Avançar para o conteúdo principal

José Rodrigues, escultor de obras em Viana, morre aos 79 anos

Conhecido por ter criado diversas obras em espaços públicos portugueses, ter sido um dos fundadores da Cooperativa Cultural Árvore, no Porto, e um dos promotores da Bienal de Vila Nova de Cerveira, morreu no passado sábado (10). O artista nasceu em Angola, a 28 de outubro de 1936 (tinha 79 anos). 
Entre as suas obras na cidade de Viana do Castelo estão o “Monumento ao 25 de Abril”, o “Monumento ao Caramuru” e o “Monumento ao Pescador”. 

O Monumento ao 25 de Abril
Erguido na Praça da Liberdade, em Viana do Castelo, foi inaugurado na noite de 24 para 25 de Abril de 1999, altura do 25º aniversário da “Revolução dos Cravos”. É da autoria do escultor José Rodrigues, mede 16 metros de altura e 7,5 de largura. Feito em chapa de aço, coberta por uma camada exterior ferruginosa que o protege da corrosão.

Monumento ao 25 de Abril, Viana do Castelo
Monumento ao Caramuru 
Conjunto escultórico implantado na Praça da República, da autoria do Mestre José Rodrigues, inaugurado em 01 de Janeiro de 2009, representando o vianense Caramuru e a sua mulher Paraguaçú. Caramuru, recorde-se, foi um destemido navegador que naufragou na Bahia de Todos os Santos, no Brasil, em 1508, e que está intimamente ligado à história daquele país. Quando, a seguir ao naufrágio, usou a sua arma de fogo e matou um pássaro, surpreendeu de tal modo os índios que estes lhe atribuíram poderes divinos. Casou depois com a filha do chefe da tribo Tupinambá, Paraguaçu, tendo tido grande influência quer na miscigenação que caracteriza a nação brasileira quer no acolhimento dos portugueses em terras de Vera Cruz. 

Monumento ao Caramuru, Viana do Castelo
Monumento ao Pescador 
Este monumento, que pretende homenagear a classe piscatória, é da autoria do escultor José Rodrigues e foi inaugurado em Dezembro de 1989. É composto por uma peça de bronze assente numa taça, com movimentos alusivos ao labor do mar e encontra-se implantado na rotunda do Campo da Agonia.

Monumento ao Pescador, Viana do Castelo

Comentários

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Olha que três!

Esta foto tem a particularidade de permitir contemplar um dos mais belos enquadramentos arquitetónicos da cidade. O Chafariz-Estátua de Viana, no seu enfiamento, num plano superior a Capela das Malheiras e no alto do monte de Santa Luzia, o Santuário do Sagrado Coração de Jesus (Templo de Santa Luzia).

LIRATOV: O Artista Urbano do Azulejo que ninguém sabe quem é

As dezenas de trabalhos que vai deixando nos mais inesperados locais da cidade de Viana do Castelo e noutras localidades, estão a tornar famoso este artista anónimo. Apesar de manter essa faceta de clandestinidade tem uma página na rede social Instagram ( AQUI ), onde vai partilhando fotografias das suas obras. As fotografias aqui apresentadas, são os últimos trabalhos descobertos recentemente por mim na cidade, executados por LIRATOV, o artista que (quase) ninguém sabe quem ele é.

Bom dia, Viana do Castelo!

Embarcações de pesca e de turismo lado a lado, com o sempre presente navio-museu Gil Eannes, na antiga doca comercial de Viana do Castelo. 

Andando por aí...