Avançar para o conteúdo principal

Apresentado o projeto do futuro Mercado Municipal de Viana do Castelo

A Câmara de Viana do Castelo apresentou esta quarta-feira, através das redes sociais, o projeto do futuro Mercado Municipal da cidade, que está previsto nascer no terreno deixado livre após a descontrução do Edifício Jardim (Prédio Coutinho).
O novo mercado com dois pisos, terá 28 lojas, 56 bancas de venda no interior e 160 no exterior para vendedores de produtos locais.

Veja AQUI o vídeo do novo Mercado Municipal.













Comentários

  1. Projeto de mau gosto... Se é isto, prefiro o prédio mais 40 anos.

    ResponderEliminar
  2. Vai ficar como o PORTUGAL DOS PEQUENINOS, na Praça 1°de Maio ,um elefante branco .sem fim á vista .
    Uma completa vergonha no centro da Viana ,capital do FOLCLORE .

    ResponderEliminar
  3. A verdade e o folclore já montado .28 janeiro, 2021 09:07

    Com tanto FOLCLORE á vista ,até os atuais vendedores do Mercado atual ,junto á Cadeia tem inveja do movimento de gente , que já se apresenta em papel .
    Toda a gente sabe que o futuro dos Mercados está em vias de extinçao .
    As grandes superficies são o futuro .
    Andam a deitar areia nos olhos das pessoas .
    Só não vê quem é cego .

    ResponderEliminar
  4. António Lamela28 janeiro, 2021 09:30

    A primeira foto esconde outra vergonha ,o edifico atrás construído há tão poucos que se encontra no estado bem visível .
    Palavras para quê , basta passar e ver bem o estado das coisas.
    Até teve um prémio .
    Curioso a quantidade de prémios que esta terra ganha !
    Já estamos perto de ir para o GUINESS BOOCK

    ResponderEliminar
  5. Que vão fazer ao Mercado á beira da cadeia que custou uma pipa de massa !
    Fazer uma torre ,com vista para o cemitério ?
    Já andam encima do terreno para comprar e fazer uma grande superficie .
    Somos uma aldeia grande mas neste tipo de negócios somos os maiores .
    Ninguém nos bate !


    ResponderEliminar
  6. Resta saber de onde é que vão vir as pesdoas para comprarem. E o destino a dar ao outro edificio do mercado que esta a 1/4 de utilização.certo e, que alguns ligados a maquina ganharam com o outro edificio......e alguns por la andam ou arrastam.....

    ResponderEliminar
  7. De bom tom seria reciclarem os materiais do predio do coutinha, portas janelas, estores, etc....pois se a construçao e com material semelhante e de igual qualidade ao do edificio do antigo mercado, então apos poucos anos ficara como os do atual prefio.uma vergonha!

    ResponderEliminar
  8. Vai ser novidade ,todos os fins de semana vai haver tocata.
    Os ranchos vao poder vender os seus produtos .
    Agora a mama acabou .
    Tem de cumprir as regras ,passar fatura simplificada para nao fazer concorrencia ás lojas gourmet .No caso dos chouriços ,tem de ter data de fabrico e data de validade para consumo ,a proveniencia e local onde é feito .
    Este sector anda uma completa balda. Toda esta gente durante anos a fio , teve privilégios ,agoram tem de entrar nas regras .
    Na feira MEDIEVAL ,o mesmo ,.cumprir e fazer cumprir as regras .
    Ao 2° dia já se come porcaria ,tem de haver mais atençao sobre isto .
    Se ficar indisposto nem tenho como provar porque esta gente nao gosta de faturas simplificadas.
    Na feira de Artesanato o mesmo ,na ultima feira um stand até vendia boroa com bolor !
    Passar facturas e haver mais controlo nos comes .

    ResponderEliminar
  9. uma coisa que ainda ninguém se lembrou e que deveria surgir aquando deste projeto, seria o nome.
    um nome forte, para fazer frente aos hipers e para atrair as pessoas e turistas.
    uma vez que o nome mercadona ja está em uso, seria bom para fazer homenqagem ao Pai do projeto o seguinte:
    MercaMoura.

    ResponderEliminar
  10. Rosalina Ferreira29 janeiro, 2021 13:33

    A propósito de mama .
    As bancadas ,os stands em pontos estratégicos nas festas como sao escolhidos ?
    Em prol dos ranchos ,ou qualquer pessoa tem direito a escolher isoladamente .
    Na feira do Artesanato como se processa o sorteio ou é quem dá mais. Lembro que numa das feiras Medievais um esqueleto de um porco no espeto foi deitado ao Rio Lima.
    Toda a gente na cidade soube da ocorrencia .
    Como sao controladas essa carnes para consumo?
    Sao objeto de sanidade ?As ruas durante alguns dias ,ficam emporcalhadas ..Naturalmente em 1385 ,era normal o estado lastimável das ruas nessa época ,mas eram outros tempos ,vivemos no século XXI.
    As sandes de garrano duma localidade perto de Viana podem ser disponiveis ao publico. Pergunta se entao ,vamos meter os olhos na areia como o avestruz .ignorando o assunto delicado .
    Será que o PAN está ao corrente disto ,já que para haver Sandes ,tem de haver abate .
    Os anti touradas consentem tal barbarie?
    Ninguém passa por cabeça como ele o abate se realiza .
    A casa tem de ser arrumada .
    O polvo da nossa costa á beira mar , tem tentáculos , por vezes nao se podendo comer apesar de preço no mercado, muitas vezes é duro e intragável .

    ResponderEliminar
  11. Intermoura ou Pingo Nobre, aceitam-se sugestões para o nome do futuro mercado, que pelos vistos ainda não vai ser este!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Escadório de Santa Luzia

A Basílica de Santa Luzia, situada no alto do monte com o mesmo nome, é o monumento mais conhecido e visitado da cidade de Viana do Castelo. Para lá chegar tem três opções: a estrada, o funicular ou o escadório. Quem optar pelo funicular, fará um percurso de 650 metros, vencendo um desnível de 160 metros, numa viagem com duração de aproximadamente 7 minutos. Quem se sentir atraído a ir a pé pelo escadório, terá que subir 659 degraus. Subir esta escadaria não é assim tão difícil, basta ir com calma, parando quando o cansaço aparecer. Veja algumas fotografias do escadório de Santa Luzia.

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Em 2005 era assim...

O Campo d’Agonia / Campo do Castelo num passado não muito remoto. Fotos: Arquivo / Olhar Viana do Castelo

Casa Brasileira a mais antiga confeitaria de Viana do Castelo

A fachada sóbria da “Casa Brasileira”, a mais antiga confeitaria da cidade de Viana do Castelo, “guarda” no seu interior verdadeiras delícias da doçaria tradicional. Fundada por emigrantes no Brasil, que a abriram precisamente no dia 22 de Março de 1902, no edifício onde ainda existe hoje, em pleno centro histórico da cidade, este estabelecimento citadino foi durante muitos anos um ícone dos doces típicos de Viana do Castelo. Mas, como em tudo na vida, esta confeitaria também teve os seus pontos altos e baixos. Os actuais proprietários, Sr. Norberto Martins e D. Maria Graça Ferreira, ex-emigrantes em França, quando em 2004 assumiram a direcção do estabelecimento, encontraram-no com uma deterioração que fazia esquecer os tempos dourados. Aos poucos, foram renovando o espaço e introduzindo nova doçaria de inspiração francesa que, juntamente com a confecção tradicional fez com que o espaço voltasse a ter a fama e a clientela que entretanto tinha perdido. Entre as especialidades serv

Dia de sol em Viana

“A Brasileira”, a confeitaria mais antiga de Viana do Castelo, de portas abertas desde 1902. Rua Sacadura Cabral É sexta-feira!!! Bom fim de semana.