Avançar para o conteúdo principal

Foi há 6 anos!

Localizado na frente ribeirinha da cidade, o Centro Cultural de Viana do Castelo foi inaugurado há seis anos. A 14 de Julho de 2013, Viana do Castelo passava a contar com um espaço de referência, vocacionado para eventos culturais e desportivos. Começou a ser construído em 2008 e custou 13,1 milhões de euros.

O Centro Cultural de Viana do Castelo é um projeto da autoria do arquiteto Souto Moura. Inicialmente designado de Coliseu, passou para pavilhão multiusos e finalmente Centro Cultural de Viana do Castelo. É constituído por três pisos e tem uma área de implantação de 3.792 m2. No piso -1 está inserido o recinto de jogo e o acesso às bancadas laterais. O piso 0 destaca-se pelo vidro utilizado, que garante a transparência entre a cidade, o rio e o interior do próprio edifício. E por último no Piso 1 encontram-se as cabines cénicas e os espaços administrativos. Está preparado para acolher eventos de grande dimensão como provas desportivas, festivais de música, concertos, cinema, congressos, exposições e feiras.

Algumas fotografias do Centro Cultural de Viana do Castelo captadas ao longo destes seis anos de existência
(clique na imagem para ver em modo de ecrã inteiro)
















Comentários

  1. Com péssima acústica para concertos e desconfortável para quem assiste. Muito discutível o local de implantação. A demolir daqui a umas dezenas de anos, lamentando os 13,1 milhões que custou a obra?...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Viana de Outros Tempos

Assim era a Praça da República nos anos 60 do século XX. Espólio de Severino Costa | Arquivo Municipal de Viana do Castelo

Projeto alemão de energia eólica offshore previsto para Viana “chumbado” pelo governo

A BayWa, gigante alemã das energias renováveis, tinha apresentado ao governo português um projeto de cerca de 2,5 mil milhões de euros de investimento, na instalação de um parque eólico flutuante com 30 turbinas, com uma capacidade instalada de até 600 megawatts (MW), ao largo de Viana do Castelo (na Zona Piloto onde já se encontram instaladas as três turbinas que constituem o parque eólico offshore WindFloat Atlantic). O Governo diz que o projeto só é viável noutra área marítima dedicada às renováveis, ainda por definir.

Bom dia, Viana do Castelo!

Começar bem a manhã, pela zona ribeirinha.

Seis pirogas encontradas no rio Lima em Viana do Castelo classificadas "tesouro nacional"

  O Governo aprovou hoje, em Conselho de Ministros, o decreto que classifica, como conjunto de interesse nacional diversos bens móveis arqueológicos náuticos e subaquáticos, sendo-lhes atribuída a designação de "tesouro nacional": as seis pirogas monóxilas provenientes de recolha arqueológica subaquática realizada no rio Lima, em Viana do Castelo; os três astrolábios provenientes de recolha arqueológica subaquática realizada em São Julião da Barra, e os dez canhões provenientes de recolha arqueológica subaquática, realizada na Ponta do Altar. As pirogas monóxilas são embarcações construídas a partir de um único tronco de árvore, neste caso de carvalho. Este conjunto apresenta um interesse arqueológico e patrimonial muito relevante enquanto testemunho notável da navegação em Portugal, e da travessia do Rio Lima em particular, desde a Idade do Ferro até à Baixa Idade Média. A dimensão do conjunto e de cada exemplar (uma delas com quase 7m de comprimento), o seu estado de conser

Praça da República - Viana do Castelo

Ao longo dos anos esta Praça já teve o nome de Campo do Forno, Praça da Rainha e actualmente Praça da República. Nas fotos em baixo verifica-se que pouco foi alterado nos prédios à sua volta, notando-se mudanças na Praça em si, no que diz respeito à existência em tempos, de uma placa central com árvores e bancos, ao redor da qual circulavam viaturas e agora é unicamente pedonal. Um pouco da História dos três monumentos emblemáticos da Praça da República. Chafariz da Praça da República (Séc. XVI)  Foi construído, ou pelo menos concluído em 1559, sendo obra do mestre canteiro João Lopes "o velho", o mesmo que alguns anos antes executara o chafariz de Caminha e, muito provavelmente, alguns dos chafarizes semelhantes que podemos encontrar em cidades galegas como Pontevedra. Foi durante vários séculos o ponto de abastecimento de água potável da população vianense e, pela sua monumentalidade e localização, uma das referências urbanas do burgo.  Antigos Paç