Avançar para o conteúdo principal

A relação amor-ódio de Viana com o Prédio Coutinho está à beira do fim


Quando foi construído, na década de 1970, o Edifício Jardim, vulgarmente conhecido por prédio Coutinho, foi considerado um ícone de modernidade e progresso. Em 2000, a câmara de Viana do Castelo propôs, ao abrigo do Programa Polis, a demolição do prédio, considerando-o um “mamarracho” que desfigura a linha urbanística do centro histórico da cidade. Para o local está prevista a construção do novo Mercado Municipal. Neste edifício de 13 andares, onde chegaram a morar 300 pessoas, restam agora 14, que não abdicam do seu direito de propriedade e da casa que construíram para passar o resto da vida. Uma disputa que dura há 18 anos.

Clique AQUI e veja o artigo completo publicado no Jornal Público de 2018.01.28

Comentários

  1. Que mais não seja pelo exemplo que dá, esta demolição tem de ser feita! É uma luta entre o civismo e a corrupção a que os moradores são alheios!

    ResponderEliminar
  2. Ver prédio em Viana página 6 .
    Assunto O prédio Coutinho / Blasfémias

    ResponderEliminar
  3. Vejam por favor noticia no Minho Digital de 9 de fevereiro de 2018 .
    O que aconteceu nesta quarta- feira 8 de Ferereiro de 2018 e a trágédia que podia acontecer !
    Como estão a ser humilhados e desrespeitados nos seus direitos os cidadãos e atuais residentes moradores do Prédio do Coutinho.
    A pressão psicológica , constante , são as armas que utilizam para pressionar a saída. Tudo vale , o arrastar de objetos e bens para causar efeito a cargo de funcionários. O barulho enturcedor , o elevador constantemente interrompido.
    Fragilizam as pessoas idosas , doentes, com cartas, missivas. Ora é em Janeiro , ora é em Março . Há janelas em apartamentos abertas propositadamente , simplesmente para quê ? Para que a temperatura nas fraçções sejam baixas . Há 18 anos que tentam humilhar as pessoas de toda a forma com o objetivo único , de as por fora dos apartamentos .

    ResponderEliminar
  4. Coisas que a cidade deve saber, a região. e o País.15 fevereiro, 2018 16:52

    Aconselho o " Capitão " a ler noticia sobre " Autor de projeto para o mercado de Viana indignado com a Câmara " no Jornal Publico , de 15 de fevereiro de 2018.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha má relação com o prédio Coutinho tem a ver com a sua volumetria dentro da zona histórica da cidade, pois gostaria de assistir à requalificação das suas habitações, de modo a aumentar significativamente a população residente.
      Prevejo que num futuro próximo se irão criar progressivas dificuldades à circulação automóvel no interior da cidade e que o transporte público será melhorado.
      Quanto aos projectos para o mercado, cumpre à autarquia definir se o que está aprovado cumpre os objectivos actuais, se pode ser alterado de modo a cumpri-los ou se há necessidade de outro projecto.
      Eu "quero acreditar" que, dentro da Câmara, o assunto foi devidamente discutido.
      É uma Fé!

      Eliminar
  5. Quem é que vai acreditar nisso ! O que se diz hoje não vale amanhã . Alcochete também era um local sensível , no entanto criou-se formas de concretizar o projeto passando por tudo do mais elementar.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Escadório de Santa Luzia

A Basílica de Santa Luzia, situada no alto do monte com o mesmo nome, é o monumento mais conhecido e visitado da cidade de Viana do Castelo. Para lá chegar tem três opções: a estrada, o funicular ou o escadório. Quem optar pelo funicular, fará um percurso de 650 metros, vencendo um desnível de 160 metros, numa viagem com duração de aproximadamente 7 minutos. Quem se sentir atraído a ir a pé pelo escadório, terá que subir 659 degraus. Subir esta escadaria não é assim tão difícil, basta ir com calma, parando quando o cansaço aparecer. Veja algumas fotografias do escadório de Santa Luzia.

Em 2005 era assim...

O Campo d’Agonia / Campo do Castelo num passado não muito remoto. Fotos: Arquivo / Olhar Viana do Castelo

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Casa Brasileira a mais antiga confeitaria de Viana do Castelo

A fachada sóbria da “Casa Brasileira”, a mais antiga confeitaria da cidade de Viana do Castelo, “guarda” no seu interior verdadeiras delícias da doçaria tradicional. Fundada por emigrantes no Brasil, que a abriram precisamente no dia 22 de Março de 1902, no edifício onde ainda existe hoje, em pleno centro histórico da cidade, este estabelecimento citadino foi durante muitos anos um ícone dos doces típicos de Viana do Castelo. Mas, como em tudo na vida, esta confeitaria também teve os seus pontos altos e baixos. Os actuais proprietários, Sr. Norberto Martins e D. Maria Graça Ferreira, ex-emigrantes em França, quando em 2004 assumiram a direcção do estabelecimento, encontraram-no com uma deterioração que fazia esquecer os tempos dourados. Aos poucos, foram renovando o espaço e introduzindo nova doçaria de inspiração francesa que, juntamente com a confecção tradicional fez com que o espaço voltasse a ter a fama e a clientela que entretanto tinha perdido. Entre as especialidades serv

“Mictório” ao ar livre: o mau hábito de urinar na via pública

Esta estrutura situada no espaço relvado da Marina de Viana do Castelo, há muito tempo que é utilizada por algumas pessoas como “mictório” a céu aberto, tal é o mau cheiro que por vezes sente quem por lá passa. Este (mau) comportamento persiste, o que revela falta de civismo.