Avançar para o conteúdo principal

Da Austrália à Noruega. Nove empresas querem comprar o Atlântida à Douro Azul


As propostas que já chegaram à Douro Azul são oriundas de países tão distintos como a Austrália, Singapura ou Espanha. Da Noruega, há duas empresas interessadas em adquirir o 'ferryboat' Atlântida. 
O ferryboat Atlântida tinha sido encomendado pelo Governo dos Açores aos Estaleiros Navais de Viana do Castelo 

Há nove empresas interessadas no ferryboat Atlântida – o navio que a Douro Azul adquiriu por 8,75 milhões de euros em setembro e anunciou querer vender três meses depois -, avançou o líder da empresa, Mário Ferreira, ao Observador. As propostas, de acordo com o empresário, são oriundas da Austrália, Singapura, Malta, um país da África Ocidental, Espanha, Grécia, Estados Unidos da América e Noruega. No último país, há duas organizações interessadas em ficar com o navio. 
“De repente, o mercado internacional percebeu que estávamos a negociar o navio” e as propostas começaram a aparecer, explicou o empresário e líder da Douro Azul. As obras de reconversão do ferryboat num navio para cruzeiros de luxo, comprado para operar no maior rio do Mundo, entre Manaus, no Brasil, e Iquitos, no Perú, já tinham terminado em dezembro. Na altura, o responsável pela empresa tinha adiantado que iria “repensar o projeto turístico para a Amazónia”. 
Entretanto, Mário Ferreira adiantou que as propostas que a Douro Azul já recebeu têm diferentes objetivos: apoio a plataformas petrolíferas, operações típicas de um ferryboat ou a conversão num navio de expedição. A última proposta é a da empresa norte-americana. “Estou à espera de ver qual é a melhor proposta, porque são todas muito diferentes. Não é o valor que está em causa. É o valor e o formato. No final, quero olhar para todas estas opções e ver qual é a mais vantajosa. E a mais vantajosa não tem de recair necessariamente sobre o preço da venda”, explicou o empresário. 
O ferryboat Atlântida, avaliado em 50 milhões de euros, foi encomendado pelo Governo dos Açores aos Estaleiros Navais de Viana do Castelo, que o rejeitou posteriormente, devido a um nó de diferença na velocidade máxima contratada. A Douro Azul comprou-o por 8,75 milhões de euros, com capitais próprios, para investir mais seis milhões de euros na sua reconversão num navio de cruzeiros. 
O navio foi comprado em setembro de 2014 pela Mystic Cruises, do grupo Douro Azul, através de um concurso público internacional. As obras pararam porque a empresa tinha “em carteira, vários desafios e alternativas válidas para o Atlântida”, tinha avançado à Lusa, Mário Ferreira.

Notícia do Observador de 06.01.2015

Saiba mais sobre o Atlântida, AQUI.

Comentários

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Andando pela cidade…

Rua do Tourinho, centro histórico de Viana do Castelo.

Ruas da Ribeira de Viana

Andando por ruas, becos e vielas da nossa Ribeira.

A primeira Matriz de Viana está a ser reabilitada

Foi a primeira Matriz de Viana, até à construção da actual Sé Catedral dentro do perímetro muralhado em meados do século XV. A estrutura primitiva remonta ao século XIlI, tendo sido reedificada e acrescentada em 1719. Conhecida tradicionalmente por Matriz Velha, passou a chamar-se Igreja das Almas pelo facto de o seu adro ter sido local de enterramento desde o tempo de D. Afonso III até finais do século XIX. Fotos: a Igreja das Almas na atualidade e noutros tempos

Escadório de Santa Luzia

A Basílica de Santa Luzia, situada no alto do monte com o mesmo nome, é o monumento mais conhecido e visitado da cidade de Viana do Castelo. Para lá chegar tem três opções: a estrada, o funicular ou o escadório. Quem optar pelo funicular, fará um percurso de 650 metros, vencendo um desnível de 160 metros, numa viagem com duração de aproximadamente 7 minutos. Quem se sentir atraído a ir a pé pelo escadório, terá que subir 659 degraus. Subir esta escadaria não é assim tão difícil, basta ir com calma, parando quando o cansaço aparecer. Veja algumas fotografias do escadório de Santa Luzia.

Passadiços flutuantes na antiga doca comercial

Na antiga doca comercial de Viana do Castelo estão a ser colocados passadiços flutuantes e respetiva rampa de acesso, para servirem de apoio a embarcações. Refira-se que está prevista há muitos anos, a reconversão desta antiga doca comercial numa marina Atlântica para atracação de embarcações de maior dimensão, até quatro metros de calado.