Avançar para o conteúdo principal

A minha terra é Viana, são estas ruas estreitas…

“…A minha terra é Viana
São estas ruas estreitas
São os navios que partem
E são as pedras que ficam.
É este sol que me abrasa
Este amor que não engana
Estas sombras que me assustam
A minha terra é Viana…” (Poema sobre Viana, escrito por Pedro Homem de Mello)

RUA DA BANDEIRA
A rua da Bandeira, com o seu longo percurso desde a Praça da República até S. Vicente é, desde há bastantes séculos, a maior rua da cidade.
A designação de rua da Bandeira advem-lhe do facto de ser a via pública que terminava em S. Vicente e, aqui neste local, junto do ribeiro que ali passa e da capela de S. Vicente, ter existido o Hospital de Gafos ou Gafaria e, por esse motivo, se erguer num alto mastro, uma grande bandeira amarela que assinalava a presença de leprosos.

RUA DO LOUREIRO
A rua do Loureiro, um dos principais arruamentos da Ribeira de Viana do Castelo, com princípio na Rua Góis Pinto e fim no Largo Amadeu Costa, tem esse nome em óbvia alusão ao “Loureiro”, tipo de planta muito frequente no nosso país e bastante utilizado nas portas das tabernas, para assinalar estes caraterísticos estabelecimentos comerciais de fornecimento de vinhos a retalho.


Comentários

  1. Gostaria muito de conhecer essas ruas estreitas de Portugal, pois carrego Viana no meu nome.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Escadório de Santa Luzia

A Basílica de Santa Luzia, situada no alto do monte com o mesmo nome, é o monumento mais conhecido e visitado da cidade de Viana do Castelo. Para lá chegar tem três opções: a estrada, o funicular ou o escadório. Quem optar pelo funicular, fará um percurso de 650 metros, vencendo um desnível de 160 metros, numa viagem com duração de aproximadamente 7 minutos. Quem se sentir atraído a ir a pé pelo escadório, terá que subir 659 degraus. Subir esta escadaria não é assim tão difícil, basta ir com calma, parando quando o cansaço aparecer. Veja algumas fotografias do escadório de Santa Luzia.

Em 2005 era assim...

O Campo d’Agonia / Campo do Castelo num passado não muito remoto. Fotos: Arquivo / Olhar Viana do Castelo

“Mictório” ao ar livre: o mau hábito de urinar na via pública

Esta estrutura situada no espaço relvado da Marina de Viana do Castelo, há muito tempo que é utilizada por algumas pessoas como “mictório” a céu aberto, tal é o mau cheiro que por vezes sente quem por lá passa. Este (mau) comportamento persiste, o que revela falta de civismo.

Casa Brasileira a mais antiga confeitaria de Viana do Castelo

A fachada sóbria da “Casa Brasileira”, a mais antiga confeitaria da cidade de Viana do Castelo, “guarda” no seu interior verdadeiras delícias da doçaria tradicional. Fundada por emigrantes no Brasil, que a abriram precisamente no dia 22 de Março de 1902, no edifício onde ainda existe hoje, em pleno centro histórico da cidade, este estabelecimento citadino foi durante muitos anos um ícone dos doces típicos de Viana do Castelo. Mas, como em tudo na vida, esta confeitaria também teve os seus pontos altos e baixos. Os actuais proprietários, Sr. Norberto Martins e D. Maria Graça Ferreira, ex-emigrantes em França, quando em 2004 assumiram a direcção do estabelecimento, encontraram-no com uma deterioração que fazia esquecer os tempos dourados. Aos poucos, foram renovando o espaço e introduzindo nova doçaria de inspiração francesa que, juntamente com a confecção tradicional fez com que o espaço voltasse a ter a fama e a clientela que entretanto tinha perdido. Entre as especialidades serv

VIANA | Convento de S. Francisco do Monte. Cinco séculos de história votados ao abandono

Desde muito novo que ouço falar do Convento de S. Francisco do Monte, mas nunca o tinha visitado. Na semana passada, na companhia de um amigo, pusemos pés ao caminho e fomos ao encontro do mítico convento. Isolado no meio da encosta do Monte de Santa Luzia, no Lugar de Abelheira, Viana do Castelo, para lá chegarmos foi necessário andar por caminhos pedregosos, com muito mato e de difícil acesso. Antes de chegarmos ao convento, mais ou menos a meio caminho, surge-nos um cruzeiro em granito, encimado por uma cruz. Percorridos mais alguns metros eis-nos em frente a um imponente Pórtico, no cimo do qual se encontram três imagens (S. Francisco, S. Pedro de Alcântara e Santo António). Apesar da entrada se encontrar vedada, olhando para o seu interior, a imagem que se nos depara é desoladora. Só se vê ruína, abandono e vandalismo. O que resta do convento são partes de algumas paredes que ainda se encontram de pé e pouco mais. Convento do século XIV está há vários anos à espera de ser