Avançar para o conteúdo principal

ENVC: Depois de concessionados, não falta trabalho


Nos últimos três anos antes da concessão, os Estaleiros Navais de Viana do Castelo estiveram praticamente sem trabalho. Foram cerca de 600 trabalhadores que diariamente vestiam o fato macaco à espera que o trabalho chegasse, mas em vão. Foram três anos em que os trabalhadores recebiam para não fazer nada. Não se construíam nem se reparavam navios. Vá-se lá saber porquê. Quem falhou?
Depois da subconcessão à empresa Martifer, em janeiro de 2014 , não têm faltado reparações de navios e até o estado já tem disponibilidade de mandar construir novos navios para a Marinha, nos estaleiros da WestSea, o que pelos vistos não tinha antes da concessão.
Conforme Resolução do Conselho de Ministros publicada no Diário da República de 8 de junho de 2015, o Governo acaba de autorizar a Marinha a realizar a despesa relativa à aquisição de dois navios-patrulha oceânicos da classe «Viana do Castelo», até ao montante máximo de 77 000 000,00 EUR, a que acresce o IVA à taxa legal em vigor, com recurso ao procedimento por negociação sem publicação de anúncio, com consulta às sociedades comerciais WEST SEA S.A., e EDISOFT S.A., em regime de consórcio a constituir no momento da adjudicação. 
Ainda bem que agora há trabalho, para bem dos trabalhadores, da economia do concelho, da região e do País, mas que se passaram situações um pouco incompreensíveis neste processo, parece ninguém ter dúvidas. Recorde-se que o atual Governo decidiu anular em 2012, a encomenda aos ENVC de seis Navios-Patrulha Oceânicos (NPO) e cinco Lanchas de Fiscalização Costeira (LFC), negócio avaliado em cerca de 400 milhões de euros.  

Veja AQUI o D.R. que autoriza a despesa relativa à aquisição de dois navios-patrulha oceânicos «Viana do Castelo».

Comentários

  1. Os Governantes que temos em Portugal nao prestam e infelizmente nao existe justica para esses ditos senhores que so cometem erros lesam o Pais e nunca sao respopnsaveis de nada e o Pais que somos pobre Portugal.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Campo de girassóis chama a atenção em Carreço (Viana)

Um extenso campo de girassóis pinta de amarelo a paisagem na Veiga de Carreço (Viana do Castelo), junto à estrada Nacional 13. Para quem passa por ali é difícil ficar indiferente à imensidão de flores que encanta qualquer um. A beleza é tanta que não falta quem pare por alguns minutos para observar os girassóis e aproveite a paisagem como cenário para tirar algumas fotografias.

É o fim do Edifício Jardim (Prédio Coutinho)

Hoje, 01 JUL 2022, desaparece definitivamente do Centro Histórico da cidade de Viana do Castelo.

Ponte Eiffel, em Viana, faz 141 anos

Feita em ferro e desenhada no gabinete de Gustave Eiffel, a ponte que liga as duas margens do Lima, entre a cidade de Viana do Castelo e a vila de Darque, foi inaugurada a 30 de junho de 1878, tendo sido construída para substituir a antiga e precária ponte de madeira. A ponte Eiffel de Viana do Castelo foi a primeira ponte rodoferroviária (de dois tabuleiros sobrepostos) construída em Portugal, tem 645 metros de comprimento e dois tabuleiros metálicos, sendo o superior rodoviário, para trânsito automóvel e pedestre, e o inferior ferroviário. (clique na imagem para ver em modo de ecrã inteiro) A Ponte Eiffel de Viana do Castelo (1930/1940)

Viana do Castelo com e sem o Edifício Jardim (Prédio Coutinho)

Estas duas imagens não foram manipuladas, são mesmo reais. Já se percebe a mudança na paisagem. Saiu de cena o edifício de 13 andares.

O Desfile da Mordomia na Romaria d’Agonia

O Desfile da Mordomia é um dos momentos de maior destaque naquela que é considerada a Rainha das Romarias de Portugal. Depois de dois anos de ausência daquele número devido à pandemia, na Romaria d’Agonia 2022 é esperado um recorde de participações. Cerca de 800 mordomas (número máximo aceite pela organização) irão estar no desfile que vai decorrer no dia 18 de agosto. Em 2019 participaram no desfile 619 mordomas. O Desfile da Mordomia é considerado a maior montra de trajes e ouro ao ar livre do país. No deste ano, estima-se que o valor total do ouro que as 800 mordomas vão usar (2,5 quilogramas, em média, cada uma), calculado com base no preço atual, atinja os 94 milhões de euros.