VIANA | Fagundes prestes a ter a dignidade e a atratividade que merece

As obras de requalificação da envolvente à Estátua de João Alvares Fagundes, junto ao Navio Museu Gil Eannes, estão prestes a concluir-se. A estátua que perpetua a memória deste navegador vianense, capitão da Terra Nova (Canadá) e descobridor das Ilhas do Bacalhau, está no atual local desde fevereiro de 2004.
Inserida num parque de estacionamento automóvel, rodeada de viaturas, parecia estar ali abandonada, situação que não dava ao monumento a dignidade que ele merece.
Recorde-se que esta estátua, antes da localização atual, encontrava-se desde o ano de 1958 erguida junto ao Jardim Publico Marginal onde se manteve até 1991, altura em que foi deslocada para uma área de terreno conquistada ao rio Lima, em frente ao antigo edifício da alfândega.

JOÃO ÁLVARES FAGUNDES – O Capitão da Terra Nova 
“Natural de Viana, filho de Álvaro Anes Fagundes, deve ter nascido por volta de 1470, em plena época dos descobrimentos. 
A Viagem de João Álvares Fagundes, de que há conhecimento certo, “deve ter sido realizada de Abril a Outubro de 1520” (data referida no pedestal da sua estátua existente em Viana do Castelo, junto ao Rio Lima). 
Faleceu cerca do ano de 1522 e está sepultado na Sé Catedral de Viana do Castelo, na capela do Santo Cristo. 
Por sua morte, D. João III, por alvará régio de 9 de Setembro de 1527, deu fôro de nobreza e carta de brasão a seu sobrinho Pêro Pinto em quem honrava os feitos marítimos de seu tio, João Álvares Fagundes. 
Fagundes teve uma parte na exploração da costa da América Britânica muito maior do que até aqui tem sido admitido ou apreciado,…”

(clique na imagem para ver em modo de ecrã inteiro)






Espaço antes da requalificação em curso

Área abrangida pela requalificação em curso

Primeira localização da Estátua de Fagundes, no Jardim Público

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Geoparque Litoral de Viana do Castelo já tem aplicação móvel e sítio na internet

Praça de Touros de Viana: Processo de demolição quase concluído

Para memória futura

Politécnico estuda com Câmara destino de convento abandonado em Viana do Castelo