Desconstrução do prédio Coutinho em Viana do Castelo estimada para setembro ou outubro



O prédio Coutinho, em Viana do Castelo, deverá começar a ser desfeito em “setembro ou outubro”, após a adjudicação da empreitada, prevista para maio, por cerca de 1,7 milhões de euros, divulgou hoje o vice-presidente da VianaPolis.


Em declarações à agência Lusa, o vice-presidente da sociedade VianaPolis, Tiago Delgado, estimou o arranque da empreitada para "setembro ou outubro", após a conclusão de todo o procedimento do concurso público a que concorreram 13 empresas e que deverá ser adjudicado em maio.


"O relatório de avaliação está prestes a ser concluído para ser remetido aos concorrentes para a audiência prévia. Havendo reclamações teremos de responder e só depois será possível fazer a adjudicação. No final de maio deveremos ter adjudicada a empreitada. O processo segue depois para visto do Tribunal de Contas, para podermos consignar da obra", especificou o responsável.


O edifício Jardim – localmente conhecido como prédio Coutinho -, de 13 andares, tem desconstrução prevista desde 2000, ao abrigo do programa Polis. O projeto, iniciado quando António Guterres era primeiro-ministro e José Sócrates ministro do Ambiente, prevê para o local a construção do novo mercado municipal.


Inicialmente, o projeto da sociedade VianaPolis previa a implosão do prédio Coutinho, mas a partir de 2018 a desconstrução foi a alternativa escolhida por prever o aproveitamento e a reutilização dos materiais e causar menos impacto ambiental.


O Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga julgou improcedentes, nos dias 19 e 20 de janeiro, a intimação para proteção de direitos, liberdades e garantias e a providência cautelar movidas, em 24 de junho de 2019, pelos últimos moradores do edifício Jardim para tentar travar o início da desconstrução do prédio.


Na altura, em comunicado, os moradores informaram que vão "abandonar voluntariamente" o edifício Jardim, mas garantiram que a luta judicial vai continuar.


A sociedade VianaPolis é detida a 60% pelos ministérios do Ambiente e das Finanças e 40% pela Câmara de Viana do Castelo.


O edifício de 13 andares, que já chegou a ser habitado por 300 pessoas, está situado em pleno centro histórico da cidade.


Em janeiro, a Câmara de Viana do Castelo aprovou, por maioria, com a abstenção do PSD, o projeto do novo mercado orçado em 8,2 milhões de euros.


Segundo o presidente da Câmara, José Maria Costa, o novo mercado de Viana do Castelo começará a funcionar até final de 2023.


Notícia da LUSA de 29.04.2021

Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Enorme máquina giratória vai “triturar” mais de 15 mil toneladas de materiais dos 13 andares do prédio Coutinho

Queixa contra desconstrução do prédio Coutinho arquivada pelo MP

Morreu a ''PALMIRINHA''

Laboratório do mar com minissubmarino e aquário abriu em Viana do Castelo