Avançar para o conteúdo principal

Nomes das ruas de Viana do Castelo contam histórias

Prosseguindo... você que vive em Viana do Castelo nunca teve curiosidade em saber de onde veio o nome da sua rua?

PRAÇA DA ERVA
Velha Praça do centro medieval, antigamente chamada de Terreiro da Erva e Praça dos Ferradores.
A Praça da Erva constitui, desde a época medieval até às primeiras duas décadas do século passado, uma importante praça da Vila e depois da cidade, porque era daqui deste pequeno pátio lajeado que nesses velhos tempos partiam e chegavam as diligências ou carruagens puxadas a cavalos de Ponte de Lima, Ponte da Barca, Arcos de Valdevez e tantas outras localidades como Vigo, Ferrol e Corunha a Norte e o Porto a Sul. Era aqui, nesta emblemática praça que existiam as indispensáveis cavalariças. E era também aqui que numa larga pia as parelhas de cavalos eram lavadas e depois lhes davam de comer e de beber num grande bebedouro então existente.

Praça da Erva, Viana do Castelo
LARGO DO INSTITUTO HISTÓRICO DO MINHO
Largo do centro medieval, situado entre a Rua Sacadura Cabral e a Rua "A Aurora do Lima". Antigo Largo da Matriz, evoca o Instituto Histórico do Minho, fundado em 17 de julho de 1916, como instituto dependente da Academia de Ciências de Lisboa, com a finalidade de investigar, coordenar e difundir estudos históricos respeitantes à província do Minho.
Realizou diversos eventos culturais, editou diversas publicações e estabeleceu fecundo intercâmbio cultural com a Galiza. A sua sede estava instalada na Casa dos Arcos ou Casa de João Velho, no antigo Largo da Matriz, que, em 1922, passou a chamar-se Largo do Instituto Histórico do Minho. Quando suspendeu as atividades, a 22 de julho de 1939, tinha 354 sócios, sendo 280 nacionais e 73 estrangeiros.

Largo do Instituto Histórico do Minho, Viana do Castelo

Comentários

Enviar um comentário

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Viana do Castelo tem 9 praias com Qualidade de Ouro

Praia do Cabedelo (Viana do Castelo) Afife, Amorosa, Arda, Cabedelo, Carreço, Castelo de Neiva, Ínsua, Norte e Paçô, são as nove praias do concelho de Viana do Castelo que a Quercus classificou ontem com “Qualidade de ouro 2016”. A nível nacional, são 382 as praias distinguidas na avaliação da associação ambiental - mais 68 do que no ano passado.  Para receber a classificação de praia com “Qualidade de Ouro”, a água das praias tem que ter uma qualidade EXCELENTE nas cinco últimas épocas balneares de 2011 a 2015.  O objetivo da Quercus é realçar as praias que ao longo de vários anos (cinco), apresentam sistematicamente uma água balnear de qualidade excelente (tendo em conta a classificação da legislação em vigor), e que, nesse sentido, oferecem assim uma maior fiabilidade no que respeita à qualidade da sua água. Conheça as 382 praias com "qualidade de ouro" em 2016, clicando AQUI .

Campo de girassóis chama a atenção em Carreço (Viana)

Um extenso campo de girassóis pinta de amarelo a paisagem na Veiga de Carreço (Viana do Castelo), junto à estrada Nacional 13. Para quem passa por ali é difícil ficar indiferente à imensidão de flores que encanta qualquer um. A beleza é tanta que não falta quem pare por alguns minutos para observar os girassóis e aproveite a paisagem como cenário para tirar algumas fotografias.

É o fim do Edifício Jardim (Prédio Coutinho)

Hoje, 01 JUL 2022, desaparece definitivamente do Centro Histórico da cidade de Viana do Castelo.

“Marginal - Festa no Jardim” arranca a 14 de julho com experiências para toda a família

De 14 a 24 de julho, vai realizar-se no Jardim Público e no Jardim da Marina um evento cheio de experiências diurnas e noturnas para toda a família. Concertos, dança, jogos, showcookings, ateliers, conversas… vão animar a marginal de Viana do Castelo durante 11 dias. Clique na imagem e conheça a programação completa.

Há imenso lixo no porto de pesca de Viana do Castelo

O lixo que se vê nestas imagens não passa de uma amostra, tal é a quantidade de lixo existente em vários pontos do porto de pesca de Viana do Castelo. Esta preocupante realidade parece não incomodar os responsáveis por aquela infraestrutura, pois nada têm feito para a sua remoção.