Avançar para o conteúdo principal

Politécnico estuda com Câmara destino de convento abandonado em Viana do Castelo



O presidente do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) disse hoje estar a estudar com a Câmara Municipal um "destino digno" para o convento de São Francisco do Monte que se encontra em ruínas.

Em declarações à agência Lusa, a propósito do alerta de grupo internacional de especialistas em história para "o estado de total negligência" em que se encontra o convento e apelando a uma "rápida intervenção de salvaguarda" daquele património, Carlos Rodrigues admitiu tratar-se de "uma preocupação de sempre", tendo sido realizadas "várias diligências no sentido de dar um destino digno ao que resta do convento".

"Para mim não é nada agradável enquanto cidadão por um lado, e responsável por outro, ter um património daqueles no estado a que chegou o convento, ainda que tenha chegado às mãos do IPVC há relativamente pouco tempo. Isso não serve de desculpa, mas tenho de enfatizar que o convento é uma preocupação para todos e está a ser estudada uma solução, em conjunto com a Câmara de Viana do Castelo", sublinhou o presidente do IPVC.

Em causa está um imóvel datado do século XIV, adquirido em 2001 pelo Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC), situado na encosta do Monte de Santa Luzia, e que se encontra há anos votado ao abandono.

Na semana passada, à Lusa, o presidente do IHSHG - International History Students and Historians Group, Jõa Viegas afirmou terem sido enviadas cartas a várias entidades como IPVC, a Câmara Municipal, União de Freguesias de Viana do Castelo (Santa Maria Maior e Monserrate) e Meadela, Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN), ICOMOS - Conselho Internacional de Monumentos e Sítios, entre outras entidades, bem como a partidos políticos.

O grupo internacional, que reúne cerca de seis mil membros, entre estudantes, graduados, mestres, doutores, arqueólogos e professores de História de todo o mundo, diz tratar-se de um imóvel protegido ao abrigo da lei.

Nas cartas enviadas, os especialistas manifestam o seu "descontentamento" pelo estado de "total negligência" em que se encontra o convento, localizado na freguesia de Santa Maria Maior.

O presidente do IPVC reconheceu que "não tem sido fácil", mas que a procura de um "destino condigno" para o imóvel "continua a ser trabalhada".

"Tenho mantido várias conversas com o presidente da Câmara de Viana do Castelo, porque este assunto também é uma preocupação para a autarquia. É uma preocupação de todos porque, em boa verdade, há que dar um destino condigno ao convento", sustentou.

Carlos Rodrigues alertou para "a tipologia do edificado, para a sua localização, numa zona de extremo risco", sublinhando que "a solução não se afigura fácil".

"Havemos de chegar a uma solução. Não sabemos se passará por reconstruir, manter, mas alguma solução haveremos de encontrar a relativamente breve trecho. Temos de perceber que destino dar ao imóvel porque a sua implantação está numa zona de extremo risco, as acessibilidades são más, as infraestruturas não existem. Qualquer solução para o convento será extremamente cara", observou.

Na semana passada, o presidente da União de Freguesias de Viana do Castelo (Santa Maria Maior e Monserrate) e Meadela, José Ramos, respondeu ao IHSHG "fazendo um ponto de situação em relação ao convento e anexando correspondência eletrónica trocadas entre a autarquia e o IPVC, sobre o imóvel, desde 2019".

Os historiadores internacionais realçam que o convento foi "edificado em finais do século XIV, tendo sido a primeira casa conventual de Viana do Castelo, e um dos três primeiros mosteiros a reger-se pela Ordem dos Frades Menores".

"Após várias obras de renovação à estrutura original o edifício foi transformado em oratório no início do século XVII, após a construção do Convento dos Capuchos, para o qual transitou a maior parte dos frades de São Francisco do Monte", referem os especialistas.

Aquela comunidade adianta também que, "após passar por vários privados, o espaço foi comprado em 2001 pelo IPVC", sendo que "20 anos depois o convento de São Francisco do Monte continua a não apresentar uma valiosa atitude de salvaguarda, apresentando-se num lamentável estado de ruína e total negligência, em vias de desaparecer".

Antes de chegar as mãos do IPVC, e com a extinção das ordens religiosas, o convento foi comprado em hasta pública, em 1834, pelo Visconde de Carreira, que o transformou em exploração agrícola. A partir da década de 60 do século XX, o espaço conventual entrou em progressivo estado de degradação e, em 1987, o seu último proprietário, Rui Feijó, doou-o à Misericórdia local.


Artigo da LUSA de 12.04.2021


Comentários

  1. Bem merece uma intervenção e como ela tarda e, quanto mais tarde se olhar para esta relíquia. pior será!!!

    ResponderEliminar
  2. O IPVC deveria começar por tentar resolver os problemas que tem e que são grandes e fatais se não forem resolvidos em 2 ou 3 anos. O problema não é falta de instalações para os alunos que tem, é falta de alunos para as instalações que tem. Toda a gente sabe. Adianta alguma coisa encher a boca com São Francisco?

    ResponderEliminar
  3. O mais ajuizado da novela foi o Rui Feijó.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Já pouco resta…

Viana do Castelo, 16 de maio de 2022. Já pouco resta do Edifício Jardim, mais conhecido por Prédio Coutinho.

Cortejo académico converte ruas de Viana em palco de festa

O Cortejo Académico do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC), marcado pela amizade, alegria e cerveja - mui­ta cerveja - animou hoje várias ruas da cidade. Entre saltos e cantoria, milhares de alunos, a pé ou em carros alegóricos, tornaram o cortejo “molhado”, dando “banhos” de cerveja uns aos outros.

Cartaz da Romaria d’Agonia 2022 com 60 propostas a concurso

Sessenta trabalhos concorrem ao prémio de melhor cartaz da Romaria de Nossa Senhora d’Agonia de Viana do Castelo de 2022. O vencedor, para além de ver o seu trabalho utilizado para a divulgação pública da Romaria de Nossa Senhora d’Agonia 2022 a nível Nacional e Internacional, será contemplado com um prémio monetário no valor de 750,00€.  O resultado do concurso vai ser conhecido no dia 26 de maio. A Romaria d’Agonia deste ano vai realizar-se em Viana do Castelo de 17 a 21 de agosto. (Na imagem são mostrados os cinco últimos cartazes vencedores, 2017 a 2021)

Vegetação toma conta do Castelo de Santiago da Barra

Derivado ao interesse histórico e cultural, é urgente que se proceda de imediato à limpeza da vegetação, quer no interior quer na envolvente do Castelo de Santiago da Barra, por forma a dignificar a imagem do monumento e possibilitar o seu usufruto pelos cidadãos de Viana do Castelo e pelos turistas, nacionais e estrangeiros. A vegetação cresce sem qualquer controlo (em alguns sítios chega a alcançar mais de 1 metro de altura), impossibilitando muitas vezes a circulação pelo mesmo. Em julho de 2021, o presidente do Turismo do Porto e Norte disse, em declarações à LUSA, que a reabilitação, por mais de um milhão de euros, do Castelo Santiago da Barra, em Viana do Castelo, onde se encontra instalada a sede da entidade, vai ser candidatada a fundos europeus.  Enquanto esses fundos europeus não chegam para que seja feita essa intervenção mais profunda, era importante que, entretanto, o TPN mandasse efetuar mais vezes o corte da vegetação e limpeza, de modo a evitar o aspeto degradante que a