Avançar para o conteúdo principal

Desconstrução de prédio Coutinho em Viana do Castelo é “demolição comum”

 

O Portal da Construção Sustentável (PCS) divulgou hoje que a desconstrução do prédio Coutinho, Viana do Castelo, não é mais do que “uma demolição comum”, quando “deveria e poderia ter sido um desmonte exemplar”, visando a “reutilização de materiais”.

“Separar e britar os Resíduos de Construção e Demolição (RCD) e encaminhá-los para uma gestora de resíduos já é obrigatório em Portugal há mais de 10 anos”, afirmou hoje a arquiteta Aline Guerreiro, administradora do PCS, citada numa nota enviada às redações.

Para Aline Guerreiro, a intervenção em curso no edifício de 13 andares, no centro histórico de Viana do Castelo, “deveria/poderia” ser o que “ainda não se faz em Portugal, e que já é prática comum nos países mais evoluídos da Europa, como Dinamarca, Holanda ou Alemanha, que é a reutilização dos materiais em bom estado, em vez de os britar”.

A empreitada, iniciada em dezembro último, orçada em 1,2 milhões de euros, foi adjudicada pela sociedade VianaPolis à empresa Baltor.

Contactado pela agência Lusa, o vogal executivo do conselho de administração da VianaPolis, Tiago Delgado, disse que tem sido feito “tudo o que é possível” para reutilizar materiais que na “teoria é uma coisa, mas prática e, na realidade, é um bocadinho diferente”.

“É mais uma pedra na engrenagem, que não vai atrasar o processo. Está o comboio em andamento. Pode haver este ruído, mas não há hipótese”, referiu.

 Em 2018, o PCS escolheu o edifício Jardim como caso de estudo de construção seletiva, financiado pelo Fundo Ambiental, tutelado pelo Governo. 

Neste estudo, o PCS faz recomendações de desconstrução seletiva por forma a reutilizar os materiais em bom estado.

Aponta, entre outros exemplos de materiais “em perfeito estado para novas utilizações”, 359 torneiras e 1.885 portas de madeira maciça, incluindo portas de roupeiros.

“O responsável pela empreitada a quem a Viana Polis entregou o trabalho ter referido que as portas entraram novamente no mercado, não foi capaz de informar qual a economia gerada pela sua venda, nem a quem foram vendidas e onde poderão vir a ser reutilizadas”, referiu Aline Guerreiro, referindo-se às declarações do administrador da Baltor.

Na semana passada, em declarações à agência Lusa, Cláudio Costa disse que “as portas entraram novamente no mercado”, admitindo que o reaproveitamento de materiais seja ainda uma prática “muito pouco madura” em Portugal.

Já o material restante, acrescentou, vai ser encaminhado para os destinos de reciclagem, sendo que os inertes vão ser todos britados de modo a serem aproveitados noutras obras.

“Seria um ótimo exemplo para divulgar e estimular o início de um mercado de materiais de construção em segunda mão, que como o próprio refere, é um mercado ainda embrionário, mas que deve ser especulado”, sustenta a administradora do PCS.

Para a plataforma sem fins lucrativos de divulgação de informação sobre construção e sustentabilidade, a desconstrução do edifício, que “seria um bom exemplo da diminuição do impacte ambiental associado ao setor da construção”, não representa “nada de inovador e de exemplar em termos de sustentabilidade”, não passando de “uma demolição comum”.

A arquiteta adiantou ter questionado “há algumas semanas” a sociedade VianaPolis “sobre os resultados daquilo a que chamam de desconstrução”, mas “até hoje não obteve qualquer resposta”.

Conhecido localmente como prédio Coutinho, o edifício Jardim foi construído no início da década de 70 do século passado. Tem a sua desconstrução prevista desde 2000, ao abrigo do programa Polis.

O projeto, iniciado quando António Guterres era primeiro-ministro e José Sócrates ministro do Ambiente, prevê para o local a construção do novo mercado municipal.

Tiago Delgado garantiu que a VianaPolis “sempre prestou todas as informações que foram pedidas pelo PCS, sendo que na fase de remoção dos materiais a administradora do portal esteve na obra para acompanhar os trabalhos”. 

Adiantou que na fase de remoção dos materiais “foi feito tudo o que era possível para a sua reutilização”, o que nem sempre foi conseguido.

“Estamos a falar de materiais como os sanitários com mais de 40 anos. Ao retirar, muitas das peças partiram-se. Por sua vez, para que as torneiras fossem reutilizadas era preciso que os acessórios ainda existissem no mercado. Estamos a fazer o máximo que podemos e temos a consciência tranquila de estarmos a cumprir com o que é possível”, frisou.

Adiantou que durante a fase de remoção dos materiais, se o PCS “tivesse sido mais proativo teria vindo à obra e teria apontado o que foi mal feito”.

“Não o fizeram, e agora há esta posição. É estranho”, referiu.

Para Tiago Delgado, a desconstrução do prédio Coutinho, “em relação a empreitadas anteriores realizadas no país, é um passo importante e representa uma grande evolução”.

“Retirámos todos os equipamentos que existiam no interior. Máquinas de lavar roupa e louça, fogões e frigoríficos. A maior parte não funcionava. Foram doados a uma instituição para beneficiar do seu encaminhamento para reciclagem”, indicou.

O PCS nasceu em 2010 e a sua atividade baseia-se em “disponibilizar informação atualizada sobre o setor dos edifícios, com enfoque na qualidade da construção, na eficiência energética e na reabilitação, consciencializar a população e as empresas do setor para esta nova realidade, através de ferramentas ‘online’ e projetos de sensibilização, e divulgar produtos e/ou serviços que respondam a esta realidade”.


Notícia da LUSA 7 fev 2022

Comentários

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Bom Dia Viana do Castelo

Iates na antiga doca comercial onde, presentemente, se encontra ancorado o navio museu Gil Eannes.  A reconversão desta antiga doca comercial numa marina atlântica está prevista há vários anos, mas tarda em concretizar-se. Com cerca de 477 metros de comprimento e 100 de largura, com a reabilitação prevista, a referida doca (futura Marina Atlântica) passará a ter capacidade para receber embarcações de recreio de maior dimensão.

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

PRAÇA DE TOUROS | Anteprojeto de reconversão

A construção de uma pista de atletismo a dez metros de altura, com 200 metros de extensão e vista panorâmica é uma das valências do 'campus' desportivo que vai nascer na antiga praça de touros de Viana do Castelo.  Em declarações hoje à agência Lusa, a propósito da conclusão do anteprojeto de reconversão da antiga praça de touros em 'campus' desportivo, o presidente da Câmara revelou que a infraestrutura, a criar no exterior e abrangendo todo o perímetro do edifício, poderá ser utilizada por atletas e pela população para "jogging, atletismo, caminhadas entre outras atividades de manutenção física".  A pista "será coberta", permitindo a sua utilização "mesmo em condições climatéricas adversas" e está integrada no projeto para reconversão da antiga praça de touros, um investimento de 2,5 milhões de euros que vai a concurso em abril de 2017 e que prevê a transformação da antiga arena, desativada há cerca de sete anos desde que cidade se d

Escadório de Santa Luzia

A Basílica de Santa Luzia, situada no alto do monte com o mesmo nome, é o monumento mais conhecido e visitado da cidade de Viana do Castelo. Para lá chegar tem três opções: a estrada, o funicular ou o escadório. Quem optar pelo funicular, fará um percurso de 650 metros, vencendo um desnível de 160 metros, numa viagem com duração de aproximadamente 7 minutos. Quem se sentir atraído a ir a pé pelo escadório, terá que subir 659 degraus. Subir esta escadaria não é assim tão difícil, basta ir com calma, parando quando o cansaço aparecer. Veja algumas fotografias do escadório de Santa Luzia.

Casa Brasileira a mais antiga confeitaria de Viana do Castelo

A fachada sóbria da “Casa Brasileira”, a mais antiga confeitaria da cidade de Viana do Castelo, “guarda” no seu interior verdadeiras delícias da doçaria tradicional. Fundada por emigrantes no Brasil, que a abriram precisamente no dia 22 de Março de 1902, no edifício onde ainda existe hoje, em pleno centro histórico da cidade, este estabelecimento citadino foi durante muitos anos um ícone dos doces típicos de Viana do Castelo. Mas, como em tudo na vida, esta confeitaria também teve os seus pontos altos e baixos. Os actuais proprietários, Sr. Norberto Martins e D. Maria Graça Ferreira, ex-emigrantes em França, quando em 2004 assumiram a direcção do estabelecimento, encontraram-no com uma deterioração que fazia esquecer os tempos dourados. Aos poucos, foram renovando o espaço e introduzindo nova doçaria de inspiração francesa que, juntamente com a confecção tradicional fez com que o espaço voltasse a ter a fama e a clientela que entretanto tinha perdido. Entre as especialidades serv