Avançar para o conteúdo principal

30 milhões de euros para o despedimento dos trabalhadores dos Estaleiros de Viana


O Estado vai gastar cerca de 30 milhões de euros em indemnizações aos 620 trabalhadores dos Estaleiros de Viana, sabe o Negócios. O grupo Martifer, que ganhou a subconcessão dos terrenos e equipamentos da empresa, deverá garantir 400 postos de trabalho nos próximos três anos. 
Já se sabia que os 620 trabalhadores dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) iriam ser todos despedidos. Faltava conhecer a factura para o Estado, via indemnizações, e o número de empregos que a subconcessionária Martifer iria assumir. 
O grupo de Oliveira de Frades confirmou esta tarde que se compromete a ficar com cerca de 400 dos actuais 620 trabalhadores dos ENVC, nos próximos três anos. 
Somando a maioria dos efectivos que vão recorrer ao fundo de desemprego e os que estão em situação de pré-reforma, o drama social que poderia resultar do fim da empresa estatal deverá assim ser esvaziado neste período de tempo. É esta a mensagem que o Governo irá passar sobre o processo.
E o Negócios sabe que o Estado irá desembolsar cerca de 30 milhões de euros em indemnizações aos 620 trabalhadores que irão ser despedidos dos ENVC, o que dá, em termos grosseiros, uma média próxima dos 50 mil euros por trabalhador, a graduar em função da antiguidade. 
As administrações dos ENVC e da Martifer continuam a negociar o acordo de subconcessão dos terrenos e equipamentos da empresa estatal vianense ao grupo de Oliveira de Frades, estando ainda por firmar o número de postos de trabalho a garantir no arranque das operações da subconcessionária.
Foi a 18 de Outubro que a administração dos ENVC decidiu subconcessionar à Martifer os terrenos, infra-estruturas e equipamentos da empresa. 
O grupo português, que detém os estaleiros navais Navalria, em Aveiro, vai pagar 415 mil euros por ano por esta subconcessão, que vigorará até 31 de Março de 2031.

Fonte: Jornal de Negócios (27.11.2013)

Comentários

Mais visualizadas nos últimos 30 dias

Viana do Castelo com e sem o Edifício Jardim (Prédio Coutinho)

Estas duas imagens não foram manipuladas, são mesmo reais. Já se percebe a mudança na paisagem. Saiu de cena o edifício de 13 andares.

Viana do Castelo volta a viajar no tempo até à época medieval

A Feira Medieval de Viana do Castelo vai voltar às ruas do centro histórico da cidade de 17 a 19 de junho, após a interrupção de dois anos devido à pandemia. A Feira vai contar com um diversificado programa de animação e com a presença de artesãos e restauração. DO PROGRAMA DE ANIMAÇÃO CONSTA NOMEADAMENTE: ANIMAÇÃO ITINERANTE | CORO MEDIEVAL | ESPETÁCULO DE ABERTURA | ESPETÁCULO DE FOGO | CORTEJO DO SÉQUITO REAL | DANÇAS MEDIEVAIS | MÚSICA MEDIEVAL | MARIONETAS | JOGO DO PAU | DEMONSTRAÇÃO  DE VOO LIVRE | BANDA DE GAITEIROS | OUTORGA DO FORAL | OS GUARDAS REAIS | OFICINA DE TIARAS DE FLORES    | JOGOS MEDIEVAIS Consulte a programação completa do evento, com o local e horário de cada animação, clicando AQUI : 

Canhão do século XVIII roubado do interior da Fortaleza de Valença

Um canhão do reinado de D. João V, do século XVIII, pertencente ao Arsenal Real do Exército, foi roubado na madrugada de hoje do baluarte do Socorro, junto à pousada de S. Teotónio, no interior da fortaleza de Valença. Em comunicado enviado às redações, a autarquia da segunda cidade do distrito de Viana do Castelo, adiantou “tratar-se de um magnífico exemplar de armamento bélico, que estava exposto no Baluarte do Socorro, no interior da Fortaleza de Valença”. “Ao que tudo indica, o canhão foi arremessado muralha abaixo, para um patamar intermédio, e novamente atirado para o fosso da fortaleza, onde terá sido recolhido e transportado. Este é um roubo que abrange o património móvel nacional existente na fortaleza de Valença”, refere a nota. A Câmara de Valença “participou a ocorrência à GNR sendo que foi acionada, de imediato, a Polícia Judiciária (PJ) que já esteve no local a recolher provas”. O presidente da Câmara Municipal de Valença, José Manuel Carpinteira manifestou-se “profundame

Campo de girassóis chama a atenção em Carreço (Viana)

Um extenso campo de girassóis pinta de amarelo a paisagem na Veiga de Carreço (Viana do Castelo), junto à estrada Nacional 13. Para quem passa por ali é difícil ficar indiferente à imensidão de flores que encanta qualquer um. A beleza é tanta que não falta quem pare por alguns minutos para observar os girassóis e aproveite a paisagem como cenário para tirar algumas fotografias.

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.