Avançar para o conteúdo principal

A nova e a velha, lado a lado

Nesta fotografia de arquivo, a atual carruagem do Funicular de Santa Luzia aparece lado a lado com a sua antecessora que se encontra estacionada há muitos anos e em muito mau estado (o contrato para a sua reabilitação foi assinado no passado dia 15 de março) nos terrenos da estação superior, junto ao Santuário do Sagrado Coração de Jesus.

O Funicular de Santa Luzia, em Viana do Castelo, inaugurado a 2 de junho de 1923, é o mais extenso do país, com um percurso de 650 metros, vencendo um desnível de 160 metros e inclinação de 25%. Cada viagem tem uma duração de aproximadamente 7 minutos.


Comentários

  1. O elevador está cheio de pichagens , uma completa vergonha !
    Fiz noticia e não a meio de sair .neste blogue.O jornal Minho , mostra bem o vandalismo que impera nesta cidade .
    Além dos gastos a fazer , o desarecimento dum funicular ,sim porque eram dois e ainda ninguém deu explicaçoes sobre o assunto , local é propicío a estes actos de vandalismo .
    Depois destas imagens vistas no Jornal Minho o local nāo é seguro para guardar a reliquia da cidade.

    ResponderEliminar
  2. O que interessa na noticia é a peça ( funicular ) que desapareceu .De resto o percurso pouco interessa.
    O funicular da Nazaré , faz uma subida e descida muito acentuado.
    O que se teria passado com a peça histórica que desapareceu ?

    ResponderEliminar
  3. O povo quer saber o destino da outra carruagem .30 março, 2021 10:39

    Apos ter se dado a resoluçao da recuperaçao do funicular , agora de seguida aparecem pichagens numa das faces da referida peça histórica.
    Assim nao vale apena gastar 17.000 euros .
    Ou poem o funicular em local seguro e livre de vandalismo ou então anda-se a brincar com o dinheiro.da comunidade.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Escadório de Santa Luzia

A Basílica de Santa Luzia, situada no alto do monte com o mesmo nome, é o monumento mais conhecido e visitado da cidade de Viana do Castelo. Para lá chegar tem três opções: a estrada, o funicular ou o escadório. Quem optar pelo funicular, fará um percurso de 650 metros, vencendo um desnível de 160 metros, numa viagem com duração de aproximadamente 7 minutos. Quem se sentir atraído a ir a pé pelo escadório, terá que subir 659 degraus. Subir esta escadaria não é assim tão difícil, basta ir com calma, parando quando o cansaço aparecer. Veja algumas fotografias do escadório de Santa Luzia.

Em 2005 era assim...

O Campo d’Agonia / Campo do Castelo num passado não muito remoto. Fotos: Arquivo / Olhar Viana do Castelo

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Casa Brasileira a mais antiga confeitaria de Viana do Castelo

A fachada sóbria da “Casa Brasileira”, a mais antiga confeitaria da cidade de Viana do Castelo, “guarda” no seu interior verdadeiras delícias da doçaria tradicional. Fundada por emigrantes no Brasil, que a abriram precisamente no dia 22 de Março de 1902, no edifício onde ainda existe hoje, em pleno centro histórico da cidade, este estabelecimento citadino foi durante muitos anos um ícone dos doces típicos de Viana do Castelo. Mas, como em tudo na vida, esta confeitaria também teve os seus pontos altos e baixos. Os actuais proprietários, Sr. Norberto Martins e D. Maria Graça Ferreira, ex-emigrantes em França, quando em 2004 assumiram a direcção do estabelecimento, encontraram-no com uma deterioração que fazia esquecer os tempos dourados. Aos poucos, foram renovando o espaço e introduzindo nova doçaria de inspiração francesa que, juntamente com a confecção tradicional fez com que o espaço voltasse a ter a fama e a clientela que entretanto tinha perdido. Entre as especialidades serv

“Mictório” ao ar livre: o mau hábito de urinar na via pública

Esta estrutura situada no espaço relvado da Marina de Viana do Castelo, há muito tempo que é utilizada por algumas pessoas como “mictório” a céu aberto, tal é o mau cheiro que por vezes sente quem por lá passa. Este (mau) comportamento persiste, o que revela falta de civismo.