Marcadas para morrer

São 30, as árvores (plátanos) de grande porte, que vão ser abatidas na Avenida do Cabedelo, em Darque, Viana do Castelo, para dar lugar à nova rotunda prevista no projeto de execução da obra do acesso rodoviário ao porto de mar.



Comentários

  1. Viana é cobardia...

    ResponderEliminar
  2. Antes de se fazer a rotunda tem de chegar o tráfego que a justifique. Primeiro a procura depois a oferta. O inverso dá asneira.

    ResponderEliminar
  3. Primeiro Darque .20 outubro, 2020 04:52

    Mas afinal digam lá Darque ,Cabedelo, Cais Novo,Senhora das Areias , o que sāo ?
    Cabedelo é um cabo de areia na foz de um rio .
    No presente é a (fina flor ) de Darque. De Cabedelo nada tem, apenas o topónimo local .
    O terreno não apresenta uma flora diversificada , as espécies que conseguem se adaptar ao local, são os pinheiros , mimosas e austrálias .
    As duas espécies referidas por ultimo são infestantes ,não toleradas em terrenos ferteis porque acabam por destruir o habitat ,fauna ,e cursos de água.
    Estas foram implantadas no local porque o crescimento ,e desenvolvimento eram rápidos . No fim de contas era o que se pretendia "segurar " as dunas.
    Juntos aos passadiços ,frente á Inatel ,as águas do mar estavam avançar rápidamente Isto á 38 anos atrás.
    Com a alteraçao da foz , com o desvio das águas , a remoçao das areias pelo mar foram travadas .
    Agora o local é aprazivel ,num Domingo em pleno Setembro a praia apresentava cerca de 300 surfistas a praticar este desporto .
    Ora vejam 300 pessoas ((praticantes ),monitores ,aluguer de pranchas.
    Baugalows de apoio para os visitantes .
    O Cabedelo tornou-se uma mina de ouro .
    Trata-se de um negócio flurescente que dura toda as estaçoes do ano .
    Cais Novo é um topónimo local ,surgiu com a construção de um novo Cais.
    Para se diferenciar do Cais Velho ,atribuiram esta designação.
    Tudo o que se vê atualmente ,um conjunto de ruas e casas foi -se desenvolvendo nos ultimos 60 anos . Inicialmente um aglomerado de casas contituia o Bairro do Sequeira .
    A constituiçao dos terrenos (areias ) , não era nada mais que a continuação do Cabedelo .
    Os pinheiros e austrálias eram a flora que melhor se adaptava ao local.
    Junto á Seca de Bacalhau ,ainda apresenta rastos de pinheiros mansos de grande longevidade !
    Gradualmente teem desbastado a vegetação e hoje é aquilo que se vê no local.
    O passo seguinte e mais próximo do que se julga ,uma basta área ( mata ) de pinheiros ,junto ao Solar da Familia dos Costas Barros irá ser sacrificada em prol do desenvolvimento .
    Esperem para ver?
    A Senhora da Areias outrora paróquia ,constituía a chamada Darque Maior .
    Motivada pela subida das águas e invasão das areias grande parte da populaçao abandonou o espaços.
    Uns foram para para Anha e outros para a zona onde atualmente está implantada a Igreja Paroquial de Darque.
    Praticamente o que restou deste espaço é a Capela ,o Cruzeiro , a Quinta da familía Mourão a Estrada Real e pouco mais.
    Resta Darque propriamente dito .
    Darque históricamente esteve ao longo de séculos sobre a jurisdisção de Barcelos.
    Nunca pertenceu a Viana.
    Os conflitos com a cidade eram correntes .
    As cargas e mercadorias estavam pendentes da circulaçao de bens e pessoas Darque foi em determinada época um ponto de referência .O Cais Velho era o cais mais importante e movimentado em toda a Ribeira Lima.
    O Cais do Cabedelo foi cais de acostagem de barcos de grande calabro.Em Darque existiu um estaleiro junto a capela de São Lourenço onde a familia Magalhães teve certa relevância na construção de "Lugres".Muito próximo á Seca foi edificada , uma fábrica de Louça ( Darque )do tempo de Marques de Pombal . Junto ao Cais Velho ,no largo realizava -se feira de 15 em 15 dias .
    Era ponto de referência nas viagens e peregrinaçoês a Santiago de Compostela.





    ResponderEliminar
  4. Primeiro Darque ( continução)20 outubro, 2020 09:58

    Um Príncipe de Medecis, acompanhado de uma grande comitiva ( Pintor, médicos, cozinheiros, historiadores e demais pessoas ) por volta de 1600 estiveram nestas paragens.
    Para referência ao local , o Príncipe deu ordens ao pintor para fazer ( quadro ) um relato da passagem .Na referida imagem aparece a margem da cidade de Viana . Na margem esquerda Darque , aparece o acesso ao Cais de São Lourenço , e a Capela do mesmo nome. O Cabedelo à época era um extenso areal que não passava de uma uma " língua de areia ", que entrava pelo mar a dentro .
    O etnógrafo, antropólogo , historiador e autor do livro " a outra margem da cidade " apresenta uma estampa no referido livro onde refere que o desenho é de autor desconhecido . Mas na verdade não foi assim o autor( Pintor )era um dos elementos importantes ,que fazia parte da comitiva da referida viagem do Príncipe a Santiago de Compostela.( Não menciono o nome do mesmo porque não localizo ,alguns apontamentos do meu arquivo pessoal sobre o assunto) .
    As belas pinturas executadas à época são referências a localidades de passagem por França , Espanha, Portugal e Espanha.
    São tão importantes , que se encontram num Museu em Itália.
    As localidades de referência a norte de Viana são a vila de Caminha , e a sul São Pedro de Rates.As mesmas faziam parte da rota das Peregrinações a Santiago de Compostela.
    Com todas estas referências sobre a margem esquerda do Rio Lima ,pretende -se dizer que as belezas naturais de uma terra importante como foi Darque , não se negoceiam ,mantém -se porque fazem parte da história, memórias e vivências de um povo . Ao longo de anos Darque esteve esquecida , para não dizer ignorada . Da sua entidade e história pouco resta . As gerações novas tem de ser firmes e defender aquilo que lhes pertence. O pouco que resta memórias (espaço físico) até esse corre o risco de desaparecer por completo.
    " Não faz sentido destruir um lado e proteger outro " .

    ResponderEliminar
  5. No texto atrás mencionado fala na flora (pinheiros ,austrália ,mimosas ) ,alguém Darquense pode dizer se a referida flora ( vegetação ) é do Cabedelo ou de Darque .

    ResponderEliminar
  6. Primeiro Darque (continuação)21 outubro, 2020 07:12

    O Príncipe Cósimo III de Medecis esteve Darque em 28 de Fevereiro de 1668.
    Os registos gráficos encontram-se na Biblioteca Laurenziana de Florença. O autor das pinturas que dão uma visão da paisagem urbana e rural que fez parte da comitiva chamava-se Maria Baldi. Um celebre pintor florentino. Lembro que estas informações estiveram omissas , no autor do livro " A outra margem da cidade " , que erradamente dava a pintura como se fosse de um autor desconhecido .

    ResponderEliminar
  7. Primeiro Darque .25 outubro, 2020 08:28

    Uma lição de história a Cândido Gonçalves. Muitas gafes ainda poderia mencionar sobre o referido livro.
    Num outro momento , farei referência a outras situações redigidas no livro .

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Desconstrução do prédio Coutinho em Viana do Castelo estimada para setembro ou outubro

World Navigator, construído em Viana

Coroas de flores na Praça assinalam tradição das Maias

Já foi a mais comprida do mundo

Há lixo acumulado há muitos anos em embarcações degradadas no porto de pesca de Viana do Castelo