Avançar para o conteúdo principal

Romaria d’Agonia para ser levada na mão entre a tradição e as novas tecnologias


Chamam-se códigos de barras bidimensionais, entraram para o vocabulário diário como “QR Codes” e por estes dias estão espalhados pela cidade de Viana do Castelo para uma ‘boleia virtual’ até à Romaria da Senhora d’Agonia, levando- a literalmente na mão.

Um desses pontos é o Posto de Informação da Romaria, na Praça da República, com um QR Code de mais de meio metro quadrado que, lido pela câmara de um telemóvel ligado à Internet, permite aceder, através da página oficial da Romaria, a todos os conteúdos e informação disponível para a festa de 2021, realizada essencialmente sem aglomerações, devido à pandemia.

No mesmo Posto de Informação, que desde sábado ocupa o edifício dos antigos Paços do Concelho, outros sete QR Codes dão acesso imediato a conteúdos sobre outros tantos momentos emblemáticos da Romaria em anos anteriores, com vídeos e fotografias, mas também a explicação e enquadramento de cada um deles: Tapetes Floridos, Revista de Gigantones e Cabeçudos, Procissão ao Mar, Desfile da Mordomia, Vamos para o Festival, Cortejo Histórico-Etnográfico, e Procissão Solene.

“São conteúdos, vídeos e fotografias, de uma tradição que não tem paralelo, mas literalmente para levar na mão para todo o lado, de forma virtual”, explica António Cruz, presidente da Comissão de Festas.

Noutro ponto da cidade, no Jardim Público, a exposição “Memórias da Romaria d’Agonia” percorre a festa, essencialmente com imagens, de 1750 a 2020, mostrando a evolução, adaptação e em alguns casos a transformação ao longo do tempo.

Organizada por décadas, a exposição não termina nos seus 16 painéis, já que através de outros 14 QR Codes é possível navegar nesses conteúdos, acedendo à plataforma criada em 2020 e que continua a crescer, alimentada com fotos, vídeos ou testemunhas da festa.

Uma notícia de 1917 sobre o programa da Romaria desse ano, os cartazes e as decorações da festa em 1930, as imagens dos esboços dos carros alegóricos para o cortejo etnográfico ou do programa de 1969, são alguns dos muitos conteúdos disponíveis. Uma exposição em formato físico e virtual que recupera os momentos mais importantes ao longo da história da festa, mas partilha também esse conhecimento com as novas gerações, recordando momentos únicos vividos na Romaria através das novas tecnologias.

“Em 2020 utilizamos o modelo de sentir as festas à distância porque a pandemia não permitiu fazer mais. Mas adotamos novas ferramentas, como os conteúdos nas redes sociais ou através de QR Codes, para minimizar essa ausência. Como ainda vamos ter muitas restrições este ano, fazia todo o sentir reforçar a aposta nas novas tecnologias, ao mesmo tempo que levamos a Romaria para o futuro”, assume António Cruz, presidente da Comissão de Festas.

Este sábado inaugura também a exposição "Memórias de um Povo: O Traje Popular Vianense, 1925 - 1960", no Museu do Traje, que assenta nos testemunhos de quase uma centena de anciões do concelho vianense, em que a mais nova tem 65 anos e a mais antiga 103 anos de idade.

Esta exposição, procura dar a conhecer o uso dos vários tipos de trajes populares do concelho, entre 1925 e a década de 1950. A escolha deste intervalo de tempo, deve-se essencialmente à possibilidade de ainda ser possível a recolha de testemunhos, de vianenses que viveram na primeira pessoa esses tempos.

A Romaria d’Agonia vai decorrer este ano de 19 a 22 de agosto, com um programa que inclui momentos apenas ‘online’ e alguns com público, nomeadamente as eucaristias, a Festa do Traje ou os concertos do Canário e Amigos, dos Sons do Minho, da Orquestra Popular Sopro de Cordas de Outeiro e ainda o Festival de Folclore, seguindo as regras em vigor definidas pela Direção-Geral da Saúde. A previsão é que os espetáculos no Centro Cultural tenham entrada gratuita e limitação de lugares, o que obrigará ao levantamento de bilhete, a disponibilizar no próprio dia.

O programa ‘online’ envolverá, tal como em 2020, o lançamento de conteúdos audiovisuais sobre o Desfile da Mordomia, as revistas de gigantones e cabeçudos, o Cortejo Histórico-Etnográfico, os tapetes de sal da Ribeira, a Procissão ao Mar ou Serenata de fogo de artifício, divulgados nas redes sociais no dia e hora habituais da festa.

Em 2021, o presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, José Maria Costa, delegou a presidência da Comissão de Honra das Festas d'Agonia na atriz Melânia Gomes.

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Maior Romaria de Portugal já tem programa

A maior romaria portuguesa apresenta esta quarta-feira o programa oficial de 2024, com nove dias de festa dedicada à Senhora d’Agonia. A edição deste ano da Romaria da Senhora d’Agonia realiza-se de 14 a 22 de agosto, tendo como novidades do programa, a realização do tradicional Desfile da Mordomia, que em 2023 juntou mais de 900 mulheres pelas ruas de Viana do Castelo, no dia 15 de agosto, feriado. Este é um dos quadros mais procurados, na participação e no público para assistir. Pode consultar o programa oficial AQUI .

Enorme “Coração de Viana” de Joana Vasconcelos exposto em Serralves

Uma das obras mais conhecidas e emblemáticas da artista plástica portuguesa Joana Vasconcelos, o "Coração Independente Vermelho”, inspirado no coração de Viana, peça icónica da filigrana portuguesa, está entre as mais de trinta e cinco peças que integram a sua primeira exposição individual em Serralves. A exposição, intitulada “I’m Your Mirror” esteve anteriormente no Museu Guggenheim de Bilbau (Espanha), onde recebeu mais de 640 mil visitantes. Vai estar no Porto, em Serralves, até 24 de junho. A obra "Coração Independente Vermelho”, já esteve exposta no Centro Cultural de Viana do Castelo durante a Romaria d'Agonia de 2014. Joana Vasconcelos foi, nesse mesmo ano, presidente da Comissão de Honra das Festas, tendo participado no cortejo etnográfico e no desfile da Mordomia. Alguns dos trabalhos expostos no Museu e nos Jardins do Parque de Serralves: (Clique na imagem para ver em modo de ecrã inteiro) CORAÇÃO INDEPENDENTE VERMELHO, 2005 | Apresenta-se sob a forma

Sabia que?…

O Chafariz/Estátua de Mercúrio, evocativo do Deus do Comércio, foi construído em 1840. Já conheceu três locais na cidade. Inicialmente instalado no Largo do Pombal (atual Alameda 5 de Outubro) foi, por volta de 1867 desviado para o Jardim Público Marginal. No ano de 1958 sofreu nova mudança, desta vez para o atual Largo Maestro José Pedro, onde se encontra atualmente.

A pesca da lampreia no estuário do Lima

Pequenas embarcações, com uma tripulação que varia entre dois e três pescadores por barco, dão vida e movimento a este rio que desagua na cidade de Viana do Castelo. Este é um período muito esperado pelos pescadores locais, pois cada exemplar deste ciclóstomo tem elevado valor comercial. Por estes dias os preços têm estado muito altos, rondando os 100 euros por unidade. A pesca decorre até 10 de abril. Fotos: estuário do rio Lima, fevereiro de 2024.