Avançar para o conteúdo principal

A Festa do Cinema Italiano chega terça-feira a Viana


O 8 ½ Festa do Cinema Italiano vai estar no Teatro Municipal Sá de Miranda, em Viana do Castelo, de 6 a 8 de setembro, com três produções cinematográficas italianas da última temporada.
No dia 6, terça-feira, às 21H30, a festa abre com o filme "8 ½" de Federico Fellini, uma das obras mais conhecidas dos cineastas italianos, numa cópia restaurada em digital.
Na quarta-feira, dia 7, é tempo de ver "Lo Chiamavano Jeeg Robot", de Gabriele Mainetti, pelas 21H30.
A festa termina na quinta-feira, dia 8, às 21H30, com o Le Cose Belle de Agostino Ferrante e Giovanni Piperno.



FELLINI 8½
Guido Anselmi é um famoso realizador à procura de descanso e um pouco de evasão numas famosas termas. Realidade e imaginação misturam-se na sua mente e o lugar que o deveria curar e relaxar enche-se das personagens que fazem parte da sua vida. No set abandonado do último filme, começam a reaparecer as personagens da sua vida: Guido, no meio deles com o megafone, dá ordens e todos obedecem em harmonia, de mãos dadas, formando uma cordão humano que desfila com alegria sob as notas das marchas dos gladiadores. Ganhou o Óscar de melhor filme estrangeiro em 1964. Apresentado na Festa do Cinema Italiano na sua versão restaurada.


O MEU NOME É JEEG ROBOT
Enzo entra em contacto com uma substância radioativa que lhe dá uma força sobre-humana. Fechado, introvertido e solitário, Enzo usa os seus novos superpoderes para a sua carreira de delinquente. Tudo muda quando encontra Alessia, uma rapariga instável que está convencida que Enzo é o famoso herói dos desenhos animados japoneses, JeegRobot. Enzo aprende o valor de ajudar os outros. Mas que preço terá de pagar para se transformar num herói? O filme mistura o fantástico com uma encenação crua e realista que surpreendeu público e críticos. O filme promete converter-se num filme de culto deste género cinematográfico.


LE COSE BELLE 
Filmado durante mais de dez anos, este documentário conta o cansaço e a beleza de crescer no Sul da Itália filmados através das histórias de quatro jovens, em dois momentos primordiais da sua existência: a adolescência na Nápoles cheia de esperança de 1999 e a idade adulta na cidade paralisada dos dias de hoje, actualizando as histórias e os rostos dos seus estrondosos protagonistas, "Le cose belle" é uma viagem inesquecível dentro do coração de Nápoles e de toda uma geração. Vencedor do prémio do público canais TVCine da passada edição da Festa do cinema italiano.

Comentários

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Escadório de Santa Luzia

A Basílica de Santa Luzia, situada no alto do monte com o mesmo nome, é o monumento mais conhecido e visitado da cidade de Viana do Castelo. Para lá chegar tem três opções: a estrada, o funicular ou o escadório. Quem optar pelo funicular, fará um percurso de 650 metros, vencendo um desnível de 160 metros, numa viagem com duração de aproximadamente 7 minutos. Quem se sentir atraído a ir a pé pelo escadório, terá que subir 659 degraus. Subir esta escadaria não é assim tão difícil, basta ir com calma, parando quando o cansaço aparecer. Veja algumas fotografias do escadório de Santa Luzia.

Em 2005 era assim...

O Campo d’Agonia / Campo do Castelo num passado não muito remoto. Fotos: Arquivo / Olhar Viana do Castelo

“Mictório” ao ar livre: o mau hábito de urinar na via pública

Esta estrutura situada no espaço relvado da Marina de Viana do Castelo, há muito tempo que é utilizada por algumas pessoas como “mictório” a céu aberto, tal é o mau cheiro que por vezes sente quem por lá passa. Este (mau) comportamento persiste, o que revela falta de civismo.

Casa Brasileira a mais antiga confeitaria de Viana do Castelo

A fachada sóbria da “Casa Brasileira”, a mais antiga confeitaria da cidade de Viana do Castelo, “guarda” no seu interior verdadeiras delícias da doçaria tradicional. Fundada por emigrantes no Brasil, que a abriram precisamente no dia 22 de Março de 1902, no edifício onde ainda existe hoje, em pleno centro histórico da cidade, este estabelecimento citadino foi durante muitos anos um ícone dos doces típicos de Viana do Castelo. Mas, como em tudo na vida, esta confeitaria também teve os seus pontos altos e baixos. Os actuais proprietários, Sr. Norberto Martins e D. Maria Graça Ferreira, ex-emigrantes em França, quando em 2004 assumiram a direcção do estabelecimento, encontraram-no com uma deterioração que fazia esquecer os tempos dourados. Aos poucos, foram renovando o espaço e introduzindo nova doçaria de inspiração francesa que, juntamente com a confecção tradicional fez com que o espaço voltasse a ter a fama e a clientela que entretanto tinha perdido. Entre as especialidades serv

VIANA | Convento de S. Francisco do Monte. Cinco séculos de história votados ao abandono

Desde muito novo que ouço falar do Convento de S. Francisco do Monte, mas nunca o tinha visitado. Na semana passada, na companhia de um amigo, pusemos pés ao caminho e fomos ao encontro do mítico convento. Isolado no meio da encosta do Monte de Santa Luzia, no Lugar de Abelheira, Viana do Castelo, para lá chegarmos foi necessário andar por caminhos pedregosos, com muito mato e de difícil acesso. Antes de chegarmos ao convento, mais ou menos a meio caminho, surge-nos um cruzeiro em granito, encimado por uma cruz. Percorridos mais alguns metros eis-nos em frente a um imponente Pórtico, no cimo do qual se encontram três imagens (S. Francisco, S. Pedro de Alcântara e Santo António). Apesar da entrada se encontrar vedada, olhando para o seu interior, a imagem que se nos depara é desoladora. Só se vê ruína, abandono e vandalismo. O que resta do convento são partes de algumas paredes que ainda se encontram de pé e pouco mais. Convento do século XIV está há vários anos à espera de ser