Avançar para o conteúdo principal

Inseto ajuda Viana do Castelo a manter-se livre de espécies invasoras



Um inseto de tamanho milimétrico é um dos "grandes" ajudantes de Viana do Castelo na erradicação de espécies invasoras nos seus 13 monumentos naturais, que dentro de uma década a Câmara quer ver classificados como Santuários de Natureza e Cultura.

O inseto chama-se Trichilogaster acaciaelongifoliae, tem apenas cerca de dois a três milímetros, mas não dá tréguas às acácias, uma das espécies exóticas com comportamento invasor existente nos 90 hectares que compõem o património geológico os 13 Monumentos Naturais da capital do Alto Minho.

"É oriundo da Austrália, tal como a acácia, uma das principais espécies invasores do concelho e do país", referiu o vereador do Ambiente.

Desde 2020, do total daquela área, a Câmara de Viana do Castelo iniciou a erradicação de invasoras e a reflorestação de cinco daqueles monumentos, num investimento de mais de 500 mil euros, financiado pelo Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR). 

A recuperação ecológica avançou no Cemitério de Praias Antigas do Alcantilado de Montedor, nos Pavimentos Graníticos da Gatenha, Cascatas da Ferida Má, Falha das Ínsuas do Lima, e Praia Eemiana da Ribeira de Anha.

Numa visita guiada à freguesia de Carreço, para ver a limpeza dos 55 hectares do monumento natural de Montedor, Ricardo Carvalhido mostrou à Lusa a "manutenção" que o inseto microscópico, introduzido em Portugal, pela primeira vez, em 2015, tem ajudado a garantir.

"Esse inseto preda a acácia", especificou.

O inseto tem um ciclo de vida de um ano, formando umas "galhas" ou "bugalhos" nos ramos da acácia longifólia, que impedem a sua floração e, consequentemente, a formação de sementes.

A existência dessas "galhas", pequenas bolas verdes, foi confirmada em várias localizações.

"A acácia é ferida precisamente no local que é responsável pela reprodução. A flor já não vai surgir na acácia, e com isso vamos reduzir ativamente o banco de sementes que, por metro quadrado, podem ser milhares, prontas para rebentar novas acácias", explicou o biólogo.

Posteriormente avançou a reflorestação com "espécies nativas" (carvalho, medronheiro, sobro), já em curso não só em Montedor, mas também na Ribeira de Anha e Ferida Má.

A "vigilância" das plantações é "apadrinhada" por empresas do concelho, atualmente 25, que se "responsabilizam por controlar" o crescimento das espécies autóctones e "impedir" o regresso das invasoras.

"O objetivo principal é pegar nestes espaços e torná-los santuários da natureza e da cultura (?). Naturalmente quando falamos de arqueossítios, a cultura está intrínseca, mas em as zonas especiais de conservação para a biodiversidade e de monumento natural também muitas vezes, têm valores culturais, que é importante preservar", especificou.

"Nessa altura, garantimos que quem visitar cada um destes espaços está a entrar num santuário (?), tal e qual como era há milhares de anos, antes do ser humano ter a ação destrutiva que atualmente tem", reforçou. 

Para Ricardo Carvalhido o alcantilado de Montedor é "absolutamente especial" por integrar, por exemplo, um cordão dunar com mais de 70 mil anos, que resistiu à "fuga progressiva do mar".

Ali, os visitantes poderão ainda "compreender como se formaram os montes que cercam a cidade, como o de Santa Luzia, em três fases, há 300 milhões de anos".

"No norte de Portugal, é dos melhores locais para se perceber os quatro ciclos de subida e descida do nível do mar, nos últimos 400 mil anos", observou, justificando a designação do alcantilado como cemitério das praias antigas.

Naquele monumento natural existe ainda, uma das 33 camboas existentes na costa de Viana do Castelo.

Antigas pesqueiras, "já descritas nas Inquirições 1258, desativadas durante o Estado Novo, por dificuldade de controlo da atividade económica que se gerava naquele espaço, mas também porque foi mais ou menos nessa altura que começaram a surgir as preocupações para as questões da conservação da natureza".

"Eram zonas onde o peixe ficava retido e depois era pescado. É um património absolutamente fenomenal que nos faz recuar no tempo, e que do ponto da sua beleza é indescritível. Além de reforçar o caracter rochoso da costa, revela a forma engenhosa como, naquela altura, se construíram aqueles contrafortes, as paredes das camboas e que resistiram a milhares de milhões de praias-mar, momento em que há mais energia", contou.

Todo o património existente nos 13 monumentos naturais está integrado em mesas de leitura de paisagem e, "em alguns locais especiais" foram instalados "pilaretes com código QR que permite fazer aceder a informação "detalhada" sobre a conservação realizada.


Notícia da LUSA de 20.03.2021

Comentários

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Escadório de Santa Luzia

A Basílica de Santa Luzia, situada no alto do monte com o mesmo nome, é o monumento mais conhecido e visitado da cidade de Viana do Castelo. Para lá chegar tem três opções: a estrada, o funicular ou o escadório. Quem optar pelo funicular, fará um percurso de 650 metros, vencendo um desnível de 160 metros, numa viagem com duração de aproximadamente 7 minutos. Quem se sentir atraído a ir a pé pelo escadório, terá que subir 659 degraus. Subir esta escadaria não é assim tão difícil, basta ir com calma, parando quando o cansaço aparecer. Veja algumas fotografias do escadório de Santa Luzia.

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Em 2005 era assim...

O Campo d’Agonia / Campo do Castelo num passado não muito remoto. Fotos: Arquivo / Olhar Viana do Castelo

Casa Brasileira a mais antiga confeitaria de Viana do Castelo

A fachada sóbria da “Casa Brasileira”, a mais antiga confeitaria da cidade de Viana do Castelo, “guarda” no seu interior verdadeiras delícias da doçaria tradicional. Fundada por emigrantes no Brasil, que a abriram precisamente no dia 22 de Março de 1902, no edifício onde ainda existe hoje, em pleno centro histórico da cidade, este estabelecimento citadino foi durante muitos anos um ícone dos doces típicos de Viana do Castelo. Mas, como em tudo na vida, esta confeitaria também teve os seus pontos altos e baixos. Os actuais proprietários, Sr. Norberto Martins e D. Maria Graça Ferreira, ex-emigrantes em França, quando em 2004 assumiram a direcção do estabelecimento, encontraram-no com uma deterioração que fazia esquecer os tempos dourados. Aos poucos, foram renovando o espaço e introduzindo nova doçaria de inspiração francesa que, juntamente com a confecção tradicional fez com que o espaço voltasse a ter a fama e a clientela que entretanto tinha perdido. Entre as especialidades serv

Dia de sol em Viana

“A Brasileira”, a confeitaria mais antiga de Viana do Castelo, de portas abertas desde 1902. Rua Sacadura Cabral É sexta-feira!!! Bom fim de semana.