Avançar para o conteúdo principal

A transformação de um antigo armazém em edifício de luxo

Voltado para a antiga doca comercial, em pleno coração da cidade de Viana do Castelo, o edifício do antigo armazém da Quimigal Adubos, devoluto, degradado e sem utilização há cerca de trinta anos, vai ser demolido e no seu lugar nascerá um edifício de luxo.
Vai chamar-se edifício Marina, terá 22 apartamentos e duas lojas comerciais. A obra, cujo investimento ronda os 10 milhões de euros, está prevista iniciar-se em setembro ou outubro de 2019.

Comentários

  1. Na Avenida dos Combatentes tem apartamentos T3 - 450.000.00 euros .
    No Edifício Jardim oferecem por T3 - 140.000.00 euros
    No parque da cidade é só milhões.
    Digam lá que raio de negócio opera nesta terra.

    ResponderEliminar
  2. Parece mais um caixote , em forma de C do que um U . Implantado numa zona histórica da cidade , junto a uma Capela antiga e emblemática das Gentes da Ribeira .
    Outrora no inicio do Século XX ,existiu um espaço verde " Jardim Publico ", neste preciso local .
    A capela penso , que se trata da Capela Sta Catarina , padroeira dos pescadores.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cátia Ferreira09 junho, 2019 11:16

      " ... que se trata da Capela Sta Catarina , padroeira dos pescadores", Padroeira dos pescadores?
      Nossa Senhora da Agonia, é a padroeira dos pescadores de Viana do Castelo.
      O "Anónimo" nem parece que seja da cidade de Viana, para não saber quem é a padroeira dos pescadores da cidade de Viana do Castelo.
      Sabe que existiu um espaço verde no início do séc. XX, onde refere mas não sabe que é na Igreja da Senhora D’Agonia, que se venera a N.S. D’Agonia, padroeira dos pescadores e marinheiros de Viana do Castelo.

      Eliminar
  3. No tempo da minha avò não havia nada disto .10 junho, 2019 10:47

    Se preservam o ambiente , o bem estar , a natureza , o centro histórico ,porque não se repõem o Jardim Público que já existiu no local ?
    Vejam os postais ilustrados do editor " Couto Viana "dos anos 20.
    O local era um local de lazer para todo aquele casario envolvente.

    ResponderEliminar
  4. Para quê publicidade, e é do conhecimento geral, a uma empresa falida?

    ResponderEliminar
  5. Mais um mono a implantar na cidade, na zona ribeirinha !

    ResponderEliminar
  6. O retornado está a fazer mal à minha família.
    Não tenho culpa que lhe espoliassem os bens.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Bom Dia Viana do Castelo

Iates na antiga doca comercial onde, presentemente, se encontra ancorado o navio museu Gil Eannes.  A reconversão desta antiga doca comercial numa marina atlântica está prevista há vários anos, mas tarda em concretizar-se. Com cerca de 477 metros de comprimento e 100 de largura, com a reabilitação prevista, a referida doca (futura Marina Atlântica) passará a ter capacidade para receber embarcações de recreio de maior dimensão.

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

PRAÇA DE TOUROS | Anteprojeto de reconversão

A construção de uma pista de atletismo a dez metros de altura, com 200 metros de extensão e vista panorâmica é uma das valências do 'campus' desportivo que vai nascer na antiga praça de touros de Viana do Castelo.  Em declarações hoje à agência Lusa, a propósito da conclusão do anteprojeto de reconversão da antiga praça de touros em 'campus' desportivo, o presidente da Câmara revelou que a infraestrutura, a criar no exterior e abrangendo todo o perímetro do edifício, poderá ser utilizada por atletas e pela população para "jogging, atletismo, caminhadas entre outras atividades de manutenção física".  A pista "será coberta", permitindo a sua utilização "mesmo em condições climatéricas adversas" e está integrada no projeto para reconversão da antiga praça de touros, um investimento de 2,5 milhões de euros que vai a concurso em abril de 2017 e que prevê a transformação da antiga arena, desativada há cerca de sete anos desde que cidade se d

Escadório de Santa Luzia

A Basílica de Santa Luzia, situada no alto do monte com o mesmo nome, é o monumento mais conhecido e visitado da cidade de Viana do Castelo. Para lá chegar tem três opções: a estrada, o funicular ou o escadório. Quem optar pelo funicular, fará um percurso de 650 metros, vencendo um desnível de 160 metros, numa viagem com duração de aproximadamente 7 minutos. Quem se sentir atraído a ir a pé pelo escadório, terá que subir 659 degraus. Subir esta escadaria não é assim tão difícil, basta ir com calma, parando quando o cansaço aparecer. Veja algumas fotografias do escadório de Santa Luzia.

Casa Brasileira a mais antiga confeitaria de Viana do Castelo

A fachada sóbria da “Casa Brasileira”, a mais antiga confeitaria da cidade de Viana do Castelo, “guarda” no seu interior verdadeiras delícias da doçaria tradicional. Fundada por emigrantes no Brasil, que a abriram precisamente no dia 22 de Março de 1902, no edifício onde ainda existe hoje, em pleno centro histórico da cidade, este estabelecimento citadino foi durante muitos anos um ícone dos doces típicos de Viana do Castelo. Mas, como em tudo na vida, esta confeitaria também teve os seus pontos altos e baixos. Os actuais proprietários, Sr. Norberto Martins e D. Maria Graça Ferreira, ex-emigrantes em França, quando em 2004 assumiram a direcção do estabelecimento, encontraram-no com uma deterioração que fazia esquecer os tempos dourados. Aos poucos, foram renovando o espaço e introduzindo nova doçaria de inspiração francesa que, juntamente com a confecção tradicional fez com que o espaço voltasse a ter a fama e a clientela que entretanto tinha perdido. Entre as especialidades serv