Avançar para o conteúdo principal

Portugueses pagam para a Martifer utilizar Estaleiros de Viana do Castelo


Cada português pagará 2,18 euros pela subconcessão dos Estaleiros de Viana à Martifer, mas a fatura pode aumentar até 46,28 euros para resolver quase todos os problemas. 
Os Estaleiros de Viana do Castelo têm atualmente 609 trabalhadores. Serão todos despedidos.
O Estado deverá receber um total de 7,05 milhões de euros em rendas que serão pagas pela Martifer para utilizar os terrenos e o equipamento dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) até 2031. Mas muito antes disso, o Estado terá de pagar até janeiro de 2014 cerca de 30 milhões de euros para despedir os 609 trabalhadores dos ENVC. 
Ou seja: este negócio, custará a cada um dos 10.487.289 portugueses um valor líquido 2,18 euros, correspondente à diferença entre o custo do despedimento e o valor total das rendas a receber. No total, os portugueses vão pagar 22,95 milhões de euros para o Grupo Martifer ter a subconcessão dos ENVC.
De facto, a subconcessão dos ENVC, ganha pela Martifer em concurso público, implicará um custo para todos os portugueses, para que o grupo dos irmãos Carlos e Jorge Martins criem a empresa Westsea, que se compromete a contratar 400 trabalhadores entre janeiro de 2014 e dezembro de 2016.
Os 30 milhões de euros que vão ser desembolsados para pagar indemnizações terão duas componentes: cerca de 22 milhões para negociar saídas de trabalhadores ao valor de um salário por cada ano de trabalho, mais os cerca de 8 milhões de euros em falta no fundo de pensões da empresa.
Mas esta subconcessão não resolve os problemas da ENVC, que continua a ser detida a 100% pelo Estado. Isto significa que a questão do passivo dos estaleiros, que ascendia a 281,5 milhões em 2012, terá de ser resolvida pelo acionista. Tal como a questão dos apoios estatais concedidos entre 2006 e 2011 aos ENVC - cerca de 181 milhões de euros - que está a ser investigada por Bruxelas e cujo desfecho ainda é desconhecido. 
Somando o passivo, os apoios estatais investigados por Bruxelas e as indemnizações a pagar para despedir todos os trabalhadores dos ENVC, deduzidas das rendas que serão pagas ao Estado até 2031 pela Westsea, chega-se ao valor global de 485,45 milhões, que corresponderá a um encargo potencial de 46,28 euros que recai sobre cada português (a preços atuais). 
Ainda fica por resolver a situação do "ferry" Atlântida, que fora encomendado em 2009 pela Atlanticoline e que acabou por ser recusado, pois o dono da obra alegou incumprimento de requisitos técnicos. Esta situação ainda está em tribunal e envolve custos de 57 milhões de euros para os ENVC, mais 500 mil euros anuais por estar na doca do Alfeite (note-se que o custo da docagem no Alfeite é superior à renda anual que será paga pela Martifer por utilizar as infraestruturas dos ENVC). 
Assim, o acionista Estado ainda terá de resolver o problema pendente do Atlântida, que entretanto é pago por todos os contribuintes portugueses. 
Tal como ninguém conhece a solução para os contratos de construção de dois navios asfalteiros destinados à PDVSA - Petróleos de Venezuela, que supostamente deveriam estar prontos e ser entregues por alturas do verão de 2014. O problema é grave porque o primeiro pagamento destinado a comprar material para o arranque da construção dos navios serviu para cobrir um financiamento bancário e para pagar salários nos ENVC, o que atrasou o cronograma desta encomenda, que é atualmente a única dos ENVC. 
Relativamente ao Grupo Martifer, toda a sua atividade no mercado nacional foi fortemente abrandada em resultado da conjuntura de crise e o seu sector naval - é dona dos estaleiros Navalria em Aveiro - deverá ser reorientado para a futura Westsea, que será criada em janeiro para operar a subconcessão dos ENVC. 

Prejuízos da Martifer aumentaram 47,7%. 
De janeiro a setembro, os resultados líquidos consolidados apresentados pela Martifer ascendem a 48,7 milhões de euros negativos, o que corresponde a um agravamento de 47,7% face aos prejuízos de 33 milhões registados em igual período de 2012. 
Comparativamente com dados do final de 2012, a dívida da Martifer aumentou um milhão de euros, ascendendo a 378 milhões de euros. O grupo de Carlos e Jorge Martins diz que está "focado no processo de diminuição" da dívida, pretendendo chegar ao final de 2014 com "um endividamento entre 230 a 250 milhões de euros". 
Entretanto, o processo da subconcessão dos ENVC está a ser contestado em Viana do Castelo e o autarca local, José Maria Costa - para quem tudo isto constitui "um autêntico murro no estomago" - pretende "apoiar judicialmente os trabalhadores contra este despedimento coletivo". 
Em declarações à SIC o ministro da Defesa, Aguiar Branco, explicou que o valor das indemnizações individuais que serão pagas aos trabalhadores dos ENVC varia "entre os 6 mil euros e os 200 mil euros". O governante disse ainda que "em média cada trabalhador receberá 50 mil euros".

Texto: Jornal Expresso (29.11.2013)

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Mordoma do cartaz da Romaria d’Agonia 2024 escolhida por concurso

Pela primeira vez na história da Romaria d’Agonia a mordoma do cartaz que leva a maior festa popular portuguesa a todo o mundo será selecionada por um júri entre 20 finalistas, todas elas escolhidas entre as concorrentes, abrindo assim espaço para mulheres com idades entre os 18 e os 35 anos participarem. “Qualquer mulher que sinta a nossa Romaria pode concorrer e pode aspirar a ser a mordoma da festa. É uma inovação que introduzimos este ano, pensando em todas as jovens mulheres que alimentam este sonho”, explicou Manuel Vitorino, presidente da VianaFestas, a entidade organizadora das festas da cidade. O novo regulamento para escolha do cartaz da Romaria de Nossa Senhora d’Agonia vai ser implementado este ano e substitui o modelo anterior, de concurso promovido, que estava em vigor desde 2011, e que implicava escolher o conjunto do autor, do cartaz e da mordoma. No formato para a definição do cartaz da Romaria a estrear este ano, o mesmo passa a contemplar três fases, com qualquer mul

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Romaria d’Agonia já tem vencedora do concurso “Mordoma do Cartaz”

Pela primeira vez na história da Romaria d’Agonia a mordoma do cartaz que leva a maior festa popular portuguesa a todo o mundo foi escolhida por um júri entre 20 finalistas. O concurso registou 53 candidaturas. Qualquer mulher com idade entre os 18 e os 35 anos pôde concorrer. A escolha da Mordoma do Cartaz da Romaria de Nossa Senhora d'Agonia 2024 teve lugar nesta sexta-feira, dia 17 de maio, no Teatro Municipal Sá de Miranda. Gabriela Sampaio com o traje de Carreço vermelho é a mordoma do Cartaz da Romaria de 2024. Agora que está escolhida a Mordoma do Cartaz, a VianaFestas e a Comissão de Festas da Romaria de Nossa Senhora d’Agonia vão convidar três designers/artistas, que apresentarão, cada um, uma proposta, na qual figura a jovem mordoma selecionada neste concurso, com a apresentação do cartaz oficial prevista para 21 de junho.  A Romaria d'Agonia 2024, realiza-se de 14 a 22 de agosto.

Viana do Castelo em dia de feira semanal

Esta velha e tradicional atividade realiza-se semanalmente, às sextas-feiras, no Campo d’Agonia/Campo do Castelo. Neste grande espaço de venda ao ar livre, encontra-se uma diversidade de produtos, nomeadamente louças, tecidos, roupas, calçado, atoalhados, móveis, vasilhame, ferramentas, cobres entre muitos outros. Horário de funcionamento | Verão das 07h00-20h00 / Inverno das 07h00-18h00. Feira Semanal em Viana do Castelo (2019.10.25) Feira Semanal em Viana do Castelo (2019.10.25) Feira Semanal em Viana do Castelo (2019.10.25) Feira Semanal em Viana do Castelo (2019.10.25) Feira Semanal em Viana do Castelo (2019.10.25) Feira Semanal em Viana do Castelo (2019.10.25) Feira Semanal em Viana do Castelo (2019.10.25) Feira Semanal em Viana do Castelo (2019.10.25)

Estado de degradação e abandono da praia Norte

Este ano foram-lhe atribuídos os galardões "Praia com Qualidade de Ouro" pela Quercus, e “Bandeira Azul” pela Associação Bandeira Azul da Europa, mas a praia Norte, em Viana do Castelo, apresenta uma imagem de degradação e abandono. Vários candeeiros de iluminação pública que estão no passeio em direção ao “Castelo Velho”, não têm o “chapéu”,  o que quer dizer que não existe iluminação, nos dois bares de apoio à praia a degradação e a falta de manutenção são evidentes, as casas de banho/balneários de apoio à praia anexos aos dois cafés, que muito jeito davam aos peregrinos que utilizam este Caminho em direção a Santiago de Compostela e também aos frequentadores da Praia e Ecovia Litoral Norte, estão fechados, os painéis informativos encontram-se em mau estado, corrimões das escadas de acesso ao areal estão cheios de ferrugem…