Viana vai acolher centro pioneiro de energia das ondas


Com um plano de investimento de 16 milhões de euros, a CorPower está a estabelecer um centro de Investigação e Desenvolvimento, Fabrico e Serviços para Conversores de Energia das Ondas em Viana do Castelo.

Está escolhido o local para apoiar o projecto de demonstração emblemático da CorPower, HiWave-5, e para o desenvolvimento a longo prazo da capacidade de fornecimento e serviços dos parques de energia das ondas. Vários factores contribuíram para a eleição de Viana do Castelo para este investimento: um sólido conjunto de engenheiros de sectores adjacentes, tais como eólicas marítimas, fabrico de compósitos e estaleiros navais, universidades de alto nível e infra-estrutura industrial, incluindo portos e ligação à rede, permite um alargamento eficaz das operações na região.

Portugal apresenta ainda um ambiente ideal para o HiWave-5 devido aos activos naturais e à consciência ambiental. O trabalho da CorPower complementa fortemente a Estratégia Industrial Portuguesa para as Energias Renováveis Oceânicas, concebida para criar um cluster de exportação industrial competitivo e inovador para as energias renováveis oceânicas. Recentemente, a operadora de rede REN instalou um novo cabo offshore ao serviço de eólicas flutuantes, e existe um interesse comercial significativo por parte de empresas de serviços públicos e promotores de projectos para o desenvolvimento do projecto de ondas da próxima geração.

«Esta é uma etapa crucial na nossa busca pelo desenvolvimento de uma nova classe de Conversores de Energia das Ondas (WEC - Wave Energy Converters) de alta eficiência», afirma Patrik Möller, CEO da CorPower Ocean. «O objectivo da CorPower é introduzir com sucesso no mercado produtos WEC certificados e com garantia até 2024, tornando a energia das ondas uma tecnologia viável e capaz de atrair financiamento para projectos de fontes renováveis convencionais».

«A energia das ondas pode desempenhar um papel fundamental na transição de Portugal para um país 100% de energia renovável, oferecendo uma plataforma para impulsionar as exportações portuguesas e as oportunidades de investimento a longo prazo para as cadeias de abastecimento locais. O programa HiWave- 5 é reconhecido como sendo um dos esforços mais ambiciosos em energia oceânica. Está previsto que a chegada do HiWave-5 cimente a reputação de Portugal como um líder mundial em energia renovável, com investimentos significativos em pessoal, tecnologia e instalações».

A CorPower e a Autoridade Portuária APDL - Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo, S.A. - chegaram a um acordo para desenvolver a instalação de energia oceânica no porto comercial de Viana do Castelo. Proporcionará espaço para o fabrico, montagem e manutenção de conversores de energia das ondas à escala comercial.

«Este projecto está em linha com os objectivos de sustentabilidade europeus e é um passo considerável para a descarbonização e a implementação em grande escala de energia limpa. Pretendemos servir de exemplo para outros portos europeus, no que diz respeito à utilização das infra-estruturas existentes para fins semelhantes», afirmou um porta-voz do Conselho da APDL.

Patrik Möller acrescentou que a CorPower irá igualmente contribuir para o cluster local de tecnologia marinha e as cadeias de valor relacionadas com o mar. «A chegada da CorPower Ocean Portugal Lda. fornece uma base para aumentar as exportações e atrair investimentos internos para a região», afirmou. «Encontram-se planeados cerca de quinze trabalhos de engenharia altamente qualificados para os próximos três anos, abrangendo desenho e fabrico de compósitos, bem como operações mecânicas, eléctricas, de controlo e marítimas». 

Comentários

  1. Vianenses, isto é uma vigarice.
    Aproveito para desejar uma boa semana a todos.

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

CASA VALENÇA | Estabelecimento comercial fundado em 1839

Câmara de Viana vai acionar garantia de obra para reparar troço de ecovia danificado

Elevador de Santa Luzia a subir e descer o Monte há 98 anos

Nova ponte para Viana contemplada no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR)