Avançar para o conteúdo principal

Doca desativada há cerca de 20 anos vai ser reconvertida para construir iates


Um projeto privado para reparação, transformação e construção de iates, deverá avançar dentro de dias, com a concessão à empresa promotora de uma doca da cidade desativada há cerca de 20 anos. 
A Metalorep, que em 2013 construiu dois barcos rabelos em aço para a Douro Azul, aguarda apenas a formalização do contrato com o Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos (IPTM) para poder tomar posse do futuro espaço onde irá desenvolver a sua nova atividade. Trata-se de um investimento de perto de três milhões de euros, que deverá arrancar no final de 2017, após a reconversão da doca, localizada junto ao navio Gil Eannes, com um número inicial de duas dezenas de trabalhadores e capacidade para trabalhar com embarcações até 12 metros de largura e 107 de comprimento. 
“Este projeto surgiu em finais de 2012, quando tivemos uma consulta para transformação e ampliação para 72 metros de um iate com 66 metros. Colocou-se o problema do local onde poderíamos fazer isso e tive de recusar, porque não tinha condições”, contou o proprietário da Metalorep, Domingos Moreira, referindo que, a partir dessa altura, começou “a pensar seriamente” em investir nesse nicho de mercado. “Neste momento, em Portugal, não temos nenhum estaleiro a fazer este tipo de trabalho. É claro que, por agora, não temos nada em carteira, mas estamos esperançados que vamos conquistar mercado, principalmente na área da transformação de iates”, declarou o empresário, afirmando que, se iniciar a obra de reconversão da doca em junho, conforme prevê, “terá condições para começar a trabalhar no final de 2017”. Além daquele novo projeto, planeia ainda “agarrar outros mercados”, um deles, o da construção de embarcações de serviço para plataformas petrolíferas. “Angola, por exemplo, comprou agora três em França. São embarcações para transporte de trabalhadores para as plataformas. Não há ninguém que faça isso cá. 
Principalmente o mercado africano, estou convencido que dará trabalho”, disse Domingos Moreira. 
A Metalorep está sediada no Parque Empresarial de Viana do Castelo, na Praia Norte, e desenvolve a sua atividade desde 1995, na área da metalomecânica e na construção, reparação e transformação naval, em aço e alumínio. 
Jornal de Notícias 24/5/2016

Comentários

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Corte de árvore no Jardim Público

Talvez por se encontrar com problemas, e no sentido de garantir maior segurança aos utentes do Jardim Público Marginal da cidade de Viana do Castelo, está a ser cortada uma árvore de grande porte. Neste que é o espaço verde mais antigo da cidade, datado de 1881, existem mais de 150 árvores, na sua maioria tílias.

Campo de girassóis chama a atenção em Carreço (Viana)

Um extenso campo de girassóis pinta de amarelo a paisagem na Veiga de Carreço (Viana do Castelo), junto à estrada Nacional 13. Para quem passa por ali é difícil ficar indiferente à imensidão de flores que encanta qualquer um. A beleza é tanta que não falta quem pare por alguns minutos para observar os girassóis e aproveite a paisagem como cenário para tirar algumas fotografias.

Quem vai ao mar avia-se em terra

Tripulação do “Santa Luzia no Monte” no porto de pesca de Viana do Castelo, a preparar os covos para uma próxima saída para a faina. 

Estacionamento selvagem e a indiferença das autoridades em Viana

Esta situação (15 set 2022) acontece no espaço relvado que rodeia o tanque comunitário na zona da Ribeira de Viana do Castelo. Apesar deste espaço estar vedado com pilaretes de madeira (bastou derrubar 1 ou dois), é usado por cada vez mais pessoas, que impunemente cometem estes abusos com as suas viaturas. De salientar que a cerca de 50 metros deste local existe espaço para estacionamento gratuito para dezenas de viaturas.