Avançar para o conteúdo principal

À Moda Antiga: Esta loja abriu recentemente em Viana, com muita história lá dentro

"À Moda Antiga", Viana do Castelo

Quem lá entra encontra de tudo um pouco, o seu interior contém verdadeiras relíquias. São muitos os artigos de outros tempos e com um toque irreverentemente “vintage”. 
Já entrei nesta loja, fiquei admirado com os vários e tão diferentes produtos tradicionais portugueses expostos. 

Saibam um pouco mais sobre a loja “À Moda Antiga”, através do artigo que abaixo transcrevo, publicado hoje no jornal “Público online” 

 “Viver fora do país é ver com clareza o que de bom o país tem. Joana e Filipe Maia regressaram e abriram em Viana do Castelo um espaço de produtos tradicionais portugueses, que funciona também como bistrô e lugar de exposições 

Foi quando emigraram para a Austrália, após quatro anos a viver em Angola, que Joana e Filipe Maia perceberam como Portugal lhes fazia falta. Ou antes: como a falta de História e de identidade de um país pode transformar-se num “grande vazio”. Foi com esse sentimento (e com a vontade de ter filhos) que regressaram ao país em 2010, “sem casa, sem carro e sem emprego, em plena crise”. 
E foi com essa mesma justificação que, três anos depois, transformaram uma antiga loja de ferragens de 1920 num espaço que é uma verdadeira viagem pelo tempo - e pela cultura de um país. À Moda Antiga Retro Market & Bistro, aberta desde Novembro de 2013 em Viana do Castelo, é uma loja "vintage" cheia de produtos tradicionais portugueses, com um espaço de exposições e um cantinho bistrô.
“Começamos a juntar o puzzle, a nossa vida é um puzzle. E acabamos por criar esta loja”, resumiu Joana durante uma conversa feita à mesa do bistrô e que havia de durar duas horas. Virada para a marina de Viana do Castelo, a loja deste casal de engenheiros civis - dirigida sobretudo por Joana, já que o marido continua a dedicar-se à empresa que criaram quando voltaram ao país - foi desenhada “do local para o nacional”. 
Viana - Norte - Portugal 
Por isso, encontram-se por lá vários produtos vianenses, como os chocolates Imperador, sabonetes artesanais, chás e infusões, os cadernos da Vida Retro ou os azulejos pintados à mão pela artista local Isabel Pinolo. 
Mas também vários do Norte (a segunda prioridade) e do resto do país: biscoitos de Monção, água e biscoitos de Melgaço, funilaria de Barcelos, sabonetes da Ach Brito (Porto) da Confiança (Braga), compotas feitas por monjas de Roriz, em Santo Tirso, biscoitos da Puapério, louça de Caldas da Rainha, cestas de Alcobaça, mantas 100% lã da Serra da Estrela, figos de Moncorvo, chá dos Açores, chocolate Equador, conservas Tricana, colónias Musk, cerveja artesanal Letra, brinquedos antigos, marcadores de livros... 
A lista é grande e cresce numa equação diretamente proporcional às viagens - reais e cibernáuticas - que Joana Maia faz para descobrir “produtos que transmitam algo e tenham qualidade máxima”. “Passo horas e horas à procura, no backstage dos produtos. É exaustivo às vezes”, suspira com um sorriso. 
O primeiro produto que decidiram que tinha de fazer parte da À Moda Antiga foi, na verdade, a bicicleta. “A ideia surgiu com as bicicletas e depois começamos a juntar a informação que tínhamos adquirido de todos os sítios onde estivemos no mundo”, contou. 
Joana tinha-se apaixonado pelo veículo de duas rodas quando estudou em Milão, em Itália; Luís sempre se interessou por “tudo o que fosse clássico”. E desta mistura surgiram na loja as históricas e clássicas pasteleiras que geralmente brindam os visitantes na entrada do espaço. 
A ideia é que os veículos possam não só ser comprados mas também alugados. E além das pasteleiras há também bicicletas inglesas e italianas e as famosas vespas. 
Uma esplanada no Verão 
No Verão, o Largo João Tomás da Costa vai contar também com uma esplanada, para estender o serviço bistrô que se serve agora no fundo da loja, com uma cozinha “show cook” e num local que já funcionou como depósito de carvão e onde as paredes ainda estão pretas. 
O café-restaurante funciona das 9 às 19h (almoços tardios são possíveis), com menus de seis euros (sopa, prato e bebida) e 4,5 euros (sopa, sande e bebida). São considerados “imperdíveis”, segundo os donos da loja, especialidades como cogumelos Portobello recheados com salmão fumado e queijo da ilha gratinado, para prato principal, e muxama de atum (considerado “o presunto dos mares”), como entrada. 
Na À Moda Antiga há também espaço para exposições, que mudam de tempos a tempos (a mais recente é do ilustrador Joel Torres) e têm o mesmo objectivo da loja: a divulgação cultural.”

Comentários

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Bom Dia Viana do Castelo

Iates na antiga doca comercial onde, presentemente, se encontra ancorado o navio museu Gil Eannes.  A reconversão desta antiga doca comercial numa marina atlântica está prevista há vários anos, mas tarda em concretizar-se. Com cerca de 477 metros de comprimento e 100 de largura, com a reabilitação prevista, a referida doca (futura Marina Atlântica) passará a ter capacidade para receber embarcações de recreio de maior dimensão.

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

PRAÇA DE TOUROS | Anteprojeto de reconversão

A construção de uma pista de atletismo a dez metros de altura, com 200 metros de extensão e vista panorâmica é uma das valências do 'campus' desportivo que vai nascer na antiga praça de touros de Viana do Castelo.  Em declarações hoje à agência Lusa, a propósito da conclusão do anteprojeto de reconversão da antiga praça de touros em 'campus' desportivo, o presidente da Câmara revelou que a infraestrutura, a criar no exterior e abrangendo todo o perímetro do edifício, poderá ser utilizada por atletas e pela população para "jogging, atletismo, caminhadas entre outras atividades de manutenção física".  A pista "será coberta", permitindo a sua utilização "mesmo em condições climatéricas adversas" e está integrada no projeto para reconversão da antiga praça de touros, um investimento de 2,5 milhões de euros que vai a concurso em abril de 2017 e que prevê a transformação da antiga arena, desativada há cerca de sete anos desde que cidade se d

Escadório de Santa Luzia

A Basílica de Santa Luzia, situada no alto do monte com o mesmo nome, é o monumento mais conhecido e visitado da cidade de Viana do Castelo. Para lá chegar tem três opções: a estrada, o funicular ou o escadório. Quem optar pelo funicular, fará um percurso de 650 metros, vencendo um desnível de 160 metros, numa viagem com duração de aproximadamente 7 minutos. Quem se sentir atraído a ir a pé pelo escadório, terá que subir 659 degraus. Subir esta escadaria não é assim tão difícil, basta ir com calma, parando quando o cansaço aparecer. Veja algumas fotografias do escadório de Santa Luzia.

Casa Brasileira a mais antiga confeitaria de Viana do Castelo

A fachada sóbria da “Casa Brasileira”, a mais antiga confeitaria da cidade de Viana do Castelo, “guarda” no seu interior verdadeiras delícias da doçaria tradicional. Fundada por emigrantes no Brasil, que a abriram precisamente no dia 22 de Março de 1902, no edifício onde ainda existe hoje, em pleno centro histórico da cidade, este estabelecimento citadino foi durante muitos anos um ícone dos doces típicos de Viana do Castelo. Mas, como em tudo na vida, esta confeitaria também teve os seus pontos altos e baixos. Os actuais proprietários, Sr. Norberto Martins e D. Maria Graça Ferreira, ex-emigrantes em França, quando em 2004 assumiram a direcção do estabelecimento, encontraram-no com uma deterioração que fazia esquecer os tempos dourados. Aos poucos, foram renovando o espaço e introduzindo nova doçaria de inspiração francesa que, juntamente com a confecção tradicional fez com que o espaço voltasse a ter a fama e a clientela que entretanto tinha perdido. Entre as especialidades serv