Avançar para o conteúdo principal

VIANA | Hotel geriátrico instala-se em casa do século XVIII

Uma casa do século XVIII, em pleno centro histórico de Viana do Castelo, abriu portas como hotel geriátrico de 5 estrelas, o primeiro no Alto Minho, num investimento de seis milhões de euros. 
Com capacidade para acolher 45 hóspedes, o equipamento, licenciado como ERPI (Estrutura Residencial para Idosos) tem, "neste momento, uma taxa de ocupação de cerca de 40%, a maior parte de Viana do Castelo". 
"Além do mercado local, onde a taxa de ocupação inicial está dentro das expectativas, pretendemos, rapidamente, alargar a nossa oferta ao mercado nacional e, sobretudo, ao mercado internacional, em especial aos países nórdicos. Através do estabelecimento de parcerias e desenvolvimento do nosso conceito enquanto produto turístico inovador e diferenciado", afirma Andreia Ferreira directora da nova unidade hoteleira. 
A abertura do hotel  - HG Residences - criou "18 postos de trabalho directos e cerca de quatro indirectos", número que "será ajustado à evolução da taxa de ocupação até total de 28 colaboradores, entre pessoal auxiliar e técnicos especializados na área da geriatria. 
O equipamento, que incluiu a reabilitação de um edifício emblemático em pleno centro histórico da cidade, datado do século XVIII, e a construção de um outro de apoio, dispõe de 25 quartos, individuais, de casal e duplos, representando um alojamento total previsto de 45 utentes. Os preços dos quartos oscilam entre os 1.400 e os 2.800 euros, dependendo da localização. 
Vocacionado para idosos "com poder de compra médio/ alto", a unidade hoteleira, conhecida localmente como a Casa dos Malafaias, dispõe de "serviços que um hotel comum presta aos clientes com a vantagem de ter associado serviços de apoio geriátrico". 
A unidade, que "levou dez anos a concretizar, desde a concepção até ao licenciamento" representou um investimento de "seis milhões de euros e não beneficiou de nenhum financiamento comunitário".
O investimento total beneficiou de uma isenção de Imposto Municipal sobre a Transmissão Onerosa de Imóveis (IMT) e de uma redução, em 50%, das taxas municipais por se tratar de uma intervenção de regeneração urbana de um imóvel situado no centro histórico de Viana do Castelo reabilitação concedidos pela Câmara Municipal.

Notícia da Agência LUSA (2017.02.06)

Saiba mais AQUI.

Hotel HG Residences, Viana do Castelo 

Hotel HG Residences, Viana do Castelo 

Hotel HG Residences, Viana do Castelo 

Hotel HG Residences, Viana do Castelo 

Hotel HG Residences, Viana do Castelo 

Hotel HG Residences, Viana do Castelo 

Hotel HG Residences, Viana do Castelo 

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Monumento a Viana do Castelo…

A dar as boas vindas a quem chega a Viana do Castelo pelo mar.

Mordoma do cartaz da Romaria d’Agonia 2024 escolhida por concurso

Pela primeira vez na história da Romaria d’Agonia a mordoma do cartaz que leva a maior festa popular portuguesa a todo o mundo será selecionada por um júri entre 20 finalistas, todas elas escolhidas entre as concorrentes, abrindo assim espaço para mulheres com idades entre os 18 e os 35 anos participarem. “Qualquer mulher que sinta a nossa Romaria pode concorrer e pode aspirar a ser a mordoma da festa. É uma inovação que introduzimos este ano, pensando em todas as jovens mulheres que alimentam este sonho”, explicou Manuel Vitorino, presidente da VianaFestas, a entidade organizadora das festas da cidade. O novo regulamento para escolha do cartaz da Romaria de Nossa Senhora d’Agonia vai ser implementado este ano e substitui o modelo anterior, de concurso promovido, que estava em vigor desde 2011, e que implicava escolher o conjunto do autor, do cartaz e da mordoma. No formato para a definição do cartaz da Romaria a estrear este ano, o mesmo passa a contemplar três fases, com qualquer mul

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Escadório de Santa Luzia

A Basílica de Santa Luzia, situada no alto do monte com o mesmo nome, é o monumento mais conhecido e visitado da cidade de Viana do Castelo. Para lá chegar tem três opções: a estrada, o funicular ou o escadório. Quem optar pelo funicular, fará um percurso de 650 metros, vencendo um desnível de 160 metros, numa viagem com duração de aproximadamente 7 minutos. Quem se sentir atraído a ir a pé pelo escadório, terá que subir 659 degraus. Subir esta escadaria não é assim tão difícil, basta ir com calma, parando quando o cansaço aparecer. Veja algumas fotografias do escadório de Santa Luzia.

Escrito na Pedra há cerca de 367 anos

No pano da muralha do Castelo de Santiago da Barra, em Viana do Castelo, há uma inscrição gravada numa pedra com a data de 19 de Novembro de 1657, que se apaga a cada dia que passa. Se não houver uma intervenção urgente de limpeza (reavivar as letras) e preservação, é um pedaço da história de Viana que se apagará definitivamente. O que está lá escrito (texto retirado da Revista Cadernos Vianenses, 40, 2007): " Por mandado de Sua Majestade, seja notório às embarcações portuguesas, que passarem por esta fortaleza, que nem à entrada neste Porto, nem à saída delle me devem salário, propina, nem direito algum, nem a ella, nem a nenhuma das pessoas, que nella servem e às embarcações estrangeiras, seja notório, que por entrada não me devem também coisa alguma e à saída ande pagar um cruzado por cada embarcação e nenhuma outra cousa mais. Lisboa, XIX de novembro, MDCLVII. "