estado muito altos, rondando os 100 euros por unidade. A pesca decorre até 10 de abril. Fotos: estuário do rio Lima, fevereiro de 2024.

Um complexo em ruínas chamado Luziamar

Recentemente foi colocada ao redor do que resta deste emblemático empreendimento, uma nova vedação e uma placa com o nome da empresa atual proprietária do espaço. Será que está para breve alguma intervenção no sentido de se recuperar este importante espaço degradado da cidade de Viana do Castelo? O complexo turístico do Luziamar abriu portas em 1974 e fechou em meados da década de 90 do século passado. Durante grande parte do tempo em que se manteve em atividade, foi umas das principais referências na noite da região Norte de Portugal e da Galiza, sobretudo devido à sua discoteca, marcando uma geração que ainda hoje o recorda com saudade. Nos últimos anos, a empresa proprietária do Luziamar já teve diferentes projetos no sentido de recuperar aquele espaço mas, até ao momento, ainda nenhum se concretizou. Em 2015, numa reunião da Câmara Municipal de Viana do Castelo, foi revelado que era vontade do atual proprietário: ..."recuperar a atual envolvência do Luziamar", acresce

A passear por Viana…

Pela zona ribeirinha da cidade. Fevereiro 2024