As Maias da Praça

As varandas dos edifícios da Praça da República, da cidade de Viana do Castelo, enfeitaram-se na noite de 30 de abril para 1 de maio com dezenas de maias, revivendo uma tradição antiga. Ali permanecerão durante uma semana. 
Além desta Praça, também noutras ruas de Viana do Castelo, podemos ver portas e varandas enfeitadas com giestas, verdes, flores campestres, coroas de flores... que por estes dias transmitem uma "cor primaveril” à cidade. 

De seguida, transcrevo um texto retirado do site da RTAM, que explica o porquê desta tradição das "Maias". 

A Maia, chamada, também, "Rainha do Maio", ou "Rosa do Maio", era uma boneca de palha de centeio, em torno da qual havia descantes toda a noite (1.º de Maio); outras vezes, uma menina coroada com flores, que se enfeitava com o vestido branco, jóias, etc., sendo colocada num trono florido, e venerada todo o dia com danças e cantares. 
Esta festa, sem dúvida com reminiscências pagãs (celtas-romanas), foi proibida várias vezes (caso de Lisboa onde em 1402, por carta régia de 14 de Agosto se determinava aos juízes e à câmara que impusessem as maiores penalidades a quem cantasse Mayas ou Janeiras, e outras coisas contra a lei de Deus). 
No Alto Minho, esta velha tradição mantém-se. Na manhã do 1.º de Maio, as casas das nossas aldeias aparecem todas enfeitadas com raminhos de giesta, relembrando os costumes de coroação (Maio ou Maia). Com o cristianismo deu-se a este velho ritual pagão (rito da fertilidade para uns, novo ciclo da natureza, o triunfo da primavera, o reverdescer das plantas, o começo de um ano agrícola; rito da fecundidade, prognosticando boas colheitas), um carácter religioso (sua ligação á festa de Santa Cruz – Festa das Cruzes – Barcelos ou, mesmo, ao Corpo de Deus). 

A lenda que se conta, e a mais habitual do Alto Minho, é a seguinte: 
Herodes soube que a Sagrada Família na fuga para o Egipto pernoitaria numa certa aldeia. E estava já disposto a mandar matar todas as crianças do sexo masculino. Perante tal morticínio, um outro Judas, informa-o de que tal não valeria a pena. Também, não lhe dizia onde estava o Menino Jesus, mas colocaria um ramo de giesta florida na casa onde ele pernoitasse. Assim, bastaria à soldadesca procurar a tal casa e, pronto!... 
Porém, qual não foi o espanto dos legionários quando, na manhã seguinte, todas as casas da aldeia apareceram com o tal raminho de giesta florida!... Verdade ou ficção, a lenda ainda perdura, mas já com variantes!



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Enorme máquina giratória vai “triturar” mais de 15 mil toneladas de materiais dos 13 andares do prédio Coutinho

Laboratório do mar com minissubmarino e aquário abriu em Viana do Castelo

Morreu a ''PALMIRINHA''

Passagens de nível que já não existem

Já começou o Natal em Viana