Avançar para o conteúdo principal

Muito mudou na forma como a água chega às casas dos vianenses

Quando a rede de água domiciliária era inexistente, foi durante vários séculos o Chafariz da Praça da República de Viana do Castelo que serviu para abastecer de água a população vianense, dando-lhe algum bem estar.

Chafariz da Praça da República (Séc. XVI)   
Foi construído, ou pelo menos concluído em 1559, sendo obra do mestre canteiro João Lopes "o velho", o mesmo que alguns anos antes executara o chafariz de Caminha e, muito provavelmente, alguns dos chafarizes semelhantes que podemos encontrar em cidades galegas como Pontevedra. Foi durante vários séculos o ponto de abastecimento de água potável da população vianense e, pela sua monumentalidade e localização, uma das referências urbanas do burgo.  


População de Viana a abastecer-se de água no Chafariz da Praça

Comentários

  1. Curioso notar que as vestimentas da época são bem diferentes do que muitas vezes se apregoa .Gente simples , modesta , usava aquilo que estava ao seu alcance.
    O vestuário era constituído por roupas sóbrias .O calçado era um luxo. O ouro era uma miragem .
    O estudo sobre o vestuário do homem e da mulher citadina ainda está por fazer !

    ResponderEliminar
  2. Nesta foto do inicio do século XX podemos verificar , que a mulher da cidade não apresenta vestes como regularmente se conta por aí.
    O calçado era um luxo e o ouro uma miragem.
    Roupas simples e sóbrias eram as vestes que regularmente usava a mulher do povo. O lenço era
    usado , como protecção ao sol e frio .
    O levantamento das vestes da mulher citadina ainda está por investigar e não há estudos ainda feitos sobre esta matéria.

    ResponderEliminar
  3. As Vianesas que se apresentam junto ao antigo chafariz apresentam-se com trajes sóbrias , e simples . A mulher do povo apresenta -se com saias compridas .Os xailes grossos aconchegavam o corpo.Os cachines protegiam-na do frio.
    O calçado era só para ricos . O ouro era uma miragem .
    Esta foto foi tirada no inicio do século XX e dá-nos uma ideia bem diferente como as pessoas trajavam na vida diária.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Corte de árvore no Jardim Público

Talvez por se encontrar com problemas, e no sentido de garantir maior segurança aos utentes do Jardim Público Marginal da cidade de Viana do Castelo, está a ser cortada uma árvore de grande porte. Neste que é o espaço verde mais antigo da cidade, datado de 1881, existem mais de 150 árvores, na sua maioria tílias.

Campo de girassóis chama a atenção em Carreço (Viana)

Um extenso campo de girassóis pinta de amarelo a paisagem na Veiga de Carreço (Viana do Castelo), junto à estrada Nacional 13. Para quem passa por ali é difícil ficar indiferente à imensidão de flores que encanta qualquer um. A beleza é tanta que não falta quem pare por alguns minutos para observar os girassóis e aproveite a paisagem como cenário para tirar algumas fotografias.

Escadório de Santa Luzia

A Basílica de Santa Luzia, situada no alto do monte com o mesmo nome, é o monumento mais conhecido e visitado da cidade de Viana do Castelo. Para lá chegar tem três opções: a estrada, o funicular ou o escadório. Quem optar pelo funicular, fará um percurso de 650 metros, vencendo um desnível de 160 metros, numa viagem com duração de aproximadamente 7 minutos. Quem se sentir atraído a ir a pé pelo escadório, terá que subir 659 degraus. Subir esta escadaria não é assim tão difícil, basta ir com calma, parando quando o cansaço aparecer. Veja algumas fotografias do escadório de Santa Luzia.

Quem vai ao mar avia-se em terra

Tripulação do “Santa Luzia no Monte” no porto de pesca de Viana do Castelo, a preparar os covos para uma próxima saída para a faina.