Avançar para o conteúdo principal

Praça da República veste-se à Idade Média

A Praça da República, praça principal e ex-libris da cidade de Viana do Castelo, já está vestida a rigor para receber de 16 a 19 de junho a Feira Medieval. 
Esta Praça possui um conjunto monumental quinhentista, desde o Chafariz (séc. XVI), passando pelo edifício da Misericórdia (séc. XVI), até ao edifício dos Antigos Paços do Concelho (séc. XVI), que a tornam no cenário ideal para recuarmos (na imaginação) a tempos passados da nossa história. 
Vão ser quatro dias cheios de magia, animação e surpresa, num centro histórico onde vão imperar a cor, cheiros e sabores de outrora, que convidam habitantes e forasteiros a uma experiência do que era viver na Idade Média. Não vão faltar as tendas com os vendedores dos mais variados tipos de artesanato, nomeadamente bijutaria, cristais, pedras, incensos, amuletos, cestaria, chás, licores, compotas, artesanato em pele, óleos, entre muitos outros artigos.  
Se tiver disponibilidade, faça uma visita à Feira Medieval de Viana do Castelo, pois vão ser vários os motivos de interesse.

Além da Praça da República, outras artérias do Centro Histórico de Viana já estão preparadas para receber a Feira Medieval. No entanto, não se entende que a Rua Grande (Veja AQUI a origem do nome desta Rua), uma das principais ruas do burgo da Viana Medieval e a maior dentro do circuito de muralhas na altura, não esteja, como tudo leva a crer e a exemplo de anos anteriores, contemplada para fazer parte da Feira Medieval deste ano, apesar da vontade de participar manifestada junto da(s) entidade(s) organizadora(s), por muitos dos comerciantes desta Rua.

Horário da Feira: Dia 16/06 - das 20h00 às 24h00. Dias 17 e 18/06 das 10h00 às 24h00. Dia 19/06 das 10h00 às 20h00.

(fotos tiradas ontem, 11.06.2016)






Comentários

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Escadório de Santa Luzia

A Basílica de Santa Luzia, situada no alto do monte com o mesmo nome, é o monumento mais conhecido e visitado da cidade de Viana do Castelo. Para lá chegar tem três opções: a estrada, o funicular ou o escadório. Quem optar pelo funicular, fará um percurso de 650 metros, vencendo um desnível de 160 metros, numa viagem com duração de aproximadamente 7 minutos. Quem se sentir atraído a ir a pé pelo escadório, terá que subir 659 degraus. Subir esta escadaria não é assim tão difícil, basta ir com calma, parando quando o cansaço aparecer. Veja algumas fotografias do escadório de Santa Luzia.

Em 2005 era assim...

O Campo d’Agonia / Campo do Castelo num passado não muito remoto. Fotos: Arquivo / Olhar Viana do Castelo

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Casa Brasileira a mais antiga confeitaria de Viana do Castelo

A fachada sóbria da “Casa Brasileira”, a mais antiga confeitaria da cidade de Viana do Castelo, “guarda” no seu interior verdadeiras delícias da doçaria tradicional. Fundada por emigrantes no Brasil, que a abriram precisamente no dia 22 de Março de 1902, no edifício onde ainda existe hoje, em pleno centro histórico da cidade, este estabelecimento citadino foi durante muitos anos um ícone dos doces típicos de Viana do Castelo. Mas, como em tudo na vida, esta confeitaria também teve os seus pontos altos e baixos. Os actuais proprietários, Sr. Norberto Martins e D. Maria Graça Ferreira, ex-emigrantes em França, quando em 2004 assumiram a direcção do estabelecimento, encontraram-no com uma deterioração que fazia esquecer os tempos dourados. Aos poucos, foram renovando o espaço e introduzindo nova doçaria de inspiração francesa que, juntamente com a confecção tradicional fez com que o espaço voltasse a ter a fama e a clientela que entretanto tinha perdido. Entre as especialidades serv

“Mictório” ao ar livre: o mau hábito de urinar na via pública

Esta estrutura situada no espaço relvado da Marina de Viana do Castelo, há muito tempo que é utilizada por algumas pessoas como “mictório” a céu aberto, tal é o mau cheiro que por vezes sente quem por lá passa. Este (mau) comportamento persiste, o que revela falta de civismo.