Avançar para o conteúdo principal

Rua da minha cidade

RUA JOÃO TOMÁS DA COSTA  
Rua da zona histórica, entre a Alameda 5 de Outubro e a Avenida Camões, chamada antigamente Largo de Pombal e, ainda recentemente, Largo João Tomás da Costa. Esta rua, das mais airosas da cidade por ficar a ladear o Jardim Público Marginal, presta homenagem ao general e conselheiro de Estado João Tomás da Costa. 

QUEM FOI JOÃO TOMÁS DA COSTA? 
Nascido em Faro em 1835 e falecido em Viana do Castelo em 1909, protagonizou uma carreira militar brilhante. João Tomás da Costa fixou residência nesta cidade, onde casou, lhe nasceu a sua única filha e viveu até à morte. Foi durante largos anos Diretor de Obras Públicas do Distrito, desenvolvendo uma profícua atividade que contribuiu significativamente para o desenvolvimento da região, salientando-se nessa ação as importantes obras executadas no porto de mar.


Comentários

  1. Foi também Presidente dos Bombeiros Voluntários de Viana do Castelo, entre 1881 e 1890, grande impulsionador da problemática de socorros a náufragos em Viana, tendo editado livro sobre como utilizar meios de salvamento.

    ResponderEliminar
  2. Presidente da Direcção da Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Viana do Castelo, entre os anos 1881 e 1894.
    Uma tragédia abala Viana em 16-01-1883, o navio inglês ZERLINE, naufraga à entrada do nosso porto, por falta de meios adequados e atendendo à violência do temporal, de terra nada se pode fazer, e a criação do Instituto de Socorros a Náufragos só viria a ser criado em 21-01-1892, no entanto e por arrojo de João Thomaz da Costa, abalança-se a arrancar com a organização de uma estação de socorros a náufragos, chegando à conclusão que seriam necessários 3 contos de reis para montar uma estação com um barco salva vidas e um aparelho de lançar cabos.

    Através de diversos empenhos, conseguiu verbas das Cortes, da Associação, até da Rainha, e encomenda aos Estaleiros de Mr. Augustin Normand, no Havre, em França a construção de um barco próprio por 9.000 francos, o barco é entregue em Viana em 23-05-1884, (este barco veio posteriormente a ser baptizado com o nome de João Thomaz da Costa. Homem de uma modéstia irrepreensível, recusou que colocassem um retrato dele na estação de socorros a náufragos, ameaçando demitir-se se o fizessem.

    Em 1885 monta na Praia do Cabedelo um posto de socorros aos banhistas, que no ano seguinte já terá uma canoa e uma barraca de abrigo, (admirável proeza, 24 anos antes do primeiro posto de praia do I.S.N.). ainda nesse ano é adquirida uma peça de bronze (canhão) em Nova Iorque com todo o aparelho porta-cabos e 10 projécteis torneados, (haveria de se tornar histórica, ex: caso Veronese 1913).

    Em 1887 edita um Manual de Instrucções e Manobras para Prestar Socorros a Naufragos.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Seis pirogas encontradas no rio Lima em Viana do Castelo classificadas "tesouro nacional"

  O Governo aprovou hoje, em Conselho de Ministros, o decreto que classifica, como conjunto de interesse nacional diversos bens móveis arqueológicos náuticos e subaquáticos, sendo-lhes atribuída a designação de "tesouro nacional": as seis pirogas monóxilas provenientes de recolha arqueológica subaquática realizada no rio Lima, em Viana do Castelo; os três astrolábios provenientes de recolha arqueológica subaquática realizada em São Julião da Barra, e os dez canhões provenientes de recolha arqueológica subaquática, realizada na Ponta do Altar. As pirogas monóxilas são embarcações construídas a partir de um único tronco de árvore, neste caso de carvalho. Este conjunto apresenta um interesse arqueológico e patrimonial muito relevante enquanto testemunho notável da navegação em Portugal, e da travessia do Rio Lima em particular, desde a Idade do Ferro até à Baixa Idade Média. A dimensão do conjunto e de cada exemplar (uma delas com quase 7m de comprimento), o seu estado de conser

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Carnaval sem desfile tradicional mas com várias iniciativas para celebrar

Em Viana do Castelo, apesar da não realização do tradicional desfile e, para manter o espírito “folião”, o Carnaval vai festejar-se durante cinco dias (17 a 21 de fevereiro) marcados por DJ’s na Praça da República, concurso de máscaras, animação, motivos alegóricos na Praça da República, entre outras iniciativas. PROGRAMA 17 DE FEVEREIRO (sexta-feira) > 10h00 – 13h00 / 14h00 – 20h00 | Viagem de comboio turístico (para crianças) > 11h00 | Dança de Hip-Hop (Ana Coelho) > 10h00 – 13h00 | Dança e construção de fitas de dança criativa 18 DE FEVEREIRO (sábado) > 10h00 – 13h00 / 14h00 – 20h00 | Viagem de comboio turístico (para crianças) > 11h00 | Aula de Dancehall (Eduarda Silva) > 17H30 | 1º Edição da Corrida de Carnaval > 16h00 – 19h00 | Animação infantil (atelier de adereços de carnaval – espadas e varinhas de condão) > 22H00 | Concurso de Máscaras > 22H00 | DJ’s na Praça da República 19 DE FEVEREIRO (domingo) > 10h00 – 13h00 / 14h00 – 20h00 | Viagem de combo

Viana de Outros Tempos

Assim era a Praça da República nos anos 60 do século XX. Espólio de Severino Costa | Arquivo Municipal de Viana do Castelo

Olha que três!

Esta foto tem a particularidade de permitir contemplar um dos mais belos enquadramentos arquitetónicos da cidade. O Chafariz-Estátua de Viana, no seu enfiamento, num plano superior a Capela das Malheiras e no alto do monte de Santa Luzia, o Santuário do Sagrado Coração de Jesus (Templo de Santa Luzia).