Avançar para o conteúdo principal

Feira de Artesanato abre portas hoje


A Feira de Artesanato da Romaria da Senhora d’Agonia tem lugar no Jardim Público da cidade de Viana do Castelo, e decorre entre os dias 6 e 21 de agosto. Estará aberta ao público das 16h00 às 24h00, e de 19 a 21 de Agosto das 10h00 às 24h00. 
São cerca de 100 artesãos locais (Concelho) e artesãos nacionais, que vão expor e vender até ao dia 21, artigos tão variados como bordados, bijuteria, rendas, louça, calçado, filigrana, cestaria, entre outros.
Esta XV Exposição/Feira de Artesanato Tradicional e Contemporâneo & Manualidades da Romaria da Senhora d’Agonia, instalada ao longo de 350 metros do jardim situado na frente ribeirinha da cidade, junto ao rio Lima, vai ter alguns artesãos a trabalhar ao vivo e inclui ainda animação musical.

Programa de Animação com início às 22H00:
Coreto do Jardim
Dia 6
Orquestra Ligeira Associação Musical Vila Nova de Anha
Dia 7
Cavaquinhos de Mujães
Dia 12
Orquestra de Sopro de Cordas de Outeiro
Dia 17
Serenata do Grupo de Danças e Cantares de Perre

Animação Itinerante
Dia 13
Tocata do Grupo de Alvarães
Dia 14
Tocata do Grupo de Danças e Cantares de Carreço

Praça 1º de Maio
Dia 18
Fados Grupo Desportivo e Cultural dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo

Comentários

  1. A designação bordado de Viana do Castelo atualmente obedece a regras.
    Os bordados identificam uma região. Para serem certificados e numerados são necessário uma série de regras a cumprir (Desenhos de flores ,crivos , cores , linhas a utilizar, etc )
    No entanto vê-se no mercado formas de contornar e confundir o " Controle " destes artigos.
    Aparecem etiquetas com a designação bordado manual de Viana, Bordado à maquina de Viana , Artesanato de Viana , e mais recente Artesanato de Portugal.

    ResponderEliminar
  2. O que se vê para aí !27 outubro, 2016 22:08

    Será normal ver uma artesã reconhecida com o estatuto de Artesão e de unidade Produtiva andar a revender artigos que supostamente nem são executados pela mesma. Apresenta a etiqueta " Bordado Manual de Viana ". Artigos bordados à máquina de Viana ". Estampados com a designação " Artesanato de Viana " .
    As peças manufaturadas certificadas garantem a genuína e autenticidade do produto.
    As designações referenciadas poem duvida muita coisa.
    No entanto no centro cívico podemos observar uma toalha numa montra de um logista. A toalha apresenta tonalidades e designe onde se pode analisar o seguinte:- As cores aplicadas neste tipo de trabalho bordado ,são aplicadas 3 cores vermelho, azul , branco cores estas que regularmente caracterizam as toalhas com a designação à regional. Mandam as " Regras do bom Bordado " que este tipo de bordado , apresente as três cores. Esta em especial fugiu á regra , uma cor não foi aplicada. A linha de cor utilizada não é cor vermelho cardinal , mas sim uma cor vermelho alaranjada. A linha não tem mercenarização , não tem brilho logo não tem qualidade.
    As toalhas para terem beleza devem apresentar crivos com abundancia . O bordado de viana carateriza-se por serie de pormenores onde são utilizadas flores: marias , camélias, corações onde predominam os abertos ou crivos.
    Como complemento aparecem as pastilhas, caracóis , ramos circulares mais fáceis de executar. As barras com espaços de crivo ou abertos são os elementos mais difíceis de executar porque são demorosos e mais trabalhosos. No entanto omitem-se duma forma habilidosa para acabar a peça rápida " Inventam-se flores e ramos compridos para preencher os espaços e a mão de obra ser mais diminuta.
    Dizem os " Expert" que é uma forma de inovar .
    Conversa, o característico mantém-se , não sofre alterações porque desta forma o genuíno deixa de ter valor.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Escadório de Santa Luzia

A Basílica de Santa Luzia, situada no alto do monte com o mesmo nome, é o monumento mais conhecido e visitado da cidade de Viana do Castelo. Para lá chegar tem três opções: a estrada, o funicular ou o escadório. Quem optar pelo funicular, fará um percurso de 650 metros, vencendo um desnível de 160 metros, numa viagem com duração de aproximadamente 7 minutos. Quem se sentir atraído a ir a pé pelo escadório, terá que subir 659 degraus. Subir esta escadaria não é assim tão difícil, basta ir com calma, parando quando o cansaço aparecer. Veja algumas fotografias do escadório de Santa Luzia.

Em 2005 era assim...

O Campo d’Agonia / Campo do Castelo num passado não muito remoto. Fotos: Arquivo / Olhar Viana do Castelo

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Casa Brasileira a mais antiga confeitaria de Viana do Castelo

A fachada sóbria da “Casa Brasileira”, a mais antiga confeitaria da cidade de Viana do Castelo, “guarda” no seu interior verdadeiras delícias da doçaria tradicional. Fundada por emigrantes no Brasil, que a abriram precisamente no dia 22 de Março de 1902, no edifício onde ainda existe hoje, em pleno centro histórico da cidade, este estabelecimento citadino foi durante muitos anos um ícone dos doces típicos de Viana do Castelo. Mas, como em tudo na vida, esta confeitaria também teve os seus pontos altos e baixos. Os actuais proprietários, Sr. Norberto Martins e D. Maria Graça Ferreira, ex-emigrantes em França, quando em 2004 assumiram a direcção do estabelecimento, encontraram-no com uma deterioração que fazia esquecer os tempos dourados. Aos poucos, foram renovando o espaço e introduzindo nova doçaria de inspiração francesa que, juntamente com a confecção tradicional fez com que o espaço voltasse a ter a fama e a clientela que entretanto tinha perdido. Entre as especialidades serv

VIANA | Convento de S. Francisco do Monte. Cinco séculos de história votados ao abandono

Desde muito novo que ouço falar do Convento de S. Francisco do Monte, mas nunca o tinha visitado. Na semana passada, na companhia de um amigo, pusemos pés ao caminho e fomos ao encontro do mítico convento. Isolado no meio da encosta do Monte de Santa Luzia, no Lugar de Abelheira, Viana do Castelo, para lá chegarmos foi necessário andar por caminhos pedregosos, com muito mato e de difícil acesso. Antes de chegarmos ao convento, mais ou menos a meio caminho, surge-nos um cruzeiro em granito, encimado por uma cruz. Percorridos mais alguns metros eis-nos em frente a um imponente Pórtico, no cimo do qual se encontram três imagens (S. Francisco, S. Pedro de Alcântara e Santo António). Apesar da entrada se encontrar vedada, olhando para o seu interior, a imagem que se nos depara é desoladora. Só se vê ruína, abandono e vandalismo. O que resta do convento são partes de algumas paredes que ainda se encontram de pé e pouco mais. Convento do século XIV está há vários anos à espera de ser